Seguir o O MINHO

Barcelos

Suspeito de tentar violar e matar mulher em Barcelos é considerado “predador sexual”

Já tinha sido condenado a 10 anos de prisão em Inglaterra

em

Suspeito escondeu-se com casaco à saída da PJ. Foto: O MINHO

O suspeito de tentar violar e matar uma mulher, em Barcelos, e que ficou em prisão preventiva, é considerado internacionalmente um predador sexual, tendo vários antecedentes e já foi condenado a dez anos de prisão, por crime de violação, em Inglaterra.

Hernany Ernesto de Brito, de 30 anos, soldador de profissão, com dupla nacionalidade, angolana e portuguesa, residente na freguesia de Tamel São Fins, concelho de Barcelos, já tinha sido condenado com dez anos de prisão, devido a crimes de violação, em Londres, um processo que fez manchete em vários jornais britânicos, um dos quais o “Guardian”.

Então com 22 nos de idade, em 11 de novembro de 2012, sequestrou uma mulher, na residência da própria vítima, tendo-a encandeado, com um conjunto de luzes da Árvore de Natal da mulher, de 50 anos, deixando-a com os olhos vermelhos, após o que a violou reiteradamente, provocando-lhe ferimentos muito graves.

Hernany Ernesto de Brito tinha visitado a mulher, que se encontrava inicialmente a falar com dois outros amigos, mas quando ambos deixaram a residência, em Seven Kings, na cidade de Londres, então o soldador apoderou-se de todas as chaves e trancou a sua vítima, tendo-a violado, sucessivamente, por três vezes, agredindo-a e mordendo-a.

Segundo os relatos de “Guardian”, com base nos factos provados durante o julgamento, a vítima só conseguiu escapar por volta das seis horas da manhã seguinte, quando aquele predador sexual adormeceu e a mulher, em pânico, usou chaves suplentes para a sua fuga.

Depois de cinco horas de deliberação, no Tribunal de Snaresbrook Crown, Hernany Ernesto de Brito foi condenado, em cúmulo jurídico, a dez anos de prisão, por três acusações de violação, asfixia com a intenção de cometer violação, sequestro, agressão por penetração e causar lesões corporais graves com intenção, levando a juíza, Louise Kamill, a referir que “as violações foram triplas e praticadas de três maneiras diferentes, durante um período de sequestro”, violações que duraram cerca de duas horas na própria residência da vítima.

“Um perigo e um risco para o público”, disse a juíza londrina

Segundo aquele periódico inglês, aquando da sua condenação, em Londres, além dos dez anos de prisão, a juíza, Louise Kmill, determinou que permanecerá no registo dos criminosos sexuais “para o resto da vida”, devido à classificação policial, como predador sexual, que consta dos ficheiros policiais de todo o mundo, incluindo da Polícia Judiciária.

“É óbvio que a natureza e a brutalidade das ofensas revelam que se trata de um perigo e um risco para o público no futuro”, salientou a magistrada do Snaresbrook Crown Court.

Na ocasião, Hernany Ernesto de Brito tinha ingerido mais de uma dezena de cervejas e, a seguir às violações sucessivas, ameaçou a vítima que caso se queixasse, ele iria denunciar o facto daquela mesma mulher se encontrar em Inglaterra em situação de imigração ilegal.

Notícia atualizada às 09h59.

Populares