Seguir o O MINHO

Ave

Sentença de juiz de Famalicão acusado de violência doméstica adiada pela 3.ª vez

Desta vez, devido às limitações de circulação entre concelhos

em

Foto: Ilustrativa / DR

O Tribunal da Relação do Porto determinou hoje um novo adiamento, o terceiro, da leitura do acórdão do caso de um juiz de Famalicão pronunciado por violência doméstica sobre a ex-mulher.


A leitura do acórdão está agora agendada para 04 de novembro, depois de ter estado marcada para 16 de setembro, para 07 de outubro e para a tarde de hoje.

Os dois adiamentos anteriores ocorreram porque o juiz arguido alegou que nesses dias tinha julgamentos urgentes, alguns deles relacionados precisamente com violência doméstica.

Juiz de Famalicão julgado por violência doméstica contra a mulher

Por não querer proferir o veredicto na ausência do arguido, a Relação forneceu às partes seis datas possíveis para remarcação da leitura do acórdão, recaindo a escolha no dia de hoje.

Já durante a manhã, a leitura da decisão judicial foi remarcada para 04 de novembro, disse fonte judicial, justificando a opção pelas limitações às deslocações entre concelhos, devido à pandemia da covid-19.

O juiz de primeira instância Porfírio Vale está a ser julgado pela 4.ª secção criminal do Tribunal da Relação do Porto por alegada violência doméstica vitimando a sua ex-mulher.

Violência doméstica: Seis datas à escolha para sentenciar juiz de Famalicão

Para efeitos de julgamento de magistrados, um tribunal da Relação funciona como se fosse um tribunal de Comarca.

O Ministério Público tinha arquivado uma queixa da mulher, mas a Relação do Porto e o Supremo Tribunal de Justiça determinaram que um coletivo de juízes julgasse o magistrado judicial, da primeira instância de Vila Nova de Famalicão, na comarca e distrito de Braga, por alegadamente “atormentar” a ofendida através de conversas telefónicas, correios eletrónicos e centenas de mensagens de telemóvel (SMS), a partir de 2015, ano de oficialização do divórcio.

Anúncio

Guimarães

Está a nascer um novo museu militar em Guimarães

A cargo da Associação de Veteranos Lanceiros de Portugal

em

À direita o vice-presidente da AVLP, Cláudio Monteiro, à esquerda o presidente, Fernando Rego.

Está a nascer um novo museu militar em Guimarães, obra da Associação de Veteranos Lanceiros de Portugal (AVLP), que reúne ex-militares das especialidades de Polícia do Exército e Polícia Militar e tem sede na Cidade Berço. Vai ser instalado num conjunto de salas cedidas pela Misericórdia, nas instalações do antigo hospital de Guimarães.

O protocolo entre as duas instituições foi firmado entre o provedor da Misericórdia local, Eduardo Leite e o presidente da AVLP, Fernando Rego, no início de março. “Logo a seguir à assinatura do protocolo, entramos em confinamento e, desde essa altura, uma série de problemas relacionados com a situação sanitária, fizeram com que o processo estivesse suspenso. Tivemos, inclusivamente, membros da AVLP a cumprir isolamentos profiláticos”, informa Fernando Rego.

Neste momento, o museu está em fase final de instalação. “A Associação tem um acordo com a Câmara Municipal, que irá ajudar a custear a instalação”, afirma o presidente da AVLP. Com este museu a cidade de Guimarães vai atrair para si um acervo de mais de 30 mil peças de uma coleção que abrange todos os ramos do Exército, Marinha, Força Aérea, forças paramilitares, como a GNR e até organizações do antigo regime, como a Mocidade Portuguesa, Legião Portuguesa e PIDE, além de forças estrangeiras.

À direita o vice-presidente da AVLP, Cláudio Monteiro, à esquerda o presidente, Fernando Rego. Foto: Rui Dias / O MINHO

Trata-se de um conjunto de peças que Cláudio Monteiro, vice-presidente da AVLP, foi reunindo ao longo de muitos anos. “Comecei pelos brinquedos militares e estes terão uma parte importante neste museu. Mas depois fui evoluindo para outro tipo de objetos: coberturas, fardas, documentos, na verdade tenho um pouco de tudo na minha coleção, até viaturas. Há outros colecionadores que são especializados, que têm coleções mais completas em certas áreas. A coleção que vamos trazer para Guimarães é muito eclética”, explica Cláudio Monteiro.

“Há a possibilidade, depois de estarmos a funcionar, de trazer a Guimarães exposições temporárias, com peças de outras associações e museus com quem temos boas relações e a quem já temos emprestado algumas das nossas peças”, antecipa Cláudio Monteiro.

A coleção de Cláudio Monteiro tem peças tão distintas como uma viatura todo-o-terreno UMM, de Polícia do Exército, ou uma mota Sachs Hércules 125, passando por livros, obras de arte, fardamentos, condecorações, guiões, modelismo, equipamentos de comunicações, coberturas, soldadinhos de chumbo ou brinquedos.

Foto: Rui Dias / O MINHO

Foto: Rui Dias / O MINHO 

Um museu será constituído por uma área para a exposição permanente, mais ligada à arma de cavalaria, à especialidade de Polícia do Exército/Polícia Militar (Lanceiros) e outra reservada para exposições temporárias. Estão previstas exposições temáticas, evocativas de momentos históricos, ou mostras ligadas a diversas áreas de interesse militar. “Não é possível apresentar 30 mil peças de uma só vez. Teremos de fazer uma escolha criteriosa”, antevê o presidente da AVLP.

Claúdio Monteiro enfatiza a boa relação com a instituição militar e com outras associações, como a Associação Portuguesa de Veículos Militares, que irá contribuir para tornar este museu num organismo vivo. “Quem nos visitar duas vezes por ano, garantidamente não verá as mesmas peças”, afirma.

Foto: Rui Dias / O MINHO

Foto: Rui Dias / O MINHO

Foto: Rui Dias / O MINHO

Foto: Rui Dias / O MINHO

As peças em exposição permitirão ao visitante recuar até às invasões francesas, passando pelas Guerras Liberais, pelo Corpo Expedicionário Português na Grande Guerra, pela II Guerra Mundial, até à Guerra Colonial.

Para João Vareta, coronel de cavalaria na reserva e presidente da Mesa da Assembleia da AVLP, “é muito importante para Guimarães, o berço da nacionalidade, atrair para a cidade uma coleção com este valor”. 

O presidente da AVLP não arrisca ainda uma previsão para a inauguração deste novo museu militar, “Casa do Lanceiro”, em virtude do momento de alguma incerteza que o país, e particularmente o concelho de Guimarães, atravessa. “Queremos, muito rapidamente, ultrapassar esta fase de instalação, para passarmos ao próximo objetivo, que será a integração com a comunidade, nomeadamente com as escolas”.

Continuar a ler

Guimarães

Fevereiro de 2021: Guimarães aponta conclusão de obra na rotunda de Silvares

Obras públicas

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

“Já está formado o túnel da obra de desnivelamento da rotunda de Silvares”. O anúncio foi feito hoje pela Câmara de Guimarães, através de um comunicado enviado às redações.

Na nota, a autarquia aponta a data de 2021 para a conclusão da obra num dos principais acessos à cidade para quem vem de lado Oeste do distrito.

Refere o documento que a intervenção, uma parceria entre as Infra-estruturas de Portugal e a autarquia, está a decorrer dentro dos prazos estabelecidos e vai constituir a primeira fase de ligação ao Avepark.

“Esta é uma obra muito necessária, que resolve o grande constrangimento de tráfego na entrada e na saída da cidade. A previsão é que esteja concluída durante o mês de fevereiro”, disse o presidente da Câmara Domingos Bragança, na visita que fez à obra.

Este desnivelamento da rotunda vai permitir uma ligação direta da A11 à variante de Creixomil e, assim, “facilitar a fluidez da circulação automóvel naquela zona”, assegura a Câmara.

Continuar a ler

Guimarães

Estaleiro de obra arde em Guimarães durante recolher obrigatório

No Alto da Bandeira

em

Foto: Facebook / BV Guimarães

Um incêndio deflagrou ao início da tarde deste domingo num contentor de um estaleiro de construção em Guimarães.

Ao que apurou O MINHO, o alerta foi dado cerca das 15:38 para uma obra na cidade, situada na zona do Alto da Bandeira.

Para o local foram mobilizados os Bombeiros de Guimarães com quatro operacionais e uma viatura.

O incêndio foi rapidamente extinto, desconhecendo-se ainda a origem.

A PSP registou a ocorrência e está a apurar as causas do sinistro.

Os bombeiros terminaram o serviço às 16:27.

Continuar a ler

Populares