Seguir o O MINHO

Futebol

SC Braga recorre da interdição da ‘Pedreira’

I Liga

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

SC Braga anunciou hoje que irá recorrer da interdição do Estádio Municipal de Braga por dois jogos e da multa de 13.388 euros pela falta de habilitações do treinador de futebol Custódio.

O castigo imposto hoje pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol surgiu na sequência de uma queixa da Associação Nacional de Treinadores de Futebol (ANTF).

Os responsáveis bracarenses frisam que vão “recorrer a todos os meios ao seu alcance para contestar esta decisão”, que, acreditam “firmemente, irá ser revertida”.

“No entanto, e apesar deste processo ainda se encontrar numa fase embrionária, é absolutamente incompreensível que em Portugal se continue a dar voz a uma entidade [ANTF] que pretende, de forma corporativista e muitas vezes injusta, limitar a evolução do nosso futebol, aplicando regras altamente castradoras ao crescimento e afirmação de jovens treinadores”, pode ler-se numa nota no sítio dos ‘arsenalistas’.

Em 05 de março de 2020, a ANTF manifestou “indignação e repúdio” pela contratação de Rúben Amorim para o Sporting e com a sua sucessão por Custódio no Sporting de Braga.

Em dois comunicados, um para cada contratação, são apelidadas de “tristes episódios” as duas contratações, considerando que estas desprestigiam “a imagem do futebol português e desvirtuam a verdade desportiva”.

“Lamentamos que num país com os melhores jogadores e treinadores do mundo, se continue a assistir, impunemente, a constantes atropelos à lei e ao Regulamento de Competições da Liga, desconsiderando – desvalorizando até – o esforço dos treinadores cumpridores”, pode ler-se no documento.

No comunicado referente à contratação de Custódio Castro, a ANTF descreve a situação como “uma vergonha”, por se tratarem “de situações reiteradas de desconsideração, desrespeito e afronta para com a secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, para com a Federação Portuguesa de Futebol, para com a própria Liga e para com os clubes e SAD cumpridoras da lei e dos regulamentos”.

“São gritantes os constantes atropelos à lei e ao Regulamento de Competições da LPFP, sendo que, no presente caso, o treinador em apreço não possui sequer habilitações que lhe permitam ser adjunto da I Liga”, lia-se no referido comunicado.

Populares