Seguir o O MINHO

Aqui Perto

Sobe para 12 número de infetados em fábrica de conservas em Vila do Conde

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

São 12 os casos confirmados de infeção por covid-19 por entre os trabalhadores de uma fábrica de conservas situada em Caxinas, no concelho de Vila do Conde, anunciou hoje a empresa. Há ainda uma criança infetada por familiares que trabalham no mesmo local.


Em declarações à RTP, a presidente da Câmara de Vila do Conde, Elisa Ferraz, confirma o foco, indicando que o mesmo terá tido origem numa familiar de uma funcionária que chegou do Brasil na semana passada. Os dois primeiros casos conhecidos dentro da fábrica, enter os quais a familiar da mencionada viajante, foram conhecidos na segunda-feira.

Hoje, sabe-se que o número de casos confirmados com o novo coronavírus já vai em doze, mas estão ainda a ser efetuados testes a todos os 170 trabalhadores e aos seus familiares, podendo o número subir durante os próximos dias.

A autarca sublinha que, para já, a empresa não encerrou, estando apenas a linha de produção onde foram detetados trabalhadores covid-positivos suspensa. Refere ainda que uma delegação da ARS Norte está a avaliar a situação dentro da empresa para determinar se é necessário o encerramento temporário da mesma de forma a evitar um novo surto na região.

Dos 170 trabalhadores, a grande maioria reside em Vila do Conde e no concelho vizinho da Póvoa de Varzim. A criança infetada terá frequentado um jardim de infância em Aver-o-Mar, no concelho poveiro, o que levou as autoridades de saúde locais a fazerem uma inspeção à instituição, para determinar se é necessário o encerramento temporário.

A administração da empresa, cujos elementos são italianos, já estarão a caminho de Portugal para avaliar a situação e guardam para mais tarde um comunicado sobre o assunto.

Anúncio

Aqui Perto

Embebedava-se no café e ameaçava a mulher de morte com uma faca na Trofa

Violência doméstica

em

Foto: Dr

Um homem de 50 anos, com problemas alcoólicos, foi detido pela GNR por violência doméstica, depois de ameaçar de morte a mulher com uma faca, situação que se repetiu por diversas vezes.

Em comunicado, o Comando Territorial do Porto, dá conta da detenção efetuada por militares do Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas, na passada sexta-feira.

“No âmbito de uma denúncia relacionada com violência doméstica, no concelho da Trofa, os militares da Guarda apuraram que o suspeito, de 50 anos, consumidor habitual de bebidas alcoólicas, e em consequência do seu consumo, injuriava e ameaçava a sua esposa, de 47 anos, recorrendo a uma arma branca, levando a que a vítima temesse pela própria vida, motivos que levaram à sua detenção”, refere a nota de imprensa.

O detido foi presente ao Tribunal Judicial de Matosinhos onde lhe foi aplicada as medidas de coação de termo de identidade e residência, proibição de contactar a ofendida por qualquer meio, afastamento da residência, proibição de frequentar o local de trabalho e outros frequentados pela vítima, não se podendo aproximar num raio de 500 metros.

Continuar a ler

Aqui Perto

Dominado fogo que lavrava desde sexta-feira em Mondim de Basto

Incêndios

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO / Arquivo

O incêndio que lavrava desde sexta-feira na Senhora da Graça, concelho de Mondim de Basto, foi dado como dominado às 06:18, disse à agência Lusa fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

No local mantêm-se 196 operacionais apoiados por 61 viaturas, segundo o ‘site’ da ANEPC.

O incêndio deflagrou às 16:11 de sexta-feira na localidade de Vila de Ferreiros, na freguesia da Senhora da Graça, e continuava com uma frente ativa pelas 23:50 de sábado.

Continuar a ler

Aqui Perto

Monte da Senhora da Graça, em Mondim de Basto, arde há 24 horas

Incêndio florestal

em

Foto: Eduardo Meireles

O incêndio que lavra na Senhora da Graça, concelho de Mondim de Basto, mantém esta tarde “uma frente ativa, com muita intensidade”, a ser combatida com meios aéreos, disse à Lusa fonte da Proteção Civil de Vila Real.

“Continuamos a ter uma frente ativa, com muita intensidade, e os meios aéreos em ataque. Aquilo tem muitos maus acessos. São zonas com demasiada inclinação para poder meter máquinas de arrasto”, descreveu à agência Lusa o segundo comandante distrital de operações de socorro de Vila Real, Manuel Borges Machado.

O comandante ressalvou que “não existem habitações em risco” e que o objetivo, por agora, é de diminuir a intensidade e a progressão das chamas, efetuando descargas de água, através dos meios aéreos.

“À noite, quando vier a humidade e o vento diminuir, tentaremos fazer outras ações de manobras de fogo, no sentido de debelar o incêndio”, perspetivou.

Pelas 16:50, este incêndio, que deflagrou na tarde de sexta-feira na localidade de Vila de Ferreiros, na freguesia da Senhora da Graça, mobilizava 226 operacionais, apoiados por 62 veículos e 10 meios aéreos.

Continuar a ler

Populares