Seguir o O MINHO

País

Situação das maternidades “é muito mais grave” do que tem sido falado

Diz a Ordem dos Médicos

em

Foto: DR / Arquivo

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) disse hoje que a situação das maternidades é “muito mais grave e complexa” do que tem vindo a ser falado e defendeu uma política de contratação pública para reter os especialistas.

“A situação é muito mais grave e mais complexa do que aquilo que tem vindo a ser falado. Todas as maternidades têm dificuldades, quase todas dependem da contratação externa para poderem assegurar os turnos de serviço de urgência, o apoio ao bloco de partos, etc”, disse Miguel Guimarães no final de uma reunião com os diretores clínicos e de serviço de Ginecologia/Obstetrícia e de Neonatologia de toda a zona Sul do país.

Segundo o bastonário da OM, todas as maternidades estão com “imensas dificuldades” e com “uma falta de especialistas grande”.

Miguel Guimarães apontou como exemplo as maternidades dos hospitais de Faro, onde faltam nove especialistas, de Portimão, onde faltam 11, do Amadora-Sintra onde são precisos nove, do Santa Maria, em Lisboa, onde são necessários sete especialistas, e do Hospital São Francisco Xavier, onde faltam 16.

No total, são necessários em todo o país 150 especialistas em ginecologia e obstetrícia, dos quais 125 na região sul.

Como resposta imediata para o problema, Miguel Guimarães defendeu “uma política de contratação pública que funcione da mesma forma que funciona a contratação externa, seja para os médicos especialistas tarefeiros seja para os médicos do próprio hospital que poderão fazer mais horas extraordinárias, mas remuneradas de forma diferente”.

O Presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, Alexandre Valentim Lourenço, defendeu, por seu turno, que “a lei tem de ser mudada e alterada” para permitir que os hospitais tenham forma de reter os profissionais.

“Têm entrado especialistas em todos os hospitais, mas eles não os retêm. Saem ao fim de seis meses porque não têm carreira, não têm progressão e veem-se metidos numa parafernália desorganização que não permite a fixação destes médicos”, disse Alexandre Valentim Lourenço.

O responsável salientou que as maternidades mais periféricas, como as de Portalegre e de Beja, dependem “90 a 100% de médicos tarefeiros nas equipas de urgência” porque os seus médicos, que “são quatro ou cinco”, têm mais de 60 anos.

“O que acontece é que muitos destes tarefeiros circulam de hospital em hospital a fazer horas suplementares pagas a um preço superior que podiam ser investidos no seu próprio trabalho a fazer urgências suplementares nos próprios hospitais”, contou Alexandre Valentim Lourenço.

Muitos destes médicos estão no quadro destes hospitais mas se “o hospital os remunera com dez euros à hora e o hospital a cinco quilómetros lhe paga 50 por motivo de tarefa, eles vão fazer a tarefa noutro hospital”, disse, contando que vários diretores de serviço se queixaram desta situação na reunião, que foi pedida pela OM na sequência do eventual fecho rotativo das urgências de obstetrícia de quatro hospitais de Lisboa.

Questionado se é necessário formar mais especialistas, Alexandre Valentim Lourenço afirmou que não, justificando que são formados “mais do que é necessário”.

“Nós formamos 45 especialistas de obstetrícia por ano e pelas contas de estabilidade precisamos de 30, só que eles não se retêm no sistema nacional”, sustentou.

O bastonário dos médicos acrescentou que o Ministério da Saúde só tem aberto em média 30 vagas por ano. “Este facto tem de ser assumido de ministro para ministro e de Governo para Governo”, frisou.

Para Valentim Lourenço, tem de haver também “uma política de retenção dos médicos, mas essa não é para agora”.

“Para agora, nós temos de resolver um problema imediato de julho, agosto, setembro, e temos de ter uma política de retenção para o próximo ano para não termos para o próximo ano de colocar mais remendos neste buraco”, vincou.

Anúncio

País

Marcelo promulga diplomas que prolongam apoios às rendas e proíbem suspensão de água e luz

Covid-19

em

Marcelo Rebelo de Sousa. Foto: Presidência da República / DR / Arquivo

O Presidente da República promulgou hoje o diploma que prolonga até setembro o regime que permite aos inquilinos habitacionais em dificuldades recorrer a um empréstimo para pagar a renda e aos não habitacionais diferir o seu pagamento.

“O Presidente da República promulgou (…) o diploma da Assembleia da República que altera o regime excecional para as situações de mora no pagamento da renda devida nos termos de contratos de arrendamento urbano habitacional e não habitacional, no âmbito da pandemia covid-19”, indica uma nota publicada no site da Presidência da República.

Em causa está o diploma que prolonga os prazos previstos na lei aprovada em abril, no que diz respeito ao recurso a empréstimo junto do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) por parte dos arrendatários habitacionais com quebras de rendimentos e ao diferimento do pagamento da renda por parte dos inquilinos não habitacionais.

No caso das rendas não habitacionais, o prolongamento da proteção ao inquilino destina-se aos espaços comerciais que se mantenham encerrados ou com atividade suspensa, determinando o diploma que “até 01 de setembro de 2020, o arrendatário (…) pode igualmente diferir o pagamento das rendas vencidas, pelos meses em que ao abrigo de disposição legal ou medida administrativa aprovada no âmbito da pandemia da doença covid-19 seja determinado o encerramento de instalações ou suspensão de atividades ou no primeiro mês subsequente desde que compreendido no referido período”.

A mesma nota da Presidência da República adianta que foi também hoje promulgado o diploma que prorroga os prazos das medidas de apoio às famílias no contexto da atual crise de saúde pública.

O diploma em causa prolonga até 30 de setembro a proibição da suspensão do fornecimento de água, luz, gás e comunicações eletrónicas e as regras de resgate dos Planos Poupança Reforma (PPR).

Continuar a ler

País

Maioria dos docentes dá aulas por videoconferência e admite trabalhar mais

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Quase 90% dos professores está a utilizar as plataformas de videoconferência para dar aulas à distância no 3.º período, e maioria admite trabalhar mais horas com o novo modelo de ensino.

Segundo os resultados preliminares de um inquérito da Universidade Nova de Lisboa, sobre o ensino à distância, os 2.647 professores inquiridos dizem trabalhar, em média, mais 11 horas por semana e 88% afirmam dar aulas através de videoconferência.

Entre aqueles que não optaram por esta ferramenta estão, sobretudo, educadores do pré-escolar (cerca de 44% de educadores) e do primeiro ciclo (cerca de 14%).

A adesão dos alunos tem sido positiva, segundo os docentes que responderam ao inquérito do Centro de Economia da Educação da Faculdade de Economia (Nova SBE) entre 05 e 19 de maio, e aqueles que utilizam as plataformas de videoconferência afirmam que 86% dos seus alunos assiste às aulas.

Por outro lado, os docentes avaliam em 4,5 (numa escala de 1-7) a capacidade de apreensão da matéria por parte dos alunos nestas aulas síncronas, em que a assiduidade e participação são dois dos critérios de avaliação adotados pela maioria dos professores (67,7% e 64,8%), além da recolha de trabalhos de casa (84,1%).

Durante o 3.º período, o acesso aos dispositivos tecnológicos que permitem acompanhar as aulas ‘online’ continua a ser uma dificuldade e, em média, os professores reportam que 15% dos seus alunos não têm acesso a computador com internet em casa.

Os autores do estudo notam, no entanto, que apesar deste valor ser mais baixo em relação ao reportado na primeira ronda do inquérito, no final de março, continua a registar-se “uma grande variabilidade nas respostas a esta questão, com uma percentagem significativa de professores a reportar um número elevado de alunos sem computador com acesso a Internet”.

“Tal levanta a necessidade de se aferir quais os alunos que tiveram um acesso incompleto aos conteúdos curriculares durante este período, e que devem ser sinalizados no início do próximo ano letivo”, continua o relatório.

Em 20 de abril, a RTP Memória lançou o espaço #EstudoEmCasa, com aulas através da televisão, que abrange aulas destinadas aos alunos entre o primeiro e o nono ano de escolaridade.

A transmissão televisiva de conteúdos educativos foi uma das propostas do Governo para mitigar as dificuldades de acesso ao ensino, em tempos de trabalho à distância, dos alunos mais carenciados, mas iniciativa foi bem recebida por muitos dos professores, que incluíram a ferramenta nas suas planificações para o 3.º período.

Estas aulas foram também analisadas no inquérito da Nova SBE e, segundo os resultados, cerca de 62% dos 2.647 professores inquiridos lecionam disciplinas com aulas no #EstudoEmCasa e a avaliação é tendencialmente positiva.

Em média, os professores avaliam em 5,2 (numa escala de 1-7) a qualidade das aulas da RTP Memória e, numa escala de 1-5, recomendam o visionamento aos alunos em 3,7.

Por outro lado, as respostas sobre a adesão dos alunos a estas aulas são bastante variáveis, o que, segundo o relatório, revela que os alunos estão a aderir de forma diferenciada.

Estes resultados traduzem as respostas de professores desde o Pré-Escolar ao Ensino Secundário, que desde 16 de março estão a trabalhar a partir de casa, depois de o Governo ter suspendido todas as atividades letivas presenciais, como forma de conter a propagação do novo coronavírus.

Os alunos do 11.º e 12.º regressaram entretanto às escolas, em 18 de maio, mas apenas para ter aulas das disciplinas sujeitas a exame nacional e o Pré-Escolar regressa em 01 de junho.

Portugal contabiliza 1.330 mortos associados à covid-19 em 30.788 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado hoje.

Continuar a ler

País

Restrição de dois terços pode ser fatal para empresas de campismo

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A AHRESP considerou hoje que a limitação a dois terços na ocupação das áreas de campismo e caravanismo, imposta na reabertura do setor, pode ser fatal para muitas empresas, perspetivando uma queda “muito acentuada no negócio”.

O Governo permitiu a reabertura dos parques de campismo a partir de 18 de maio, uma decisão anunciada no dia 15 após o Conselho de Ministros, impondo a restrição a dois terços da lotação e atendendo às orientações da Direção-Geral da Saúde no âmbito do combate à propagação da covid-19.

Em declarações à Lusa, Beatriz Santos, presidente do Setor do Campismo, Caravanismo, Hotelaria de Ar Livre, Parques Temáticos e Espaços de Animação Turística da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) explicou que “rapidamente foram tomadas medidas” por parte dos empresários para serem cumpridos os requisitos e garantir todas as condições de segurança sanitária, para os clientes e para os trabalhadores.

“É evidente que retomar agora a atividade com uma restrição a dois terços da lotação pode ser fatal para muitas das empresas do setor. Mas, mantemos a esperança de que possa haver condições para que esta restrição seja, entretanto, levantada”, disse a responsável.

Desta forma, considerou, poder-se-ia “travar o risco de insolvências a curto prazo, sobretudo das microempresas”, exemplificando com os parques até 5.000 metros quadrados, com capacidade habitual inferior a 100 pessoas.

De acordo com a responsável, no caso da restrição da lotação, quanto menor é a capacidade de um empreendimento “mais difícil se torna viabilizá-lo”, já que os custos base “não se conseguem restringir na mesma proporção” e são agora agravados pelas medidas obrigatórias para contenção da propagação da covid-19.

Beatriz Santos estimou ainda que se forem prolongadas as limitações à livre circulação entre fronteiras, este ano haverá “uma perda quase total de clientes provenientes de mercados estrangeiros, que habitualmente representam uma média para o setor rondando um pouco mais de 30% (sendo os clientes nacionais quase 70%), perspetivando-se uma queda muito acentuada no negócio”.

Face ao contexto da pandemia, a queda poderá ser também potenciada no mercado interno pelo escalar do desemprego em diferentes setores de atividade.

“Com menos 80% de estrangeiros e uma redução da lotação de 33%, só mesmo um milagre português para equilibrar o setor do campismo”, referiu Beatriz Santos, acrescentando que as autoridades podem vir “finalmente a tratar convenientemente o campismo selvagem”, que representa “milhões de pernoitas fora dos empreendimentos turísticos para o efeito licenciados”.

Segundo a responsável, dois dias depois da reabertura, 40% dos parques de campismo, caravanismo e hotelaria de ar livre e 3% das áreas de serviço para autocaravanas tinham já adotado o selo “Clean&Safe” do Turismo de Portugal e um terço dos empreendimentos abriram ao público, tendo cancelado o ‘lay-off’ para uma parte significativa dos seus trabalhadores e implementado no terreno as necessárias medidas de proteção.

O selo, que é 100% digital, gratuito e válido até 30 de abril de 2021, exige a implementação de um protocolo interno que, de acordo com as recomendações da Direção-Geral da Saúde, deve assegurar o distanciamento social e a higienização necessária para evitar riscos de contágio e garantir os procedimentos seguros para o funcionamento das atividades turísticas.

No âmbito da declaração do estado de emergência em Portugal, para combater a pandemia de covid-19, o Governo tinha definido até 27 de março o prazo para os utentes saírem dos parques de campismo e de caravanismo, enquanto os residentes a título permanente nestes estabelecimentos turísticos puderam neles ficar para assegurar a resposta à necessidade habitacional.

Em Portugal, morreram 1.330 pessoas das 30.788 confirmadas como infetadas, e há 17.822 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Populares