Seguir o O MINHO

Braga

‘Spin-off’ da UMinho lança livro digital para ajudar crianças a “guerrear” doença

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Uma ‘spin-off’ educacional da Universidade do Minho (UMinho) lançou o livro digital “Guerreiros da saúde contra o coronavírus”, para ajudar os mais novos a agir face à atual pandemia, anunciou hoje aquela academia.

Em comunicado, a UMinho sublinha que a edição é gratuita e pode ser descarregada aqui.

“Esta publicação infantil foi concebida num ‘tempo recorde’ de 48 horas, desde textos, ilustrações, paginação, correções e verificação científica dos conteúdos”, acrescenta.

Da responsabilidade da Betweien, o ‘ebook’ explica “de forma descomplicada” o novo vírus de impacto mundial, de que forma se pode combatê-lo e como é que as crianças podem desfrutar do tempo em casa com a família, “nesta época marcada pela incerteza e longe da escola”.

Aborda-se regras como lavar as mãos no tempo de uma canção, tossir e espirrar para o braço, acenar em vez de beijar, evitar maçanetas ou corrimões e adiar deslocações.

A obra didática quer, assim, contribuir para manter os mais novos informados, dotá-los com as ferramentas certas para atuarem.

Por outro lado, afirma a responsabilidade social da Betweien, que nasceu em 2011 em Braga e promove o empreendedorismo júnior no ensino básico e secundário do país, sendo liderada por Narciso Moreira, licenciado e mestre em Educação pela UMinho.

A equipa, que inclui outros profissionais diplomados pela UMinho, aposta na inovação educativa, nomeadamente através de livros, cujos conteúdos podem aliar músicas, teatro, performances e debates em escolas e instituições de todo o país.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 210 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.750 morreram.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou quarta-feira o número de casos confirmados de infeção para 642, mais 194 do que na terça-feira. O número de mortos no país subiu para dois.

Das pessoas infetadas em Portugal, três recuperaram.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de hoje.

A Assembleia da República aprovou quarta-feira o decreto de declaração do estado de emergência que lhe foi submetido pelo Presidente da República com o objetivo de combater a pandemia de Covid-19, após a proposta ter recebido pareceres favoráveis do Conselho de Estado e do Governo.

O estado de emergência proposto pelo Presidente prolonga-se até às 23:59 de 02 de abril, segundo o decreto publicado quarta-feira em Diário da República que prevê a possibilidade de confinamento obrigatório compulsivo dos cidadãos em casa e restrições à circulação na via pública, a não ser que tenham justificação.

Anúncio

Braga

Braga com viatura adaptada para desinfeção de ruas

Covid-19

em

Foto: Divulgação / AGERE

Uma viatura adaptada à desinfeção de ruas está, desde este sábado, ao serviço do concelho de Braga, após reforço da AGERE.

A adaptação da viatura foi levada a cabo pela Perfect Eventos, Braga Eventos e Uselabel, segundo informa a empresa responsável pelos resíduos e limpeza de ruas no concelho bracarenses.

Com esta nova viatura, a AGERE passa a colaborar ativamente com as juntas de freguesia para a desinfeção de espaços públicos, embora a medida não seja recomendada pela Direção-Geral de Saúde (DGS).

Desinfeção das ruas sem efeito na contenção do contágio, diz DGS: “Não é uma medida que se recomende”

A diretora geral da saúde afirmou no passado dia 25 de março que não há evidência científica que as desinfeções de vias e espaços públicos sejam eficazes contra o contágio pelo novo coronavírus.

“Para a doença covid-19 não há nenhuma evidência científica que sejam eficazes [as desinfeções] e portanto não é uma medida que se recomende”, afirmou Graças Freitas na conferência de imprensa diária no Ministério da Saúde, em Lisboa.

Para a diretora-geral da saúde, “não é prioritário ter trabalhadores a desinfetar ruas”, para combater o contágio pelo novo coronavírus, como acontece em algumas autarquias, porque não há qualquer certeza que tenha influência.

“O que vai travar a covid-19 é estarmos distantes uns dos outros”, frisou Graça Freitas.

 

Continuar a ler

Braga

Estafeta da Telepizza ferido após despiste na circular em Braga

Acidentes

em

Foto: O MINHO

Um jovem de 27 anos, estafeta da cadeia de restaurantes Telepizza, sofreu ferimentos na sequência de um despiste ao final da tarde deste sábado, na entrada da circular urbana de Braga, disse a O MINHO fonte dos bombeiros.

O condutor seguia na descida proveniente do Hospital de Braga quando, por motivos desconhecidos, entrou em despiste, já na entrada da variante do Braga Parque.

Apesar do aparato, o jovem acabou por sofrer apenas escoriações nos membros superiores e inferiores, sendo estabilizado no local pelos Bombeiros Voluntários de Braga, que fizeram o transporte da vítima para o Hospital de Braga.

A PSP de Braga registou a ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Sete suspeitos de tráfico vão ser libertados por falta de espaço na cadeia de Braga

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Sete jovens suspeitos de tráfico de droga vão ser libertados da medida de prisão preventiva por ordem da juíza que conduz o processo, uma vez que, diz a magistrada, a cadeia de Braga não dispõe das condições de distanciamento impostas pelo decreto do Governo, para combater a pandemia de covid-19.

Segundo escreve o Jornal de Notícias, citando a juíza, a decisão surge após “ter sido declarada pela Organização Mundial de Saúde a pandemia por SARS-CoV-2 (Covid-19), a par do estado de emergência em que nos encontramos e que, com elevada probabilidade, será prolongado a partir dos próximos dias, além do apelo das Organização das Nações Unidas efetuado no tocante à população prisional, em particular os mais vulneráveis”.

Presos preventivamente no Estabelecimento Prisional de Braga, os jovens beneficiam da decisão da juíza por aquela cadeia não comportar condições para “o distanciamento recomendado pela Direção Geral da Saúde e a Organização Mundial de Saúde”, “isto em decorrência da sobrelotação das prisões”, e que pode trazer “consequências gravosas, caso ocorra foco de contaminação”.

Por esta altura, já deveria ser conhecida a sentença do grupo que traficava drogas duras nos distritos de Braga e Porto, mas face às condicionantes impostas pela chegada da covid-19, o julgamento foi sucessivamente adiado.

Ao que apurámos, os jovens ficarão em prisão domiciliária enquanto aguardam o retomar das sessões de tribunal.

Continuar a ler

Populares