Seguir o O MINHO

Futsal

Seleção portuguesa de padres está nas meias-finais do Europeu de futsal

Prova decorre na República Checa

em

Foto: DR/Arquivo

A seleção portuguesa de padres, com vários sacerdotes das dioceses de Braga e Viana, garantiu hoje a passagem às meias-finais do Europeu de futsal, que decorre na República Checa, onde irá defrontar, na quinta-feira, a Bósnia à procura de revalidar o título, que já conquistou por cinco vezes.

Após a vitória na fase de grupos, Portugal bateu o Kosovo, por 5-0, nos quartos de final e garantiu um lugar nas meias-finais na competição, que está a decorrer na República Checa entre 17 e 20 de fevereiro.

Na quinta-feira, último dia de competição em que se realizam as meias-finais e final, os padres lusos vão medir forças com a Bósnia, reeditando a final da edição de 2019, conquistada por Portugal.

Os portugueses venceram o grupo em que estavam inseridos com vitórias sobre o Cazaquistão (6-0), Itália (4-0) e República Checa (1-0) e ainda um empate frente à Hungria (1-1).

De ‘pé quente’ no arranque do torneio está o padre André Meireles, já com nove golos apontados, marcando em todos os jogos, e fazendo dois ‘hat-tricks’.

“A veia goleadora está presente, mas o mais importante é manter o foco, pois todos embebemos o mesmo espírito e o importante é o coletivo”, sublinhou à Lusa o sacerdote natural de Alijó, no distrito de Vila Real.

O bom momento do pároco da diocese de Vila Real, conhecido entre os pares como ‘Meira’, faz Portugal sonhar com mais um título, apesar das dificuldades esperadas.

“Há equipas com muito valor e por isso queremos continuar a trabalhar para não defraudar as expetativas de um leque de pessoas que nos tem ajudado ao longo dos meses para estarmos presentes na competição”, vincou.

A participar pelo nona vez na seleção do clero, e de regresso este ano após ter falhado a edição de 2019, Carlos Rubens, pároco da diocese de Vila Real, teve um regresso ‘em grande’ ao fazer, de calcanhar, o “golo mais bonito do torneio até ao momento”.

“Foi um golo especial porque foi o primeiro da equipa contra o Cazaquistão e disseram que foi o mais bonito até agora, mas o mais importante é o coletivo”, contou.

Para Carlos Rubens, o dia foi “muito cansativo” devido aos cinco jogos, mas o chegar mais uma vez à fase decisiva deixa os portugueses focados no “objetivo de ser campeão”.

De ano para ano o sacerdote que é pároco no concelho de Montalegre vê o nível a aumentar e os adversários a “aperfeiçoarem-se taticamente e fisicamente”, levando a que “nenhum jogo esteja ganho à partida”.

Apesar do desgaste, o técnico da seleção do clero, Ricardo Costa, garante que a equipa está preparada para o dia decisivo.

“Estamos presentes com 15 atletas e todos puderam participar no primeiro dia, uns mais do que outros, mas agora será importante descansar para abordar com força as meias-finais”, analisou.

O bancário de profissão, que é também treinador do Cabeçudense, equipa de futsal do distrito de Braga e vice-presidente do Famalicão, elogiou ainda a postura dos seus jogadores.

“Neste primeiro dia vencemos seleções fortes como a Itália e Cazaquistão, bem como a equipa anfitriã e nos quartos-de-final eliminamos o Kosovo por claros 5-0 num jogo dominado do primeiro ao último minuto”, atirou.

A equipa nacional junta 15 jogadores, padres em diversas dioceses do país, como Braga, Vila Real, Viana do Castelo, Porto e Lamego.

A principal novidade para a edição de 2020 do Europeu que junta 19 seleções é o apoio da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), com a oferta de equipamentos que levam os padres portugueses a carregarem o símbolo das quinas ao peito.

Na outra meia-final a seleção da Eslovénia vai medir forças com a Polónia para apurar a outra seleção finalista.

Anúncio

Desporto

SC Braga apurado para as ‘meias’ da Taça de futsal

Futsal

em

Foto: DR / Arquivo

O SC Braga garantiu hoje o apuramento para as meias-finais da Taça de Portugal de futsal, ao vencer o Ladoeiro, por 3-2, numa partida cujo marcador só tomou um ritmo eletrizante depois do intervalo.

No dia de abertura da final a 8, no Centro de Congressos e Desportos de Matosinhos, Coelho (21 minutos), Allan Guilherme (24) e Cássio (27) concretizaram os golos dos minhotos, enquanto Caio Santos (28 e 29) bisou pela formação de Idanha-a-Nova.

O jogo decorreu à porta fechada por determinação da Federação Portuguesa de Futebol, em resposta à pandemia de Covid-19, que já provocou mais de 4.500 mortos e 124 mil infeções em 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 casos confirmados.

Finalista da prova ‘rainha’ em 2006/07 e 2012/13 e sétimo na fase regular do campeonato, o Sporting de Braga vai defrontar no sábado o vencedor do embate entre os primodivisionários Portimonense e Eléctrico, que medem forças às 17:00 de hoje.

O Ladoeiro fechou a melhor prestação de sempre na Taça de Portugal, ao deixar cinco emblemas pelo caminho, e concentra agora as atenções para o ‘play-off’ de acesso ao principal escalão do futsal português, após o segundo posto na Série D da II Divisão.

Sem qualquer ponta de favoritismo, os idanhenses subiram à quadra com maior intensidade nos duelos e transições prometedoras, assentes nos atrevidos Renato Rodrigues e Eskerda, perante a desinspiração bracarense no ataque ao último terço.

O técnico David Lopes solicitou uma pausa técnica para subir a clarividência na circulação, mas os minhotos só encontraram caminho para testar o guarda-redes Gaza em alguns remates exteriores de Márcio, insuficientes para beliscar o nulo ao intervalo.

O reatamento teve o condão de acrescentar emotividade e vincar as diferenças teóricas entre os dois conjuntos, já que Coelho precisou de poucos segundos para concluir uma bola parada às três tabelas e disfarçar a apatia bracarense aos 21 minutos.

Obrigado a arriscar na frente, o Ladoeiro perdeu consistência defensiva, foi apanhado em contrapé e concedeu mais dois golos, com destaque para o toque de calcanhar de Allan Guilherme, aos 24, três minutos antes de Cássio ‘fuzilar’ na zona dos 10 metros.

Só um misto de crença e desatenção alheia permitiu que o sonho albicastrense não descambasse por completo, tendo como protagonista Caio Santos, que materializou duas saídas rápidas na cara de Leandro Costa entre os 28 e os 29 minutos.

Os idanhenses reentraram na discussão, criaram situações para empatar e forçaram a reação final com o guarda-redes avançado Marquito, obrigando os minhotos a recorrerem à experiência do recém-entrado guarda-redes Vítor Hugo para segurar o triunfo.

Ficha de Jogo

Jogo no Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos, em Matosinhos.

SC Braga – Ladoeiro, 3-2.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Coelho, 21 minutos.

2-0, Allan Guilherme, 24.

3-0, Cássio, 27.

3-1, Caio Santos, 28.

3-2, Caio Santos, 29.

Equipas:

– SC Braga: Leandro Costa, Coelho, Nilson, Bruno Cintra e Allan Guilherme. Jogaram ainda Vítor Hugo, Márcio, Amílcar, Douglas, Ricardinho, Daniel Rosa e Cássio.

Treinador: David Lopes.

– Ladoeiro: Gaza, Gonçalo Gonçalves, Markito, Eskerda e Renato Rodrigues. Jogaram ainda Paulo Ferreira, Caio Santos, Diogo Ferreira, Fábio Faria e Kilson Santos.

Treinador: Vítor Caramelo.

Árbitros: José Moreira e Rúben Santos.

Ação disciplinar: Nada a assinalar.

Assistência: Sem espetadores por determinação da Federação Portuguesa de Futebol, em resposta à pandemia de Covid-19.

Continuar a ler

Futsal

Custódio “recupera” André Horta e Wilson Eduardo

I Liga

em

Foto: Divulgação / SC Braga

O novo treinador do SC Braga, Custódio Castro, chamou, esta quinta-feira, André Horta e Wilson Eduardo para a receção ao Portimonense, sexta-feira, da 24.ª jornada da I Liga de futebol, mas não pode contar com Sequeira.

O grande destaque é o regresso aos eleitos, quase um mês depois, de Wilson Eduardo, que tinha deixado de ser opção para Rúben Amorim, que justificou a ausência com o facto do avançado estar em final de contrato.

Bruno Wilson e André Horta ficaram de fora do jogo com o Marítimo (vitória por 2-1), o primeiro por castigo e o segundo por opção, e fazem ambos parte da primeira convocatória de Custódio Castro.

De fora, ficou Sequeira, que se lesionou na Madeira e se juntou a Wallace e Tormena nos indisponíveis por motivos físicos, tendo o novo treinador chamado ainda Pedro Amador e prescindido de Anthony, também habitual titular na equipa B.

SC Braga, terceiro classificado, com 43 pontos, e Portimonense, 17.º, com 16, defrontam-se a partir das 20:30 de sexta-feira, no Estádio Municipal de Braga, num jogo que vai ser arbitrado por Fábio Veríssimo, da associação de Leiria.

Lista dos 20 convocados:

– Guarda-redes: Matheus, Tiago Sá.

– Defesas: Pedro Amador, David Carmo, Bruno Viana, Bruno Wilson, Esgaio, Raul Silva e Diogo Viana.

– Médios: André Horta, Fransérgio, João Novais, Palhinha.

– Avançados: Wilson Eduardo, Abel Ruiz, Ricardo Horta, Paulinho, Trincão, Rui Fonte e Galeno.

Continuar a ler

Futsal

Marítimo preparado para enfrentar Braga “fortíssimo”

I Liga

em

Foto: Reading

O treinador do Marítimo, José Gomes, disse, esta quinta-feira, que os seus jogadores têm de ter “coragem” para receber um SC Braga “fortíssimo”, no domingo, em jogo da 23.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Desde que o técnico assumiu o comando “verde rubro”, o Marítimo perdeu apenas um jogo no Funchal (2-1 com o Desportivo das Aves, na 19.ª ronda), mas vai medir forças com uma formação que leva oito partidas sem perder no campeonato, nas quais obteve sete triunfos.

“Sem beliscar a qualidade do trabalho do Sá Pinto, o Braga na era do Rúben (Amorim) é fortíssimo, conseguiu vencer os três “grandes” e não foi por acaso. É inquestionável e está à vista de todos aquilo que o Braga demonstrou ser capaz de fazer. É mérito do Rúben, que conseguiu alterar o sistema num espaço muito curto de tempo e passar as suas ideias, que os jogadores agarraram”, elogiou José Gomes, em conferência de imprensa.

Apesar do sucesso a nível interno, o SC Braga acaba de ser eliminado dos 16 avos de final da Liga Europa pelos escoceses do Rangers, o que poderá deixar algumas dúvidas na equipa.

“Não sei se o Rúben Amorim repete a equipa que jogou contra o Vitória de Setúbal ou se repete a equipa do último jogo. Em termos fisiológicos, há mais do que tempo para recuperar. O que dá confiança são as vitórias, mas, por outro lado, há a vontade de eles quererem mostrar uma coisa diferente”, comentou.

Para enfrentar e derrotar os “arsenalistas”, a ideia passa por apresentar uma equipa do Marítimo concentrada e com qualidade de decisão no momento de finalizar.

“Pelo posicionamento dos jogadores (adversários) e pelo modelo adotado, temos de ter alguns cuidados, reconhecer a força que eles têm apresentado, tentar protegermo-nos dessa força e explorar. Fazer o nosso jogo com personalidade, coragem e com agressividade ao nível da finalização, que tem sido uma pecha neste Marítimo”, salientou.

José Gomes voltou a frisar o desejo de ter mais consistência na sua equipa e lamentou que os seus pupilos não tenham tido sorte no capítulo da eficácia, pois precisam de quatro remates à baliza para marcar.

Para o jogo nos Barreiros, os médios Edgar Costa e Diego Moreno estão de volta, Xadas é ausência por estar emprestado pelos minhotos e existem ainda dúvidas em relação ao lateral Bebeto e ao avançado Rodrigo Pinho.

O Marítimo, 13.º classificado da I Liga, com 24 pontos, recebe o SC Braga, terceiro, com 40, no domingo, pelas 17:30, em jogo da 23.ª jornada, que terá arbitragem de Tiago Martins, da Associação de Futebol de Lisboa.

Continuar a ler

Populares