Seguir o O MINHO

Futebol

Sporting-FC Porto: Clássico que as duas equipas estão ‘proibidas’ de perder

15.ª jornada da I Liga

em

Foto: Twitter de FC Porto (Arquivo)

Sporting e FC Porto disputam no domingo o primeiro clássico do ano 2020 da I Liga portuguesa de futebol, em Alvalade, numa partida em que, por diferentes motivos, ambos os clubes estão ‘proibidos’ de perder.

No sábado, o campeão Benfica desloca-se a casa do Vitória SC e, consoante o resultado obtido pelos ‘encarnados’, uma derrota do FC Porto em Alvalade pode deixar os ‘dragões’ a um máximo de sete pontos dos líderes.

Por outro lado, a derrota do Sporting faz do título uma miragem e deixa os ‘leões’ mais longe da luta pelo segundo lugar, que dá acesso à Liga dos Campeões, precisamente frente a um adversário direto, que se encontra, presentemente, em vantagem e à distância de nove pontos.

Um triunfo do Sporting, que não perde em Alvalade com o FC Porto desde 2008, permite ao clube orientado por Silas reduzir para seis pontos a diferença para os ‘dragões’ e deixa em aberto a luta pelo segundo lugar ao longo da segunda metade do campeonato.

A derrota leonina permite aos ‘dragões’ aumentar a vantagem para 12 pontos e deixa o Sporting praticamente ‘fora’ da Liga dos Campeões, ainda na primeira volta, e ao alcance do Famalicão, que segue no quarto lugar, com 24 pontos, a dois dos lisboetas, e que no domingo recebe o Vitória de Setúbal.

O FC Porto não tem sido feliz nas deslocações a Alvalade, onde não vence desde 05 de outubro de 2008 (2-1), com golos de Lisandro López e Bruno Alves, e o Sporting tem um registo quase imperial em casa frente aos ‘dragões’, com um total de quatro vitórias e seis empates nas últimas 10 épocas.

Para se manter na luta pelo título nacional, o FC Porto terá, por isso, de contrariar a história recente em casa do Sporting, onde com o treinador Sérgio Conceição nunca venceu e o melhor que conseguiu foram dois empates a 0-0 (em 2018/19 e 2017/18).

Em 2017/18, o FC Porto de Sérgio Conceição foi afastado das meias-finais da Taça de Portugal, em Alvalade, no desempate por grandes penalidades (5-4), após derrota por 1-0. No encontro da primeira mão o FC Porto venceu por 1-0, com um golo de Soares.

Do atual plantel portista, apenas o central Pepe saiu de Alvalade com os três pontos na bagagem, em 2005/06, e o maliano Marega foi o único que chegou ao golo em casa do Sporting, mas na altura com a camisola do Vitória SC (2015).

Com ambas as equipas praticamente na máxima força, apenas o ‘leão’ Luís Neto está indisponível, a estreia de Silas pelo Sporting em clássicos foi reforçada com a despenalização do castigo de um jogo de suspensão aplicado ao congolês Yannick Bolasie e a inscrição de Pedro Mendes.

Sporting e FC Porto despediram-se de 2019 com vitórias por 4-2 que permitiram o apuramento para a final a quatro da Taça da Liga, respetivamente em casa do Portimonense e do Desportivo de Chaves e pretendem entrar em 2020 sob o mesmo signo.

Dragões’ com mais dois triunfos em 233 jogos

O FC Porto soma mais dois triunfos do que o Sporting, em vésperas do 234.º confronto futebolístico entre as duas equipas.

Em 233 jogos, para a I Liga, Taça de Portugal, Taça da Liga, Supertaça e Campeonato de Portugal, os ‘dragões’ marcaram menos golos (309 contra 331), mas conseguiram mais vitórias (84 contra 82), num duelo com 67 igualdades.

Na presente temporada, ‘dragões’ e ‘leões’ encontram-se pela primeira vez, depois de, estatisticamente, os ‘azuis e brancos’ terem prevalecido em 2018/19, ao vencerem o único de três clássicos que não terminou empatado.

Em 12 de janeiro, para o campeonato, registou-se um ‘nulo’, com o ‘onze’ de Marcel Keizer a impedir o FC Porto de bater o recorde luso de triunfos consecutivos em todos as provas na mesma época. Os comandados de Sérgio Conceição procuravam ‘desalojar’ da lista dos recordes os 18 do Benfica, em 2010/11.

O segundo embate disputou-se 14 dias depois, no Estádio Municipal de Braga, e o Sporting impôs-se ao FC Porto, mas apenas no desempate por grandes penalidades (3-1), pelo que, em termos numéricos, valeu o empate (1-1) nos 90 minutos.

Depois de duas igualdades, o FC Porto aumentou a vantagem no histórico, ao vencer por 2-1 no Dragão, com tentos ‘tardios’ de Danilo (78) e Herrera (87), depois de Luiz Phellype adiantar os ‘leões’ (61).

Apesar do triunfo dos portistas, em encontro da 34.ª e última jornada da I Liga, a festa foi do Benfica, que, no mesmo dia (18 de maio de 2019), bateu em casa o Santa Clara por 4-1 e selou a conquista do campeonato de 2018/19.

No que respeita ao histórico do clássico, o FC Porto reforçou, porém, a vantagem, sendo que lidera na segunda década do século XXI (desde 2010/11), com mais três triunfos (oito contra cinco) e quatro golos marcados (23 contra 19).

Caso segure a liderança até ao final de 2019/20, o FC Porto baterá o Sporting pela quarta década consecutiva, depois de já ter triunfado nas de 80 (13-5) e 90 (14-5), do século passado, e na primeira do presente século (11-10).

No século XXI, os registos são, ainda assim, equilibrados, com 19 vitórias do FC Porto e 15 do Sporting, mais 19 empates, com 57 golos para os ‘dragões’ e 53 para os ‘leões’.

O histórico entre os dois emblemas é ligeiramente favorável ao FC Porto, mas já foi dominado de forma vincada pelo Sporting, que, no final da década de 70, tinha mais 19 triunfos do que os ‘dragões’ (56 contra 37).

O FC Porto, entretanto, deu a volta, numa liderança alicerçada nos jogos realizados no seu reduto: em 107 receções aos ‘leões’, os ‘dragões’ ganharam 59 e só perderam 18, ostentando um saldo favorável de 81 golos (188 contra 107).

Os ‘azuis e brancos’ dominam em casa e também nos jogos do campeonato, com mais sete triunfos (66 contra 59), mesmo perdendo nos golos (236 contra 244).

“Bruno Fernandes é ‘meia equipa’”

Foto: Twitter de B24 / Arquivo

O médio português Bruno Fernandes é apontado pelo antigo jogador portista Jaime Magalhães como a grande ameaça do Sporting à equipa do FC Porto para o clássico.

“O Bruno Fernandes é ‘meia equipa’ do Sporting. Vamos ver se ele não consegue fazer um grande jogo. Se o fizer, é mau para o FC Porto. Espero que não jogue bem neste jogo e que nos seguintes faça grandes exibições, como grande craque que é e que merece até jogar noutra liga com mais nome”, afirmou o ex-futebolista dos ‘dragões’.

Em declarações à agência Lusa, o médio que representou o emblema da ‘Invicta’ durante 15 temporadas descartou a ideia de uma marcação especial ao capitão dos ‘leões’, por não ser “um jogador fixo”, e relativizou ainda o peso da ‘travessia no deserto’ do FC Porto em Alvalade, estádio onde não vence desde a época 2008/09 (2-1, com golos de Lisandro Lopez e Bruno Alves).

“Não podemos pensar no passado, temos de pensar no presente. É neste domingo que o FC Porto tem de se concentrar para fazer um bom jogo, com muita humildade, e correr mais do que o adversário para que as coisas corram bem. O FC Porto pode vencer o Sporting, apesar de o Sporting jogar em casa e ser favorito. Certamente o FC Porto irá fazer todos os possíveis para ganhar o jogo e isso é o mais importante: os três pontos”, sublinhou.

Confrontado com a diferença de nove pontos favorável à formação orientada por Sérgio Conceição, Jaime Magalhães, hoje com 57 anos, não hesitou em reconhecer o clássico como preponderante para as aspirações da equipa de Jorge Silas neste campeonato, mas lembrou que o desafio também é decisivo para o FC Porto, face ao atraso de quatro pontos para o líder Benfica.

“É tão importante para o Sporting como para o FC Porto. O FC Porto também está atrasado quatro pontos e irá certamente ser um jogo em que uma das equipas irá perder pontos para o Benfica. Será extremamente difícil, espero que a minha equipa ganhe e que o Benfica não vença em Guimarães”, frisou, rematando: “Se o Benfica perder é ótimo, porque é um incentivo grande para o FC Porto.”

A antiga referência dos ‘dragões’ atribuiu ainda algum “favoritismo” ao Sporting devido ao “fator casa”, apesar de salientar a irregularidade dos três ‘grandes’ nesta I Liga e a maior “sorte” do Benfica em alguns encontros em relação aos rivais.

O clássico da 15.ª jornada da I Liga de futebol entre o Sporting, terceiro classificado, com 26 pontos, e o FC Porto, segundo, com 35, está marcado para este domingo, às 17:30, no Estádio José Alvalade.

Anúncio

Futebol

Ivo Vieira diz semana de preparação para jogo com Aves tem sido “normal”

I Liga

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães/o MINHO

O treinador Ivo Vieira disse, esta quarta-feira, que o Vitória SC preparou de forma “normal” o jogo com o Desportivo das Aves, da 22.ª jornada da I Liga, após os incidentes racistas com o futebolista Marega no encontro anterior.

O avançado maliano do FC Porto deixou o relvado do Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, ao minuto 71 da partida em que os “dragões” venceram os vitorianos por 2-1, em protesto contra insultos racistas de alguns adeptos vimaranenses, o que levou o Ministério Público a instaurar um inquérito.

Questionado sobre a posição que tem sobre o caso e sobre o impacto que causou nos trabalhos do plantel vitoriano para o próximo jogo, o técnico frisou que a situação “não alterou nada o processo de preparação para o próximo jogo” e que o clube vimaranense “emitiu um comunicado onde é bastante explícito na sua posição”, condenando o racismo, mas recusando “vestir a pele de lobo”, num problema com “condenações efetivas a nível nacional e internacional”.

“A única diferença em relação à preparação deste jogo é o encurtamento em termos de espaço para o mesmo (decorre na sexta-feira). O estado de espírito dos jogadores é de tristeza por não termos ganhado o jogo frente a uma equipa que luta para ser campeã. Cabe-me, como líder, tentar alterar o estado de espírito e passar-lhes confiança. Que se mantenha a mesma intensidade e o mesmo caráter. Que o nosso foco é o jogo do Aves, fundamental para somarmos três pontos”, salientou.

O técnico, de 44 anos, referiu ainda que as derrotas “deixam sempre marcas”, mas mostrou-se convicto de que os seus pupilos vão exibir muitos dos “comportamentos de grande nível” do jogo anterior perante um adversário que vai proporcionar “dificuldades”, mesmo ocupando o 18.º e último lugar.

“Temos de estar preparados para um Aves forte, competitivo. Há umas semanas, estava numa fase não muito favorável, mas a verdade é que a esperança continua para eles. Temos de ser mais fortes, mais organizados do que eles, para conseguirmos somar os três pontos”, disse.

Com a equipa minhota no oitavo lugar, com 28 pontos, atualmente a cinco do quinto lugar, que pode garantir o acesso à Liga Europa e é ocupado pelo Rio Ave, Ivo Vieira frisou que o Vitória poderia estar “mais confortável” na tabela, mas lembrou que o campeonato é “uma maratona”.

Questionado sobre a presença esperada de muitos adeptos do clube na Vila das Aves, localidade do concelho de Santo Tirso, a 15 quilómetros de Guimarães, o técnico respondeu que o Vitória é “uma grande força”, “uma nação com povo apaixonado em torno do clube”, com uma “vontade de ganhar” visível em vários jogos.

O Vitória SC, oitavo classificado da I Liga, com 28 pontos, visita o Desportivo das Aves, 18.º e último, com 13, no jogo de abertura da 22.ª jornada, agendado para as 20:30, no Estádio do Clube Desportivo das Aves, em Vila das Aves.

Continuar a ler

Futebol

Presidente do Rio Ave suspenso por críticas à arbitragem na Taça da Liga

Após jogo com o Gil Vicente

em

Foto: rioavefc.pt / DR

O presidente do Rio Ave foi suspenso, esta terça-feira, por 30 dias e multado em 1.836 euros, devido a críticas à arbitragem do jogo com o Gil Vicente, para a Taça da Liga de futebol.

A sanção foi divulgada pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), tendo por base “declarações na comunicação social, sobre a arbitragem” por parte de António Silva Campos.

O CD da FPF tinha instaurado um processo disciplinar ao líder dos vila-condenses, depois de Silva Campos ter criticado a atuação da equipa de arbitragem liderada por André Narciso, no encontro com o Gil Vicente, em 21 de dezembro, a contar para a terceira e última jornada do grupo C da Taça da Liga.

Na sequência do triunfo gilista, por 1-0, o dirigente afirmou que “roubaram ao Rio Ave a possibilidade de estar na final four” da prova e mostrou-se “indignado” com o golo anulado à equipa de Vila do Conde, aos 84 minutos.

O treinador do Rio Ave, Carlos Carvalhal, também se mostrou insatisfeito com a equipa de arbitragem e, em declarações na flash-interview da Sport TV, anunciou que iria “pedir uma reunião com o presidente e apresentar a demissão” do cargo.

A derrota do Rio Ave, aliada à vitória do Sporting frente ao Portimonense, apurou os “leões” para a “final four” da Taça da Liga, que seria conquistada pelo SC Braga.

Continuar a ler

Futebol

Conselho de Disciplina abre processo disciplinar ao Vitória

Caso Marega

em

Foto: Facebook

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou hoje a abertura de um processo disciplinar ao Vitória SC, devido a insultos racistas ao futebolista maliano do FC Porto Moussa Marega.

O avançado do FC Porto recusou-se a permanecer em campo, ao minuto 71 do jogo, após ter sido alvo de cânticos racistas por parte dos adeptos da formação vimaranense, numa altura em que os ‘dragões’ venciam por 2-1, resultado com que terminou o encontro.

Racismo: Conselho de Disciplina “está limitado” à aplicação dos regulamentos

Depois de pedir a substituição, Marega, que já alinhou no emblema minhoto e tinha marcado o segundo golo dos ‘azuis e brancos’, dirigiu-se para as bancadas do recinto vimaranense, com os polegares a apontarem para baixo, situação que originou uma interrupção do jogo durante cerca de cinco minutos.

Vários jogadores do FC Porto e do Vitória de Guimarães tentaram demovê-lo, mas Marega mostrou-se irredutível na decisão de abandonar o jogo, tendo acabado por ser substituído por Manafá.

Fonte da Polícia de Segurança Pública (PSP) confirmou à Lusa a identificação de várias pessoas suspeitas de dirigirem cânticos e insultos racistas a Marega, sem adiantar o número de suspeitos, acrescentando que continua a efetuar diligências para identificar outros envolvidos.

O Ministério Público instaurou um inquérito na sequência deste incidente, que já mereceu a condenação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa, entre outros.

Este comportamento configura um crime previsto no Código Penal punido com prisão de seis meses a cinco anos e uma contraordenação sancionada com coima entre 1.000 e 10.000 euros.

Continuar a ler

Populares