Seguir o O MINHO

Braga

Supremo mantém penas máximas para cinco arguidos do processo Máfia de Braga

25 anos

em

Foto: O MINHO / Arquivo

O Supremo Tribunal de Justiça manteve hoje as penas de 25 anos de prisão a cinco dos arguidos do processo ‘Máfia de Braga’ e reduziu de 23 para 19 anos de cadeia a pena de um sexto arguido.

Em 20 de dezembro de 2017, o Tribunal de São João Novo, no Porto, condenou os irmãos Pedro, Adolfo e Manuel Bourbon, Rafael Silva, Hélder Moreira e Emanuel Paulino (conhecido como o Bruxo da Areosa) à pena máxima, por sequestro, homicídio e profanação de cadáver de João Paulo Fernandes, um empresário de Braga, cujo corpo foi dissolvido em ácido sulfúrico.

Após recurso dos arguidos, em 17 de outubro de 2018, o Tribunal da Relação do Porto manteve cinco penas máximas e reduziu para 23 anos de cadeia a condenação do arguido Hélder Moreira, dono dos armazéns onde os crimes ocorreram, tendo todos os arguidos recorrido para o Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

Segundo o acórdão do STJ, a que a agência Lusa teve hoje acesso, o coletivo de juízes, composto pelos conselheiros Santos Cabral (presidente), Raul Borges e Pires da Graça (relator) negou provimento aos recursos apresentados pelos irmãos Pedro, Adolfo e Manuel Bourbon, por Rafael Silva e por Emanuel Paulino (conhecido como o Bruxo da Areosa), mantendo as penas máximas.

Quando ao arguido Hélder Moreira, o STJ deu “parcial provimento” ao recurso do arguido, condenando-o como cúmplice do crime de homicídio qualificado na pena de 15 anos de prisão. Em cúmulo jurídico, o Supremo aplicou-lhe a pena única de 19 anos de cadeia, reduzindo em quatro anos a condenação (23 anos de prisão) determinada anteriormente pelo Tribunal da Relação do Porto.

Anúncio

Braga

Braga: MP acusa ex-autarca de Guisande do crime de peculato

MP acusa autarca de Guisande do crime de peculato – Condenado por insultos em “manif” mandou pagar duas indemnizações pessoais

em

Adelino Sá, ex-presidente da junta de Guisande. Foto: Facebook de Adelino Sá

O ex-presidente da Junta de Freguesia de Guisande, Braga, foi acusado pelo Ministério Público (MP) de Braga da prática de um crime de  peculato, por ter mandado pagar, com dinheiro da autarquia, duas indemnizações a que fora condenado, a título pessoal, em tribunal.

Ao todo, 3.760 euros liquidados pela junta a um casal da localidade. Mas não houve desvio de dinheiros da autarquia.

O caso remonta a 2012, quando Adelino Sá, eleito pela coligação Juntos por Braga (PSD/CDS) participou numa manifestação popular contra o alegado corte de um caminho público, a Rua da Cal, feito por Manuel Joaquim da Cruz Araújo e mulher, à revelia da autarquia.

A manifestação passou pela rua e, à porta do casal, registaram-se várias altercações verbais, com insultos mútuos. Dias depois, o casal pôs uma queixa em Tribunal contra o autarca e mais dois manifestantes, que acabou na condenação aquela pena de multa.

“Em defesa da população”

Fonte ligada ao processo disse ao MINHO que, em 2013, e quando se tornou secretário da mesma junta, Adelino Sá defendeu no executivo que a condenação ocorreu em defesa da freguesia e enquanto autarca, numa ação em defesa da população. A junta, que entretanto se agregou numa união com a de Oliveira São Pedro, não aceitou a tese e não pagou.

O agora arguido, levou o caso à Assembleia de Freguesia, a qual decidiu, com a abstenção e um voto contra da Coligação e dois a favor do PS que  deveriam ser os cofres da autarquia a assumir as indemnizações.

De seguida, enquanto secretário, mandou pagar a conta. A queixa judicial que se seguiu partiu do próprio casal. Na freguesia, e ao que soubemos, há um clima de mal-estar por causa do corte da via que se mantém apesar de sentenças que a mandam abrir.

O casal em causa tem mais três ações contra a Junta, esta uma em sentido contrário, e várias outras contra familiares e fregueses. Cerca de 20, no total, por causa da rua e de questões de terrenos e  tudo com apoio judiciário.

Continuar a ler

Braga

Aprender a dançar à moda oitocentista? Em Braga já pode, no Museu dos Biscainhos

Danças de Sociedade

em

Foto: Facebook de Danças de Sociedade

O grupo Danças de Sociedade, em parceria com o Museu dos Biscainhos e da Academia de Bailado de Guimarães, está a promover um curso de “baile oitocentista”, que decorre uma vez por mês, naquele espaço cultura na cidade de Braga.

O objetivo, de acordo com a organização, passa por “reviver a magia de um baile romântico”, com músicas célebres de Strauss, entre outros compositores da época.

Com três datas agendadas, o curso decorre nos dias 17 de novembro, 08 de dezembro e 12 de janeiro. No final, está marcado um “grande baile” no salão nobre do Museu dos Biscainhos.

As três datas calham a um domingo, de tarde, entre as 14:30 e as 17:30. Inscrições através do e-mail [email protected]

Continuar a ler

Braga

GNR detém dois suspeitos de mais de 40 assaltos em Braga

GNR

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Dois homens, de 30 e 49 anos, foram detidos por militares do Núcleo de Investigação de Braga da GNR, esta segunda-feira, anunciou a guarda em comunicado.

A investigação policial decorria há seis meses quando, esta manhã, os militares puderam fazer cumprir mandados de detenção a estes indivíduos que são suspeitos, diz a GNR, de 40 crimes de furto dentro de estabelecimentos de restauração e talhos nos concelhos de Amares, Braga, Vieira do Minho e Vila Verde.

Na nota divulgada à imprensa, aquela polícia informa que o método dos suspeitos passava pelo “arrombamento”, introduzindo-se posteriormente nos estabelecimentos com “intuito de furtar dinheiro, álcool, bens alimentares, combustível e eletrodomésticos”.

Os detidos, com antecedentes criminais pelos mesmos crimes, serão presentes ao Tribunal Judicial de Braga nesta terça-feira, para aplicação de medidas de coação.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares