Seguir o O MINHO

Futebol

Sexta derrota do SC Braga nos tribunais

Indeferido pedido de 658 mil euros do clube ao ex-diretor do Bingo

em

Foto: Dr / Arquivo

É a sexta derrota judicial do SC Braga em 12 anos no litígio com o ex-diretor do extinto Bingo do clube Sebastião Carvalho Campos, defendido pelo advogado Nuno Albuquerque. Em 12 de janeiro, o Juízo Central Cível do Tribunal de Braga indeferiu uma ação do SC Braga, de 658 mil euros, contra ele, considerando-se “incompetente” para julgar o caso.

O Tribunal considerou-se “incompetente para conhecer e apreciar o processo”, absolvendo-se o réu da instância. O clube, que não desiste da intenção de processar o ex-diretor, defendia que o ex-gestor do Bingo tinha alterado o valor do seu vencimento mensal, que seria de 2,500 euros e não de 6.069 como reclamou num processo no Tribunal de Trabalho.

O MINHO tentou, mas não conseguiu, falar com o Gabinete de Imprensa do clube e com o seu presidente, António Salvador.

Em outubro, o SC Braga foi condenado, pela quinta vez, a pagar 800 mil (648 mil, mais juros) ao ex-diretor do Bingo, mas recorreu para o Tribunal Constitucional e meteu a ação cível. E já havia feito uma denúncia-crime por falsificação de documentos e da contabilidade, que está em investigação no Ministério Público.

O diferendo, que tem 12 anos, radica no despedimento coletivo decidido pela então nova direção, presidida por António Salvador, para encerramento do Bingo, que dava prejuízo. O clube reintegrou três trabalhadores e indemnizou outros quatro. Sobrou o ex-diretor que queria quase dois milhões de euros de indemnização.

O caso foi julgado no Tribunal de Trabalho, que deu razão ao ex-diretor, obrigando o SC Braga a pagar-lhe 792 mil. O clube fez um recurso de revisão da sentença, e o caso regressou ao mesmo Tribunal, onde foi rejeitado. De seguida, o Tribunal da Relação de Guimarães indeferiu um outro recurso e o mesmo fez, por duas vezes, o Supremo.

Adulteração

O SC Braga argumentou ter dados novos, que provariam que o ex-diretor teria adulterado os recibos de vencimento.

Esta tese não foi aceite pelo Tribunal que conferiu os vários recibos, nomeadamente um de fevereiro de 2006 de 1.500 euros.

O juiz deu, também, como provado que recebia diuturnidades de 122,50 e subsídio de alimentação, de 178,25. Antes desta sentença, o SCB prestou uma caução bancária de 800 mil euros para evitar que a Taça de Portugal, a primeira conquistada em 1966, fosse penhorada e posta à venda.

Populares