Seguir o O MINHO

País

Sindicatos médicos pedem “reunião urgente” com a ministra da Saúde

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

Os sindicatos médicos solicitaram uma “reunião urgente” com a ministra da Saúde devido ao “rápido crescimento da incidência” da covid-19 e do número de clínicos infetados, foi hoje anunciado.


A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) e o Sindicato Independente dos Médicos (SIM), que pediram a reunião na terça-feira, afirmam num comunicado conjunto que “constatam com preocupação o rápido crescimento da incidência da doença e dos mortos, bem como do número de médicos infetados pelo vírus SARS-Cov-2”.

As estruturas sindicais alertam que muito dos médicos infetados têm necessidade de cuidados intensivos e de longos tratamentos.

Para a FNAM e o SIM, “a proteção dos profissionais de saúde deve ser uma prioridade” no combate à pandemia, para evitar o contágio aos doentes e a outros profissionais de saúde.

Contudo, advertem, “as múltiplas denúncias da falta de equipamento de proteção individual adequado são extremamente preocupantes”.

“O exemplo de outros países mostra-nos como a falta de rigor nas medidas de proteção dos profissionais de saúde tem consequências graves na saúde dos próprios, nos seus doentes e na população em geral”, sublinham.

Para os sindicatos, “o continuado aumento de casos positivos em Portugal, reforça a necessidade de uma organização do trabalho médico que otimize a assistência à população, mas que também proteja os médicos da exaustão e do abuso”.

“Como representantes dos médicos e dos seus direitos laborais, os sindicatos médicos solicitam uma reunião urgente sobre este problema”, que poderá ser sob a forma de videoconferência, referem no comunicado.

Segundo dados divulgados pelo Governo na segunda-feira, há 853 profissionais infetados pelo novo coronavírus, dos quais 209 são médicos e 177 enfermeiros.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 187 mortes, mais 27 do que na véspera (+16,9%), e 8.251 casos de infeções confirmadas, mais 808 em relação a terça-feira (+10,9%).

Dos infetados, 726 estão internados, 230 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março até às 23:59 de 02 de abril.

Anúncio

País

Portugal foi o primeiro país europeu a receber o selo ‘Safe Travels’

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Braga

Portugal foi o primeiro país europeu a receber o selo “Safe Travels”, que reconhece um compromisso com a segurança, informou esta quinta-feira o Governo.


A distinção, atribuída pelo World Travel & Tourism Council (WTTC), pretende certificar destinos que cumprem regras de higiene e segurança e visa dar confiança a quem viajar após as restrições para evitar a propagação da covid-19.

“Este selo visa reconhecer destinos que cumprem protocolos de saúde e higiene alinhados com os Protocolos de Viagens Seguras emanados pelo WTTC, ajudando, sobretudo, a instigar a confiança nos consumidores, de modo a que estes sintam que podem viajar em segurança assim que as restrições forem levantadas”, explica o Ministério de Estado, da Economia e Transição Digital, em comunicado.

A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, considera que a atribuição do selo vem premiar o esforço feito no país.

“Portugal foi pioneiro no lançamento do selo Clean&Safe. Este selo do WTTC vem premiar o esforço que foi feito por todos. O melhor destino do mundo é também entendido como o mais seguro a nível mundial”, disse a governante.

O WTTC publicou também orientações para outros setores, como a restauração, comércio de rua, aviação, aeroportos, centros de congressos, de reuniões e eventos.

O selo pode ser obtido através da página na Internet do World Travel & Tourism Council.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 385 mil mortos e infetou mais de 6,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,8 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.455 pessoas das 33.592 confirmadas como infetadas, e há 20.323 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

País

Covid-19: Mais 10 mortes, 377 infetados e 203 recuperados no país

em

Portugal regista hoje 1.465 mortes relacionadas com a covid-19, mais dez do que na quinta-feira, e 33.969 infetados, mais 377, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde. Há 20.526 recuperados, mais 244.


(em atualização)

Continuar a ler

País

BE assinala “avanço positivo” no PEES em áreas negociadas com o partido

Covid-19

em

Mariana Mortágua. Foto: DR / Arquivo

O BE considerou hoje que o Programa de Estabilização Económica e Social (PEES) apresentado pelo Governo regista “um avanço positivo” em relação às propostas iniciais do executivo, e reivindica parte do mérito em áreas negociadas com o partido.


“Houve sim um avanço positivo neste documento face às propostas iniciais do Governo e uma parte desse avanço diz respeito a propostas muito concretas que o Bloco fez, que o BE tem levado às negociações, e isso é justo que seja registado”, afirmou a deputada Mariana Mortágua, em declarações aos jornalistas no parlamento.

A dirigente bloquista afirmou que o partido teve “várias reuniões de trabalho com o Governo” sobre o PEES “e diretamente com o primeiro-ministro”, destacando que algumas propostas do partido foram, pelo menos parcialmente, “acolhidas e refletidas no programa”.

“A nossa preocupação era que os apoios aos trabalhadores informais eram demasiado curtos e eles foram dobrados para um valor muito próximo da proposta do BE, a nossa preocupação era com as contratações no Serviço Nacional de Saúde e elas estão a acontecer, e isso deve ser registado”, disse.

Por outro lado, apontou, o BE valoriza também o avanço no PEES em relação ao menor corte dos salários dos trabalhadores em ‘lay-off’, embora vá continuar a defender que quem ganhe até 952 euros receba a 100%.

“Há muitas propostas que ainda estão longe do que entendemos que é necessário se o objetivo é que ninguém caia na pobreza”, afirmou Mariana Mortágua, assegurando que, no âmbito do Orçamento Suplementar, o partido vai continuar a apresentar propostas para “melhorar, complementar e acrescentar medidas de proteção” ao leque de medidas que o Governo já apresentou.

Continuar a ler

Populares