Seguir o O MINHO

País

Salicórnia substitui cada vez mais o sal nos lares e restaurantes portugueses

Uma outra produtora explica, num vídeo do hipermercado “Jumbo”, o que é a salicórnia

em

A salicórnia, planta halófita comestível que cresce espontaneamente em zonas de sapal, como a Ria Formosa, no Algarve, é cada vez mais usada como uma alternativa ao sal e não só exclusivamente pelos ‘chefs’ da alta cozinha.

Se antes era preciso ir a um restaurante ‘gourmet’ para saborear a planta, usada em saladas, mas também em pratos de peixe, marisco ou carne, desde o ano passado que já é possível encontrar salicórnia nas prateleiras de alguns supermercados do país.

Mais recentemente, desde o início deste ano, existem também saladas prontas a consumir já com salicórnia, dispensando a adição de sal, através de uma parceria entre um grupo dedicado aos produtos de quarta gama e uma empresa que produz aquela e outras plantas da Ria Formosa em estufas, junto a Faro.

“Na nossa salicórnia, por cada 100 gramas, existem dois gramas de sal, portanto, apenas 2%, e o nível de sódio é de 0,75 gramas”, explicou à Lusa Miguel Salazar, gerente da Ria Fresh e que começou a desenvolver projetos com plantas halófitas no Algarve em 2011.

Segundo o engenheiro agrónomo, os benefícios da salicórnia relativamente ao sal não se esgotam na capacidade de salgar os alimentos com menos sódio já que a planta “não é unicamente sal”, tendo outros minerais benéficos para a saúde como o cálcio, o potássio e o magnésio.

“Existem uma série de estudos que indicam que a salicórnia e outras plantas dos sapais têm também compostos com propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e até antidiabéticas”, indicou.

Nascido em Espanha, mas a viver em Portugal há 17 anos, o engenheiro agrónomo sublinha que a composição da salicórnia proporciona não só um sabor salgado, como realça o sabor dos alimentos, fazendo com que perdure mais no palato.

Segundo Miguel Salazar, trata-se do sabor “umami”, palavra de origem japonesa, que em português significa delicioso ou saboroso, e que dá nome ao quinto sabor, para além do doce, amargo, ácido e salgado.

Para ser usada na confeção de pratos quentes e por se tratar de um vegetal muito hidratado, o ideal é adicionar a salicórnia à preparação já na parte final da cozedura, embora a planta não oxide, explicou.

Pedro Girão, diretor comercial da empresa, estima que, no total das nove plantas produzidas e comercializadas pela Ria Fresh, a produção deste ano se situe entre as 15 e as 17 toneladas.

No próximo ano esperam alcançar as 25 toneladas, estando já em curso a exportação para Espanha e Bélgica, com possibilidade de a operação vir a estender-se também à Inglaterra e Alemanha.

A salicórnia da Ria Fresh está atualmente à venda em superfícies comerciais do Porto, Coimbra, Lisboa e Algarve, onde, por enquanto, existe apenas um ponto de venda.

A empresa também já comercializa sal vegetal, que consiste em salicórnia desidratada, embora o produto ainda esteja em desenvolvimento, concluiu.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

País

Europeias: Cristas recusa “voto fútil” no CDS e responde que votar PSD é “alternância”

Eleições Europeias a 26 de maio

em

Foto: Facebook de Assunção Cristas (Arquivo)

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, respondeu hoje ao PSD, recusou que o voto no seu partido seja fútil, como sugeriu Paulo Rangel, e definiu-o como “alternativa” de centro direita por oposição à “alternância”.

Um dia depois de o cabeça de lista social-democrata às europeias ter dito que o voto “fora do PSD” nas eleições de domingo será “um voto fútil”, Assunção Cristas aproveitou um passeio de barco, de Setúbal até à Arrábida, ao lado do candidato Nuno Melo para responder e insistir na tese do fim do voto útil e na sua oposição à ideia de bloco central.

Optar pelo CDS “é dar o voto a quem sabe, seguramente, que o caminho para o futuro do país não é o socialismo, não são as esquerdas unidas e também não é um bloco central”, entre o PSD e PS.

O voto nos centristas é para quem acha que “a alternativa para o país é uma verdadeira alternativa e não é uma alternância”, referindo-se indiretamente ao PSD, “é por uma linha politica do centro e da direita moderados que entende que, neste espaço, se construiu no mundo e na Europa muito do melhor” que se conseguiu para os cidadãos.

Em Esposende, no domingo à noite, o candidato europeu Paulo Rangel defendeu que o voto “fora do PSD” nas eleições europeias será “um voto fútil” e apelou ao “voto útil” nos sociais-democratas para “derrotar António Costa”.

“Se querem derrotar António Costa só há uma alternativa e essa alternativa é votar no PSD. Todo o voto fora do PSD é um voto fútil, todo o voto no PSD é um voto útil”, defendeu, num jantar-comício na Quinta da Malafaia, Esposende.

Hoje é Dia Mundial do Mar e Assunção Cristas, que antes de ser líder do CDS, foi ministra da Agricultura e das Pescas, no Governo PSD/CDS, acompanha a manhã de campanha num passeio de barco, de Setúbal até à Arrábida.

Mais duro, Nuno Melo disse que não vêm utilidade no voto no PSD que “celebra acordo com o dr. António Costa” e admite que “em circunstâncias excecionais, se António Costa precisar, validará um bloco central”.

O que o país precisa é de “uma alternativa” que não seja nem “parceiro nem muleta” ao dr. António Costa e insistiu na tese de que “um voto no CDS não servirá para validar” um Governo do PS.

“Ora, isso não acontece com o PSD e, por isso, eleitor precavido que queira, realmente, uma oposição forte, real, ao dr António Costa só tem utilidade num voto à direita. É o voto no CDS”, afirmou.

A poucos centenas de metros da costa, os três barcos com a comitiva centrista, o de Cristas ia à frente, foram navegando durante cerca de duas horas para o CDS assinalar este dia mundial do mar e para insistir nas críticas à fraca execução do programa Mar2020, em redor dos 25%.

Assunção Cristas olha “com tristeza” os números de execução, mas mais do que “tristeza” culpa a “incompetência e incapacidade” do Governo liderado por António Costa.

Continuar a ler

País

Inspeção deteta pouca diversidade e falta de fruta nas máquinas de venda do SNS

Operação também passou pelo Hospital de Braga

em

Foto: DR

Uma ação inspetiva da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) às máquinas de venda automática do Serviço Nacional de Saúde detetou pouca diversidade na oferta alimentar e ausência de fruta fresca.

Solicitada pela Ordem dos Nutricionistas em outubro de 2017, com o objetivo de verificar o cumprimento do despacho que limita produtos prejudiciais à saúde destes equipamentos no SNS, a ação decorreu em 2018 em 10 estabelecimentos hospitalares do país, onde foram verificadas duas centenas de máquinas.

Em declarações à agência Lusa, a bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento, disse que os resultados revelam “uma avaliação satisfatória da conformidade do conteúdo das máquinas”, mas que “a maioria dos equipamentos acaba por não incluir uma grande parte de alimentos que são recomendados” no despacho.

O despacho, que entrou em vigor em setembro de 2016, fixava março de 2017 como o prazo limite para que bebidas alcoólicas, refrigerantes, doces, salgados, refeições rápidas e/ou com molhos fossem retiradas destes equipamentos.

O despacho determina ainda como obrigatório que as máquinas disponibilizem água e um conjunto de alimentos, entre os quais fruta.

A ação verificou que a legislação foi cumprida, tendo havido uma alteração na oferta alimentar, mas “peca por defeito”, disse Alexandra Bento.

Segundo a inspeção, a oferta é reduzida e pouco diversificada, verificando-se que nenhuma das máquinas dos estabelecimentos hospitalares inspecionados disponibiliza fruta fresca.

“Podemos dizer que estamos satisfeitos, achamos que o primeiro desafio foi cumprido, mas há que avançar no sentido de que amanhã as máquinas de venda automática não tenham só aquilo que é permitido na justa medida, mas que disponibilizem um conjunto de alimentos considerados de presença preferencial e que está bem explicitado no despacho”, defendeu a bastonária.

Para Alexandra Bento, há um trabalho que tem de ser feito para que, quando houver uma nova ação inspetiva, “o resultado não seja satisfatório, mas seja um resultado excelente”, e que as máquinas automáticas do SNS, os bares, as cafetarias e os bufetes possam disponibilizar “uma vasta variedade de produtos alimentares saudáveis e apelativos, como fruta”.

“Se trabalharmos desde cedo em programas de educação e literacia alimentar” e que para uma criança um palito de cenoura possa ser tão apelativo quanto uma batata frita, estou certa de que, nessa altura, as instituições vão, de forma mais convicta, disponibilizar uma oferta alimentar mais saudável”, sustentou.

O objetivo, acrescentou, é caminhar no sentido de todos os portugueses adotarem hábitos alimentares mais equilibrados e optarem pelo que é mais saudável

As ações inspetivas foram realizadas por uma equipa da IGAS com participação de peritos nutricionistas, em resultado da articulação institucional com a Ordem dos Nutricionistas.

A operação decorreu no Hospital Distrital de Santarém, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, nos Instituto Português de Oncologia de Coimbra e do Porto, no Hospital Distrital Figueira da Foz, no Centro Hospitalar Baixo Vouga, no Hospital de Braga, no Hospital Santa Maria Maior, no Hospital Garcia de Orta e no Centro Hospitalar Lisboa Ocidental.

Em junho de 2018 a Ordem dos Nutricionistas solicitou também à IGAS uma outra ação inspetiva aos bares, cafetarias e bufetes do SNS com a intenção de verificar o cumprimento do despacho que limita a disponibilização de produtos com altos teores de sal, estando ainda a aguardar a sua realização.

Continuar a ler

País

Problemas de sono nos adolescentes podem ser resolvidos com menos ecrãs à noite

Estudo

em

Foto: O MINHO

Os problemas de sono nos adolescentes podem ser revertidos em apenas uma semana limitando a utilização à noite de ecrãs emissores de luz como os dos telemóveis, ‘tablets’ e computadores, defendeu hoje a Sociedade Europeia de Endocrinologia.

A relação entre o uso destes equipamentos à noite e o sono dos adolescentes foi alvo de um estudo, que será divulgado em Lyon durante o encontro anual da Sociedade Europeia de Endocrinologia, e que conclui que demasiada exposição noturna à luz, especialmente a luz azul emitida pelos ecrãs de ‘smartphones’, ‘tablets’ e computadores pode afetar o relógio biológico do cérebro e a produção da hormona do sono, melatonina, resultando numa disrupção no tempo e qualidade do sono.

“A falta de sono não só causa sintomas imediatos de cansaço e perda de concentração, como pode aumentar o risco de problemas de saúde mais sérios a longo prazo, tais como diabetes, obesidade e doença cardíaca”, sustentou a instituição em comunicado.

Outros estudos sugeriram que a privação do sono relacionada com o tempo de exposição a ecrãs pode afetar mais as crianças e os adolescentes do que os adultos, mas não investigaram a fundo como a exposição na vida real está a afetar o sono dos adolescentes em casa e como pode ser revertido.

O estudo hoje divulgado resulta de uma parceria entre o Instituto Holandês de Neurociência, a Universidade Médica de Amesterdão e o Instituto Alemão de Saúde Pública e Ambiente.

Os investigadores estudaram os efeitos da exposição dos adolescentes à luz azul dos ecrãs em casa. Aqueles que ficaram mais de quatro horas por dia à frente do ecrã adormeceram, em média, 30 minutos mais tarde e acordaram mais vezes do que os jovens que permaneceram menos de uma hora expostos àquela fonte de luz, além de outros sintomas de falta de sono.

Dirk Jan Stenvers, do Departamento de Endocrinologia e Metabolismo da universidade de Amesterdão, afirmou que os adolescentes passam cada vez mais tempo ocupados com os ecrãs e que as queixas relacionadas com o sono são frequentes nesta faixa etária.

“Aqui demonstramos muito simplesmente como essas queixas de sono podem ser facilmente resolvidas, minimizando o uso noturno de ecrãs emissores de luz azul”, conclui o investigador.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares