Seguir o O MINHO

Região

Novos casos descem 23% no distrito de Braga e 29% no de Viana do Castelo

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO / Arquivo

Segundo relatório da ARS-Norte, o distrito de Braga contabiliza menos 23% de novos casos e o de Viana do Castelo menos 29%.

No distrito de Braga, apenas o concelho de Terras do Bouro cresceu 13% entre as duas semanas.

Os dez municípios de Viana do Castelo diminuíram o número de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, destacando-se Arcos de Valdevez, Paredes de Coura, Melgaço, Vila Nova de Cerveira e Caminha.

O documento da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N), a que a Lusa teve hoje acesso, reporta a evolução da situação epidemiológica entre a terceira semana de novembro (de 17 a 23) e a primeira semana de dezembro (de 01 a 07).

Sete concelhos a Norte com mais de 30% de novos casos de infeção

Sete concelhos a Norte registaram, entre a última semana de novembro e primeira de dezembro, um crescimento superior a 30% de novos casos de infeção e 31 concelhos um decréscimo superior a essa percentagem, segundo o relatório da ARS-N.

Dos vários concelhos abrangidos pela ARS-N, destacam-se sete que, entre a última semana de novembro e a primeira de dezembro, registaram um crescimento de novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2 superior a 30%.

Sabrosa, Mesão Frio, Vila Pouca de Aguiar e Montalegre, no distrito de Vila Real, registaram uma taxa de crescimento de 140%, 100%, 94% e 34%, respetivamente.

Acesso universal a vacina contra covid-19 é o grande desafio dos direitos humanos em 2021

Também Vinhais, Torre de Moncorvo e Vila Flor, no distrito de Bragança, acompanharam esta tendência.

Apesar do crescimento, os mapas do relatório da ARS-N sobre o crescimento e variação do número de novos casos de infeção a Norte refletem um maior número de concelhos a azul, isto é, municípios que contabilizaram uma diminuição.

Entre os 31 concelhos que registaram um decréscimo de novos casos de covid-19 superior a 30%, destacam-se Espinho, Arouca e Vale de Cambra, em Aveiro [onde a ARS-N abrange sete municípios], distrito que contabiliza agora um decréscimo de 22%.

Neste distrito, apenas o concelho de Oliveira de Azeméis contraria a diminuição, ao registar mais 18% de novos casos, passando de 309 na última semana de novembro para 365 na primeira deste mês.

Casos ativos continuam a baixar em Braga, mas há mais onze mortes desde sábado

À semelhança dos distritos de Aveiro e Braga, também no distrito de Bragança – cuja tendência de decréscimo se fixa nos 24% – os municípios de Macedo de Cavaleiros, Alfandega da Fé, Freixo de Espada à Cinta, Mogadouro e Miranda do Douro registaram menos 30% de novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2.

Também Santo Tirso, Lousada, Penafiel, Paços de Ferreira e Baião, no distrito do Porto, acompanharam este rumo.

No distrito do Porto, que contabiliza agora uma diminuição de 22% de novos casos, apenas Amarante contraria esta tendência, ao registar mais 28% de novos casos e passando de 209 novos casos na última semana de novembro para 268 na primeira de dezembro.

Já no distrito de Vila Real, que totaliza menos 20% de novos casos de infeção, também os municípios de Alijó, Ribeira de Pena, Mondim de Basto, Boticas e Chaves registaram menos 30% do número de novos casos.

Segundo o relatório, Chaves é o concelho que apresenta a maior taxa de incidência, com a mesma a fixar-se nos 2.363 casos por 100 mil habitantes a cada 14 dias.

A Chaves sucedem-se os municípios de Mondim de Basto, Vila Pouca de Aguiar, Trofa, Vila Nova de Famalicão, Guimarães, Armamar, Póvoa de Lanhoso, Vieira do Minho e Esposende.

Nestes nove concelhos a incidência é superior a 1.300 casos por 100 mil habitantes a cada 14 dias, sendo que a média da região Norte se fixa agora nos 930 casos.

Portugal contabiliza pelo menos 5.192 mortos associados à covid-19 em 332.073 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 23 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

Populares