Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Solar abandonado em Viana vai acolher “polo difusor de cultura” inspirado em Serralves

Solar dos Quesados foi comprado pela Fundação Caixa Agrícola do Noroeste

em

Um antigo edifício do Estado em Viana do Castelo devoluto há 10 anos, que chegou a ser vandalizado e ocupado por sem-abrigo, vai ser transformado em “polo difusor de cultura”, inspirado, entre outros, no modelo de Serralves.

“Queremos criar um polo difusor de cultura, arte, educação e de justiça social inspirado no modelo de Serralves”, afirmou hoje à Lusa o presidente do conselho de administração da Fundação Caixa Agrícola do Noroeste, José Luís Carvalhido da Ponte.

Em causa está o solar dos Quesados, vendido por 681 mil euros à Fundação Caixa Agrícola do Noroeste, na primeira hasta pública descentralizada de edifícios devolutos do Estado, que se realizou na sexta-feira em Paredes de Coura.

O solar dos Quesados foi ocupado até 2009 pela extinta Junta Autónoma das Estradas, atual Infraestruturas de Portugal. Em novembro de 2015, o imóvel foi parcialmente destruído por um incêndio e, em junho de 2017, encontrava-se sinalizado pela Saúde Pública após ter sido ocupado por sem-abrigo.

Em declarações à Lusa, Carvalhido da Ponte referiu hoje que a Fundação quer “inspirar-se nos bons modelos” existentes no país, apontando, além de Serralves, no Porto, os exemplos da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e a Cupertino de Miranda”, também no Porto, entre outros.

“Queremos criar um espaço à dimensão do solar dos Quesados e à dimensão de Viana do Castelo, mas inspirado nas coisas boas que se fazem no país”, afirmou.

O responsável escusou-se a apontar um prazo e uma estimativa do investimento do projeto, que, frisou, “vai ser pensado, calmamente”.

“Temos sede própria. Não estamos pressionados e por isso vamos trabalhar no projeto com tranquilidade”, reforçou, acrescentando que, “ainda este ano, serão realizadas obras no exterior do solar para evitar que a degradação se acentue”.

A intenção da Fundação é instalar naquele imóvel a sua sede para “ganhar dimensão e visibilidade”.

“O espaço que ocupamos tornou-se pequeno para a nossa atividade. Estamos a romper pelas costuras e precisamos de um novo fato. Temos de dar o salto para transformamo-nos numa grande fundação”, explicou.

Carvalhido da Ponte adiantou ser necessária “uma galeria de arte e um auditório maiores” para acolher os eventos que a Fundação promove, bem como para expor o espólio que possui, “algum atualmente empacotado por falta de espaço”.

“Ajudamos a resolver um cancro da cidade e queremos dar-lhe uma utilização nobre, compatível com a nobreza do imóvel”, reforçou.

Além de “polo difusor de arte, cultura, educação e justiça social, o projeto prevê a utilização do espaço a criar pelas associações culturais e escolas, entre outras instituições”.

O imóvel encontra-se situado junto à Escola Secundária Maria Maior, frequentada por mais de 700 alunos.

Em janeiro, o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, chegou a anunciar que iria candidatar a reabilitação do imóvel a fundos comunitários para criar um espaço cultural ao serviço da comunidade.

A Fundação Caixa Agrícola do Noroeste foi criada em 2011 “com a finalidade de promover o mutualismo e ações de caráter cultural, educativo, artístico, social e filantrópico, na sua área geográfica de ação, que abrange o concelho de Barcelos (Braga) e o distrito de Viana do Castelo.

Anúncio

Viana do Castelo

Viana é cidade há 172 anos

Antiga vila de Viana do Minho

em

Foto: DR / Arquivo

Foi há 172 anos, precisamente a 20 de janeiro de 1848, que Viana do Castelo nasceu como cidade e capital do Alto Minho.

A carta régia de elevação foi assinada por D. Maria II, conhecida como a “boa mãe”, que, depois de ter sido distituída do trono, numa primeira fase, pelo primo D. Miguel I, acabou por regressar a tempo de conceder a elevação a cidade à antiga vila de Viana do Minho.

“Hei por bem e Me Praz, que a Villa de Vianna do Minho fique erecta em cidade, com a denominação de Cidade de Vianna do Castello, e que n’esta qualidade goze de todas as prerogativas que direitamente lhe pertencerem”, pode ler-se no documento, enviado para a Torre do Tombo.

Para comemorar o aniversário, a autarquia tem preparada uma sessão solene que decorre no Teatro Sá de Miranda, a partir das 18:00 desta segunda-feira.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Exposição mostra mais de um século de história da arquitetura de Viana do Castelo

Mais de 100 anos da história da arquitetura na capital do Alto Minho

em

Foto: Tripadvisor

O antigo mercado de Viana do Castelo, desenhado por Magalhães Moutinho, que veio a ser demolido para dar lugar ao prédio Coutinho, é uma das 12 obras do roteiro da arquitetura local incluída na exposição a inaugurar na segunda-feira.

As 12 obras retratam mais de 100 anos da história da arquitetura na capital do Alto Minho.

“Esperamos que, neste autêntico roteiro pela arquitetura de Viana do Castelo, se descubra a vontade de ver, conhecer ou redescobrir algumas das joias da nossa cidade, muitas delas ainda sem reconhecimento, mas que são fruto de uma época, de uma história e de um traço que estes e outros arquitetos deixaram para a posteridade”, sublinhou, esta sexta-feira, o presidente da Câmara, José Maria Costa.

Além do antigo mercado, que funcionou desde 1892 até 1965, também o teatro Sá de Miranda, de José Geraldo Sardinha, inaugurado em 1885, ou o templo de Santa Luzia, situado no monte com o mesmo nome, sobranceiro à cidade, com traço de Ventura Terra e cuja construção decorreu entre 1904 e 1959, fazem parte da mostra “Arquitetura em Viana do Castelo – 12 Arquitetos notáveis”, integrada nos 172 anos de elevação da capital do Alto Minho a cidade.

A mostra, que propõe uma viagem com mais de 100 anos pelas obras que 12 arquitetos (já falecidos) deixaram em Viana do Castelo, vai ser inaugurada às 17:00, nos Antigos Paços do Concelho, na Praça da República.

A exposição divide-se em duas áreas, uma onde se espalham 12 painéis dos 12 arquitetos e outra que integra uma mesa, com dois metros de largura por cinco de comprimento, de onde se pode acompanhar, através do mapa da cidade, o roteiro dos monumentos e edifícios em causa.

A praça da Liberdade, junto ao rio Lima, projetada por Fernando Távora (1923-2005), cidadão de Honra de Viana do Castelo, e o estádio municipal Manuela Machado, de Henrique de Carvalho (1950 – 2002), são outros projetos na mostra.

De Viana de Lima (1913 – 1991), além do anteprojeto do hospital distrital, nos anos sessenta do século XX, que não chegou a concluir, destaca-se ainda reabilitação da Praça da República, em 1985.

O Café Girassol, no jardim marginal, de Francisco Passos (1895 – 1952), ou o hospital distrital (1970-1980), hoje designado de Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), que entrou em funcionamento em 1983 e foi inaugurado a 06 de janeiro de 1984, de Chorão Ramalho (1914 – 2002), também integram o roteiro arquitetónico traçado pelo município.

“Esta opção surge da constatação de que, na paisagem urbana, a arquitetura é uma forma de arte que torna único o nosso centro histórico. Foram, assim, escolhidos para serem apresentados nesta exposição 12 arquitetos de Viana do Castelo ou com ligação a Viana do Castelo e à sua história arquitetónica, numa homenagem ao trabalho e à obra que nos deixaram”, refere o autarca socialista da cidade no catálogo a distribuir aos visitantes.

Além daquela mostra, as comemorações do 172.º aniversário de elevação de Viana do Castelo as cidades incluem a atribuição de 24 títulos honoríficos a personalidades e instituições que marcaram a vida da cidade e do concelho.

A ex-ministra do Mar Ana Paula Vitorino vai ser distinguida com o título de Cidadã Honorária da cidade, numa sessão que decorrerá na segunda-feira, às 18:00, no teatro municipal Sá de Miranda.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Encontro de janeiras junta 21 grupos no teatro Sá de Miranda em Viana

No sábado

em

Foto: DR / Arquivo

O Encontro de Janeiras de Viana do Castelo, que este ano vai juntar 21 grupos do concelho, decorrerá no sábado, às 21:30, no teatro municipal Sá de Miranda, informou, esta quinta-feira, a Câmara local.

A entrada é livre, mediante levantamento de bilhete. A bilheteira estará disponível a partir de sexta-feira.

O espetáculo, organizado pela Câmara de Viana do Castelo, é para maiores de 6 anos.

Continuar a ler

Populares