Seguir o O MINHO

País

Santuário de Fátima retoma no sábado celebrações com presença de peregrinos

Covid-19

em

Foto: Divulgação / Fátima

O Santuário de Fátima vai retomar as celebrações com a presença de peregrinos a partir de sábado, garantindo as condições de segurança para o maior número de pessoas.


O Santuário de Fátima, no concelho de Ourém, distrito de Santarém, anunciou hoje que “para garantir a participação do maior número de pessoas em segurança, no estrito cumprimento das regras definidas pelas autoridades de saúde”, irá concentrar na Basílica da Santíssima Trindade a maioria das missas.

Neste local, será realizado o programa oficial, de segunda a domingo, à exceção da missa das 11:00 que, ao fim de semana, até 26 de outubro, será sempre celebrada no Recinto de Oração, informa ainda o Santuário.

Também ao domingo, a missa das 15:00 passará a ser celebrada no Recinto de Oração.

Segundo o Santuário, a transferência das principais celebrações do programa oficial para a Basílica da Santíssima Trindade (de segunda a sexta) e para o Recinto de Oração “obedeceu a um critério de responsabilidade, que o Santuário tem vindo a adotar neste contexto de pandemia”.

O Santuário recorda que, antes de serem suspensas as celebrações comunitárias com a presença de peregrinos, no dia 14 de março, foi adotado um conjunto de medidas preventivas para evitar o contágio pela covid-19.

“Esta mesma preocupação está presente na escolha dos espaços onde decorrerão as celebrações a partir de agora, nesta fase de desconfinamento inicial”, destaca o Santuário.

As celebrações na Capelinha das Aparições também serão retomadas, com a reza do Terço às 12:00 e às 18:30.

As celebrações oficiais terminarão diariamente com o Terço às 21:30.

Durante a semana será ainda celebrada na Capelinha das Aparições a Eucaristia das 12:30.

As Missas que habitualmente decorriam durante a semana na Capelinha das Aparições em italiano, inglês e espanhol não irão ser celebradas, assim como a procissão do Santíssimo ao domingo.

Os espaços museológicos reabriram na terça-feira.

Dentro dos espaços fechados é obrigatório o uso de máscara e a prévia higienização das mãos.

Durante as celebrações, a máscara só deverá ser retirada no momento da comunhão que continuará a ser dada na mão, informa ainda o Santuário.

Os peregrinos deverão respeitar todas as indicações dos acolhedores, nomeadamente nas filas para a comunhão e na ocupação dos lugares sentados, dentro dos espaços de culto e oração.

As capelas da Reconciliação e da Adoração mantêm os horários habituais, devendo os peregrinos observar todas as regras de distanciamento, etiqueta respiratória e higiene.

A Bênção dos Veículos passa a realizar-se semanalmente, a partir do dia 31 de maio, ao domingo, no parque 12, ao lado do Centro Pastoral de Paulo VI, às 12:45 e 17:00.

Anúncio

País

Governo recua na proibição das feiras. Passam a ser as câmaras a decidir

em

O Governo recuou e decidiu autorizar a realização de feiras e mercados de levante, desde que as câmaras municipais deem autorização depois de verificadas as condições de segurança e o cumprimento das orientações definidas pela Direção-Geral da Saúde.

Este recuo surge depois de o Conselho de Ministros ter determinado, no sábado, a proibição destes eventos nos 121 concelhos com maior risco de contágio pelo novo coronavírus.

“Determina-se a proibição da realização de feiras e mercados de levante, sendo permitidas as cerimónias religiosas e espetáculos de acordo com as regras da Direção-Geral da Saúde”, pode ler-se no comunicado do Conselho de Ministros.

A Federação Nacional das Associações de Feirantes já tinha prometido protestos em Lisboa até que o Governo recuasse na proibição das feiras.

(em atualização)

Continuar a ler

País

“Temos de continuar a viver, mas diminuir o número de contactos”

Graça Freitas, diretora-geral da Saúde

em

Foto: DR / Arquivo

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, disse hoje que é preciso reduzir contactos, mas sem deixar de viver, trabalhar, ir à escola, ao teatro, ao cinema ou fazer compras.

“Temos de continuar a viver. Só temos de diminuir o número de contactos, sem deixar de ir ao trabalho, à escola, ao teatro, ao cinema, ou de fazer compras”, disse Graça Freitas na habitual conferência de imprensa sobre a situação da pandemia em Portugal, durante a qual agradeceu aos profissionais de saúde que têm acompanhado os doentes há oito meses.

Dirigindo-se aos cidadãos em geral, a diretora-geral da Saúde recordou que as únicas medidas contra a propagação do novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, são os comportamentos.

“Passam hoje oito meses sobre o primeiro caso de covid-19 em Portugal e todos aprendemos com cada dia que passou. Apelo para não se baixar a guarda por muito cansados que estejamos”, disse.

“Estamos numa fase ascendente e é da nossa responsabilidade achatar a curva”, adiantou, insistindo que quanto menos contactos se tiver no dia-a-dia menos hipóteses existe de transmitir a doença.

Graça Freitas explicou ainda o que quer dizer quando se refere a uma bolha nas advertências que tem feito para que as pessoas não misturem bolhas de contactos.

“O que é uma bolha? É um sítio isolado onde posso estar com algumas pessoas. É a família que mora na mesma casa. Os nossos amigos e os colegas não são da minha bolha. Não podemos facilitar no emprego e na escola em momento em que estamos mais relaxados”, explicou.

“É em casa, vida social, laboral que temos de fazer um esforço adicional todos os dias “, frisou.

Graça Freitas fez ainda um apelo aos responsáveis pelos diferentes setores de atividade para que criem condições para que alunos, trabalhadores, frequentadores dos espaços e espetáculos possam estar seguros.

Portugal ultrapassou hoje os máximos de óbitos e internamentos por covid-19 desde o início da pandemia com o registo de 46 mortos e 2.255 doentes internados, 294 dos quais em cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim epidemiológico da DGS hoje divulgado, Portugal regista hoje 2.506 casos, abaixo dos 3.062 notificados no domingo, e 146.847 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, além de 2.590 óbitos.

Em relação aos internamentos, o número de pessoas hospitalizadas continua a subir desde há mais de uma semana, sendo agora de 2.255 pessoas, mais 133 do que no domingo, dos quais 294 (mais 10) estão em Unidades de Cuidados Intensivos.

Das 46 mortes registadas, 20 ocorreram na região Norte, 17 em Lisboa e Vale do Tejo, seis na região Centro e uma no Alentejo, no Algarve e na Madeira, respetivamente.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos e mais de 46,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

País

DGS considera escolas “locais relativamente seguros” e descarta novas regras

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A diretora-geral da Saúde descartou hoje a aplicação de novas regras para as escolas na prevenção da pandemia da covid-19, salientando que têm sido “locais relativamente seguros”.

Questionada na conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia em Portugal, Graça Freitas indicou que “felizmente, e por motivos que não se sabem mas têm também a ver com a idade das crianças e a sua capacidade de se infetarem e infetarem os outros”.

“As escolas têm sido locais relativamente seguros. Têm acontecido casos mas não têm sido grande fonte de transmissão, sobretudo escolas com crianças mais pequenas, que de facto não contraem nem transmitem muito a doença”, afirmou.

“À medida que as crianças vão crescendo, os adolescentes e os jovens vão-se aproximando de um padrão parecido com o dos adultos”, reconheceu.

Medidas como decidir adoção de aulas à distância tornam-se mais fáceis no ensino superior, “por um lado porque essas pessoas já têm um padrão parecido com o dos adultos, como conseguem autonomamente seguir formas de ensino à distância”.

A diretora-geral da Saúde apontou que mais do que novas regras, importa “comunicar melhor essas regras à comunidade educativa e à comunidade da saúde”, quer as regras de prevenção quer os procedimentos a adotar quando existam casos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos e mais de 46,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.590 pessoas dos 146.847 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Populares