Seguir o O MINHO

Futebol

Santa Clara dispensa jogador apontado ao SC Braga

I Liga

em

Foto: DR

O jogador Guilherme Schettine foi dispensado de participar em treinos e jogos do Santa Clara da I Liga de futebol até ao final do mês, altura em que termina o contrato do avançado brasileiro.


“A Santa Clara Açores, Futebol SAD informa que chegou a acordo com o atleta Guilherme Schettine Guimarães para a dispensa de participação em treinos, jogos e outras atividades previstas no contrato em vigor com término no final do mês”, avançou hoje o Santa Clara em comunicado de imprensa.

O clube acrescenta que o atleta de 24 anos “já não acompanhará a comitiva na deslocação para Lisboa, agendada para a próxima sexta-feira, dia 29 de maio”, uma vez que os açorianos irão disputar o resto da I Liga como visitados na Cidade do Futebol, devido à covid-19.

Depois de ter conquistado a titularidade no decorrer da época (quinze jogos, três golos), Schettine foi afastado das opções de João Henriques em fevereiro.

Segundo foi veiculado na altura, o jogador foi afastado do plantel dos açorianos por se ter recusado a renovar contrato, já tendo um acordo para representar o SC Braga na temporada 2020/21, uma informação que nunca foi confirmada pelo Santa Clara.

No último mercado de transferências de verão, em agosto de 2019, a possível ida de Schettine para o Braga levou a uma troca de acusações entre os clubes.

Na altura, os minhotos acusaram o Santa Clara de querer favorecer o Benfica no negócio e os açorianos criticaram a abordagem direta ao jogador feita pelo SC Braga.

Schettine chegou ao Santa Clara em 2016/17, por empréstimo do Atlético Paranense do Brasil, sendo que nas épocas seguintes representou o Al-Batin (Arábia Saudita) e o Dibba Al Fujairah (Emirados Árabes Unidos).

Em 2018/19, regressou ao Santa Clara, tendo feito, no total das três épocas, 58 jogos e marcado sete golos na I Liga de futebol, que fazem dele o melhor marcador de sempre dos açorianos no principal escalão do futebol nacional.

A I Liga, na qual o Santa Clara está no 10.º lugar, com 30 pontos, tem o seu retorno previsto para 03 de junho, para se disputar as restantes 10 jornadas.

Anúncio

Futebol

SC Braga prossegue luta pelo terceiro lugar

I Liga

em

Foto: DR / Arquivo

O Sporting e o SC Braga prosseguem hoje a luta pelo terceiro lugar na I Liga de futebol, com os ‘leões’ a receberem o Santa clara e os ‘arsenalistas’ a deslocarem-se a Paços de Ferreira, na 31.ª jornada.

Numa jornada em que o FC Porto ficou a um ponto do título, ao vencer em Tondela por 3-1 e ao beneficiar do empate 1-1 do Benfica em Famalicão, os sportinguistas, terceiros classificados com mais três pontos do que os bracarenses, quartos, recebem uma das equipas sensação da prova e que, apesar de ter saído derrotada nas duas rondas anteriores, já foi ao estádio da Luz vencer o Benfica por 4-3.

Em Paços de Ferreira, o Braga vai tentar não ceder terreno para os lisboetas, mas encontra pela frente uma equipa quase livre da descida e que vai tentar ficar definitivamente com a sua situação salvaguardada.

O dia fica completo com mais um encontro, com o Vitória SC ainda a tentar chegar à zona europeia, precisando para se manter na corrida de vencer na receção ao tranquilo Gil Vicente

Programa e resultados da 31.ª jornada da I Liga de futebol:

– Quarta-feira, 08 jul:

Boavista – Marítimo, 0-1 (0-1 ao intervalo)

Desportivo das Aves – Vitória de Setúbal, 1-0 (1-0)

– Quinta-feira, 09 jul:

Rio Ave – Portimonense, 2-1 (1-1)

Tondela – FC Porto, 1-3 (0-0)

Famalicão – Benfica, 1-1 (0-1)

– Sexta-feira, 10 jul:

Vitória SC – Gil Vicente, 17:00

Sporting – Santa Clara, 19:15

Paços de Ferreira – Sporting de Braga, 21:30

– Sábado, 11 jul:

Belenenses SAD – Moreirense, 19:15 (Cidade do Futebol)

Continuar a ler

Futebol

“O empate parece-me justo”

João Pedro Sousa

em

Foto: DR / Arquivo

Declarações dos treinadores do Famalicão e do Benfica, João Pedro Sousa e Nélson Veríssimo, respetivamente, no final da partida da 31.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, que terminou com um empate 1-1:

João Pedro Sousa (treinador do Famalicão): “Não conseguimos controlar o jogo para depois o dominar. Tivemos algumas dificuldades na fase inicial, onde o Benfica foi pressionante.

Custou-nos a pegar no jogo, errámos e não conseguimos ferir o adversário, mas, no final, melhorámos e tivemos o prémio pela nossa persistência com o golo, numa jogada bonita, que dá um empate que me parece justo.

(sobre a entrada de Guga) Não gosto de individualizar, mas é um profissional enorme, que trabalha sempre a 100 % e quase obriga o treinador a pô-lo a jogar. Dá-nos plenas garantias pela sua energia e empenho. É um jogador à Famalicão. Está de parabéns.

(sobre mudanças na equipa) A época está muito longa, os jogadores estão cansados. Jogámos em Tondela com 37 graus. Temos de ter cuidado e proteger os jogadores. Estamos a trabalhar há mais de um ano. Tivemos de fazer a gestão física da equipa.

O principal indicador do Famalicão é a vontade que temos de ganhar, hoje até podíamos ter perdido, mas mostrámos essa ambição. Estamos orgulhosos.”

Nélson Veríssimo (treinador do Benfica): “Saímos frustrados com o resultado, acho que a equipa fez um jogo muito competente, em casa de um adversário difícil.

Criámos muitas oportunidades de golo para sair com outro resultado, mas, no fim, o que conta é este empate. Mas, globalmente, fizemos um jogo consistente, em muitos momentos a controlá-lo. Tenho de dar os parabéns aos jogadores, que tiveram uma postura de grande compromisso.

(sobre a classificação) O Benfica nunca atira a toalha ao chão. O que tenho dito, desde o último jogo com o Boavista, é que vamos encarar o que falta do campeonato sempre a lutar pela vitória, independentemente do que acontecer com os resultados das outras equipas.

A situação para chegar ao título não é fácil, mas a história do Benfica obriga-nos a jogar sempre para vencer.

As escolhas do ‘onze’ obedecem à observação que fazemos do adversário e ao momento e condição individual dos nossos jogadores, são esses critérios que vamos manter.”

Continuar a ler

Futebol

FC Famalicão ‘empata’ Benfica e ‘dá um empurrão’ ao FC Porto rumo ao título

31.ª jornada

em

Foto: FC Famalicão

O FC Famalicão empatou hoje 1-1 com o Benfica, em jogo da 31.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, e deixa o FC Porto cada vez mais perto do título.

Os lisboetas até entraram melhor no desafio, adiantando-se no marcador, aos 37 minutos, com um golo de Pizzi, mas, no segundo tempo, perderam o ascendente e foram inconstantes, expondo-se ao crescimento do Famalicão, que foi premiado pela insistência com o golo do empate, assinado por Guga, aos 84.

Com este empate, o Benfica mantém-se no segundo lugar, com 68 pontos, agora a oito do do FC Porto, que apenas precisa de um ponto para se sagrar campeão. Já o Famalicão perdeu o quinto lugar para o Rio Ave, caindo para o sexto, com 49 pontos, mas mantém-se na luta por um lugar nas competições europeias.

Os ‘encarnados’ entraram no jogo sabendo que um deslize, em forma de derrota, entregaria, automaticamente, o título ao rival FC Porto, tentando impedi-lo com uma entrada forte no desafio e assumindo, desde cedo, o controlo das operações, deixando as primeiras ameaças num remate de Cervi, para grande defesa de Defendi, e um tiro ao lado de Nuno Tavares.

O Famalicão sentiu dificuldades para responder ao futebol pressionante e, várias vezes, viril do adversário, tentando aproveitar o embalo ofensivo do Benfica para aplicar os seus contra-ataques, explorando sobretudo as alas.

A iniciativa mais consistente dos minhotos surgiu, aos 18, numa desmarcação de Pedro Gonçalves culminada com um remate de fora da área, que o guardião benfiquista Vlachodimos respondeu com uma das defesas do jogo.

Apesar do atrevimento dos nortenhos, o Benfica não se intimidou com a ameaça e continuou a pisar mais vezes a área contrária, explorando os cruzamentos na tentativa de um desvio de Seferovic, que, aos 28, surgiu em posição soberana, mas não resistiu a um corte ‘in extremis’ de Roderick, na altura do remate.

Nesta toada de insistência, acabou por não surpreender que o primeiro golo do jogo caísse para os ‘encarnados’, com Pizzi a consubstanciar uma ameaça prévia e a inaugurar o marcador, aos 37, numa recarga a um desvio inicial de Seferovic, que Defendi afastou para os pés do internacional português.

O Famalicão ainda tentou responder no imediato, numa escapada de Fábio Martins, mas com fulgor insuficiente para inverter a vantagem de 1-0 com que as ‘águias’ recolheram ao intervalo.

Os minhotos regressaram do descanso com a responsabilidade de inverter a desvantagem e até começaram a fazer por isso, surgindo mais pressionantes e a operar uma boa circulação de bola na tentativa de encontrar brechas num Benfica que, apesar de conceder a iniciativa, não desarmava na procura do segundo golo.

Já depois da hora de jogo, Pizzi esteve perto de conseguir um segundo golo, em mais uma recarga, desta feita a um tiro inicial de Chiquinho, que Defendi segurou, e pouco depois foi vez do recém-entrado Vinicius rematar frouxo quando estava isolado

Ainda assim, o Famalicão recusava render-se, e, aos 72, começou a ameaçar o empate, quando Fábio Martins, assistido por Pedro Gonçalves, atirou à barra da baliza benfiquista, num aviso que teve continuidade num remate de Walterson, por cima, aos 81.

Os sucessivos golpes dos locais iam quebrando a resistência do Benfica, que, aos 84 acabou por ceder, quando Guga, aposta do técnico João Pedro Sousa dois minutos antes, desviou para o 1-1 um cruzamento de Fábio Martins, que ditou o resultado final

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio Municipal 22 de Junho, em Famalicão.

Famalicão – Benfica, 1-1

Ao intervalo: 0-1

Marcadores:

0-1, Pizzi, 37 minutos.

1-1, Guga, 84.

Equipas:

– Famalicão: Rafael Defendi, Patrick William (Ivo Pinto, 66), Riccieli, Roderick, Coly (Alex Centelles, 82), Rúben Lameiras (Walterson, 65), Racic, Gustavo Assunção, Fábio Martins, Del Campo (Anderson, 56) e Pedro Gonçalves (Guga, 80).

(Suplentes: Vaná, Ivo Pinto, Guga, Walterson, Ofori, Nehuen Perez, João Neto, Alex Centelles e Anderson).

Treinador: João Pedro Sousa.

– Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Rúben Dias, Jardel, Nuno Tavares, Pizzi (Jota, 88), Julian Weigl, Gabriel (Samaris, 81), Cervi (Rafa, 81), Chiquinho e Seferovic (Carlos Vinícius, 66).

(Suplentes: Zoblin, Zivkovic, Dyego Sousa, Samaris, Rafa, Jota, Tomás Tavares, Carlos Vinícius e Ferro).

Treinador: Nélson Veríssimo.

Árbitro: Jorge Sousa (AF Porto).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Cervi (07), Julian Weigl (24), Roderick (39), Pedro Gonçalves (45+1) e Gabriel (57).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido a pandemia de covid-19.

(notícia atualizada às 01h08)

Continuar a ler

Populares