Seguir o O MINHO

Braga

Septuagenário morre em colisão em Tadim

em

Um septuagenário morreu a meio da manhã deste domingo, quando se despistou e colidiu com outro carro, na freguesia de Tadim, em Braga.

O homem, de 79 anos, reformado, dirigia-se para a freguesia de Aveleda, em Braga, onde residia.

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

No local estiveram o INEM e a GNR de Braga, os Bombeiros Sapadores e os Bombeiros Voluntários de Braga.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Guerra Correia/Salvador prossegue no Tribunal de Famalicão

Na primeira sessão do julgamento, Salvador negou a dívida

em

Foto: DR/Arquivo

Deve ou não? Esta é a questão em análise no julgamento que opõe os empresários António Salvador e Domingos Correia, e que esta quarta-feira continua no Tribunal de Famalicão. Correia, que foi sócio de Salvador em Moçambique, diz que este lhe deve quase um milhão de euros.

Para os tentar recuperar pôs duas ações ao dono da Britalar e tem uma terceira pronta para entrar. A que está agora em causa tem o valor de 250 mil dólares, mas, com juros, pode chegar aos 300 mil. Na primeira sessão do julgamento, António Salvador negou a dívida e apresentou um e-mail, com o qual pretende provar que já pagou.

O queixoso contrapôs que o pagamento descrito no e-mail se prendia com outras dívidas, e apresentou, também, documentos contabilísticos, nesse sentido. Hoje serão ouvidas as testemunhas, algumas delas vindas propositadamente de Moçambique. Nas duas ações, António Salvador fez chegar ao Tribunal de Famalicão dois pedidos de caução, cada um de cerca de 300 mil euros. 600 mil, ao todo. Evitou, assim, a penhora das mobílias e equipamentos da casa onde vive em Braga, em vias de ser executada por uma alegada dívida de 300 mil euros.

“A minha postura sempre foi e será a de resolver quaisquer conflitos em sede judicial, como é desígnio de um Estado de Direito, nunca procurando qualquer espectáculo mediático”, afirma Salvador.

Face à entrada de cauções, Domingos Correia foi ao processo lembrar que Salvador diz nada ter, casas, automóveis ou dinheiro, mas é, direta ou indiretamente, administrador de 19 empresas, algumas no estrangeiro.

Continuar a ler

Braga

Detido suspeito de furto em estabelecimento em Braga

Na noite desta segunda-feira

em

Foto: DR/Arquivo

A PSP anunciou hoje, em comunicado, a detenção de um homem de 46 anos por furto num estabelecimento comercial em Braga.

O homem foi detido pelas 23:00 de segunda-feira, a sair do estabelecimento na posse dos artigos furtados, que lhe foram apreendidos e entregues ao proprietário.

Para aceder ao interior do estabelecimento comercial, partiu um dos vidros da porta da entrada.

Continuar a ler

Alto Minho

De Paredes de Coura para o topo da investigação em física das partículas

Aos 26 anos, Ana Peixoto, aluna da UMinho ganhou bolsa para investigar no maior acelerador de partículas do mundo, no CERN

em

Foto: O MINHO / Skype

Bastou um dia numa masterclass na UMinho para decidiu a área que queria seguir. Ana Peixoto é natural da freguesia de Bico, em Paredes de Coura e desde sempre a Matemática e as Ciências foram disciplinas onde tinha boas notas. Uma história de uma jovem cientista portuguesa contada a O MINHO, através do Skype, a partir da Suíça.

No 10.º ano foi desafiada pela professora para participar nas Olimpíadas regionais de Física, na Universidade do Porto. Ficou com o bichinho. No Verão entre o 11º e o 12º anos esteve, também, no Porto numa semana a lidar com físicos renomados que elaboravam projectos com a ajuda dos alunos.

Até que o tal dia, em Braga, onde físicos do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) e portugueses deram palestras e os participantes elaboraram exercícios partilhados por videoconferência por todo o país, cimentou aquilo que Ana queria fazer: Física de partículas.

No entanto, “por más opções na candidatura ao ensino superior”, Ana Peixoto, hoje com 26 anos, esteve um semestre a ‘penar’ em Engenharia Civil no Porto.

“Aprendi muito mas não era o que queria seguir”, diz.

No ano seguinte, concorreu para Braga e entrou na Licenciatura de Física: “correu bastante bem, tem muita Matemática e não dá para escolher uma área específica”.

Foi no mestrado em Física aplicada que haveria de contatar com o orientador, Nuno Castro e com a Física das partículas através de um estudo de sensibilidade. É aqui que o percurso internacional da jovem courense começa a dar os primeiros passos.

CERN

A aluna de doutoramento e também investigadora no Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas (LIP), fundado por Mariano Gago, foi a primeira portuguesa a vencer uma bolsa “Atlas”, que lhe permite estar em contato, investigar e trabalhar com os maiores físicos do mundo durante um ano inteiro.

E se houver algo para além do modelo padrão da actual Física composta por 15 partículas elementares? Quem valida o novo conhecimento e os novos modelos que podem ser centenas? Este é um pouco o trabalho de Ana Peixoto no CERN.

O CERN é o maior acelerador de partículas do mundo, onde se detetou em 2012 o bosão de Higgs, a partícula que confere massa às outras partículas. Ana Peixoto está na equipa internacional, com mais cinco mil investigadores, que agora quer aprofundar o conhecimento sobre o quark top, a partícula fundamental mais pesada que conhecemos e que só pode ser criada em aceleradores de partículas.

“Vinha duas vezes por ano e não tinha oportunidade de trabalhar com o detetor. Com esta bolsa pode analisar dados do detetor todos os dias e essa é a minha tese de doutoramento”, revela Ana.

Ora na Suíça há um grande colonizador de hadrões, localizado num túnel 100 metros abaixo da terra com um perímetro de 27 quilómetros (“conseguimos mais energia quanto maior for o perímetro”. Ao longo do túnel há quatro grandes detectores e Ana está num deles (Atlas).

“Tem 25 metros de diâmetro, 45 de comprimento e pesa tanto como a Torre Eiffel, é o equivalente a seis andares”.

Quark

O quark são as partículas elementares existentes nos protões e neutrões. E é aqui que se centra o trabalho de Ana: “sabemos que o quark se desintegra quase sempre da mesma forma, por isso, a observação de outros tipos de desintegração pode apontar para uma nova física, mudando o modo como deciframos o universo”.

É na observação destas desintegrações raras do quark que se foca a investigação de Ana Peixoto, nomeadamente, nos mecanismos que as poderiam originar e nas suas implicações para o conhecimento das partículas fundamentais.

“Este trabalho tem sido aplicado em inovações na área da saúde, sobretudo, relacionadas com o cancro porque podemos introduzir, num determinado local, a energia específica de um electrão, por exemplo, porque sabemos que vai ter uma reacção elementar e com isso contribuir para que não se desenvolva, ou seja substituído por elementos benéficos, digamos assim”.

E como as conversas são com as cerejas, voltamos ao início. Paredes de Coura.

“É um excelente sítio porque oferece a possibilidade de ter acesso sistemático à cultura nas suas diversas formas” mesmo que as “acessibilidades possam ser um problema”. E há “uma oficina de legos, todos os fins-de-semana” que merece destaca por parte da jovem. Porque o Mundo tem que encaixar na perfeição… ou não.

Continuar a ler

Populares