Seguir o O MINHO

País

Surto de covid no IPO do Porto com sete infetados

Covid-19

em

Foto: DR

Cinco doentes e dois profissionais de saúde do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto testaram positivo à covid-19, estando em “isolamento e com todas as medidas de segurança necessárias para este tipo de situação”, revelou hoje a instituição.

Numa resposta escrita enviada à agência Lusa, o IPO do Porto refere que “foram identificados cinco doentes e dois profissionais de saúde positivos para covid-19, todos eles relacionados com o piso 08 de internamento do Edifício A [cirurgia]”.

Na nota, que é assinada pelo conselho de administração, o IPO do Porto especifica que “o primeiro caso foi detetado ontem [quinta-feira] num doente que revelou febre e sintomas respiratórios suspeitos”.

Já “um segundo doente internado nesse piso foi testado no contexto de atuação de rotina como preparação para procedimento diagnóstico”.

“Tendo ambos os testes sido positivos para covid-19 e tratando-se de doentes do mesmo piso, foi de imediato decidido testar todos os doentes, assim como os profissionais com os quais tinham contactado, em estreita colaboração entre a Comissão de Controlo de Infeção (GCL-PPCIRA) e o Gabinete de Medicina do Trabalho”, descreve a instituição.

Na sequência dessa testagem foram identificados os casos de mais três doentes e dois profissionais.

“Estão em curso as restantes análises a doentes e profissionais do referido piso”, acrescenta o IPO, garantindo que “este grupo de doentes encontra-se em isolamento com todas as medidas de segurança necessárias preconizadas para este tipo de situação”.

O IPO do Porto acrescenta que “já estão a decorrer os procedimentos de transferência de doentes para unidades hospitalares da área de residência, onde serão acompanhados até reunirem de novo condições para continuar o seu tratamento ou acompanhamento no IPO do Porto” e que “está em curso a averiguação dos potenciais elos de ligação entre os casos detetados, de forma a identificar a origem deste surto”.

Sublinhando, ainda, que “a identificação destes casos resulta da estratégia ativa e permanente de atenção à pandemia de covid-19 e às medidas implementadas desde o início para garantir a segurança de doentes e de profissionais”, o instituto frisa que “continuará a garantir as melhores práticas clínicas para os seus doentes, os quais devem manter a confiança na competência e dedicação dos profissionais nesta situação de pandemia”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,3 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 3.762 em Portugal.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Anúncio

País

Águas do Alto Minho regulariza consumos suspensos em 2020 por erros nas faturas

AdAM explicou que irá enviar aos consumidores “uma fatura adicional, de cor amarela, referente ao valor dos consumos não faturados em 2020”

Foto: DR

A empresa de gestão das redes de água em baixa e de saneamento Águas do Alto Minho (AdAM) anunciou hoje o início da regularização dos consumos não faturados em 2020, na sequência de erros que afetaram 15 mil consumidores.

Em comunicado hoje enviado à agência Lusa, a AdAM explicou que irá enviar aos consumidores “uma fatura adicional, de cor amarela, referente ao valor dos consumos não faturados em 2020”.

“Esta fatura é enviada na mesma carta da fatura de janeiro de 2021. Ou seja, os clientes receberão duas faturas, uma normal, referente ao período dos últimos 30 dias, e outra, de cor amarela, referente ao valor não faturado em 2020”, especifica a empresa.

A AdAM é detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP)e, em 49%, pelos municípios de Arcos de Valdevez (PSD), Caminha (PS), Paredes de Coura (PS), Ponte de Lima (CDS-PP), Valença (PSD), Viana do Castelo (PS) e Vila Nova de Cerveira (movimento independente PenCe – Pensar Cerveira), que compõem a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Três concelhos do distrito – Ponte da Barca (PSD), Monção (PSD) e Melgaço (PS) – reprovaram a constituição daquela parceria.

A faturação foi suspensa em abril, depois de terem sido detetados erros que afetaram 15 mil consumidores, e reiniciada em junho de 2020.

“A AdAM suspendeu a faturação aos seus clientes por um período de 35 a 90 dias, numa média de cerca de dois meses. Esta suspensão teve como objetivo resolver problemas no sistema de faturação e evitar cobranças não devidas”, explica a empresa na nota de imprensa hoje enviada.

A AdAM informa que os consumidores poderão regularizar os consumos “na totalidade, pelos canais de pagamento usuais, ou de forma fracionada, bastando não realizar a liquidação imediata”.

“Valores inferiores a 30 euros serão pagos em seis frações, cobrada nas faturas dos seis meses seguintes e os valores superiores a 30 euros serão pagos em 12 frações, cobradas nas faturas dos 12 meses seguintes”, explica a empresa.

“No caso de débito direto, o fracionamento será automático, com os mesmos critérios, mas não será remetida a fatura pela totalidade às entidades bancárias”, acrescenta.

A empresa adianta que “irá manter em funcionamento as lojas no período de confinamento, reforçar o número de balcões de atendimento e o atendimento telefónico”.

A nova empresa começou a operar em janeiro, “dimensionada para fornecer mais de nove milhões de metros cúbicos de água potável, por ano, e para recolher e tratar mais de seis milhões de metros cúbicos de água residual, por ano, a cerca de 70 mil clientes”.

A constituição da empresa tem sido contestada por vários partidos e pela população de alguns concelhos, que se queixam do aumento “exponencial” das tarifas e do “mau funcionamento dos serviços”.

Em agosto último, a empresa pediu desculpa por nova “incorreção” detetada num “lote” de leituras dos consumos de maio, que afetou as faturas de 495 clientes de seis concelhos da região, garantindo estar a processar notas de crédito.

Nessa altura, numa manifestação convocada através das redes sociais, a população realizou protestos nos sete concelhos integrados na AdAM, junto aos edifícios camarários, exigindo o regresso da gestão de redes de água em baixa e de saneamento às autarquias.

Continuar a ler

País

Covid-19: Novo recorde de mortos (166) e infetados (10.947). Há 8.477 recuperados

DGS

Foto: DR

Portugal regista hoje mais 166 mortos e 10.947 novos casos de infeção por covid-19, em relação a sexta-feira, segundo o boletim epidemiológico diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). É o maior número de mortes e infeções diárias.

3.795 das novas infeções são no Norte do país.

Há ainda 8.477 recuperados.

De acordo com o boletim, desde o início da pandemia até hoje registam-se 539.416 casos de infeção confirmados e 8.709 mortes.

Continuar a ler

País

Despachos covid regularizam processos no SEF de 356 mil emigrantes

Covid-19

SEF. Foto: O MINHO / Arquivo

Mais de 356.000 imigrantes com processos pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ficaram regularizados de forma provisória em 2020, ao abrigo de dois despachos publicados na sequência do estado de calamidade devido à covid-19, segundo o SEF.

Em esclarecimento solicitado pela agência Lusa, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) referiu que o primeiro despacho, publicado a 27 de março de 2020, permitiu que cerca de 260 mil imigrantes com processos pendentes no SEF, entre 18 de março e 15 de outubro, tivessem ficado com a sua situação regularizada temporariamente.

Desde então, e após marcação do SEF para conclusão do processo de regularização, a maioria ficou com a situação regularizada definitivamente, existindo ainda casos pendentes e para resolução futura.

Entretanto, e ainda devido à covid-19, o Governo prorrogou este processo, através de um despacho publicado a 08 de novembro de 2020, o qual permitiu a regularização temporária de 116.700 imigrantes que tinham formulado os seus pedidos entre 18 de março e 15 de outubro de 2020.

Ao todo, foram 356.700 os imigrantes que durante este período ficaram com a sua situação temporariamente regularizada, o que lhes permitiu, nomeadamente, “aceder a todos os serviços públicos, designadamente para obtenção do número de utente, acesso ao Serviço Nacional de Saúde ou a outros direitos de assistência à saúde, acesso às prestações sociais de apoio, celebração de contratos de arrendamento, celebração de contratos de trabalho, abertura de contas bancárias e contratação de serviços públicos essenciais”.

A pandemia de covid-19, e as respetivas medidas de prevenção da transmissão da infeção, afetou os serviços do SEF, tal como “outros serviços da Administração Pública e outros demais serviços de atendimento ao público”, conforme o próprio serviço reconhece.

“De 30 de março a 4 de maio de 2020, os postos de atendimento do SEF estiveram encerrados por força da situação pandémica a nível nacional (estado de emergência)”, indica este organismo, sublinhando que, “apesar dos constrangimentos”, em 2020 foram atendidos nos balcões do SEF mais de 200.700 cidadãos.

Em julho de 2020, o SEF disponibilizou uma nova funcionalidade online para Renovação Automática de Autorizações de Residência, tendo sido já realizadas cerca de 88.000 renovações automáticas de títulos de residência, através de um processo integralmente digital que dispensa a deslocação física do cidadão ao balcão de atendimento.

O SEF realizou cerca de 201.000 atendimentos presenciais e emitiu 117.500 documentos de residência (129.155 em 2019). Destes, e para exercício de atividade profissional, foram emitidos mais de 25.000 novos títulos de residência (26.716 em 2019) e estão agendados para os balcões do SEF, até junho, mais de 21.000 atendimentos.

De acordo com o Relatório de Imigração Fronteiras e Asilo (RIFA) do SEF, em 2019 viviam em Portugal 590.348 cidadãos estrangeiros titulares de autorização de residência, o valor mais elevado registado por este serviço desde a sua criação, em 1976.

Em Portugal, morreram 8.543 pessoas dos 528.469 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Populares