Seguir o O MINHO

Futebol

Rui Pedro Silva garante que aceitou “de olhos fechados” treinar o Famalicão

I Liga

em

Rui Pedro Silva. Foto: FC Famalicão / Divulgação

O novo treinador do Famalicão, Rui Pedro Silva, admitiu hoje que aceitou “de olhos fechados” comandar a equipa da I Liga portuguesa de futebol, na qual sentiu “uma paixão enorme”.

O técnico, que chegou para substituir Ivo Vieira, referiu a grande ambição que a equipa técnica transporta para este projeto.

“Enquanto treinador e equipa técnica, somos ambiciosos. É um clube que tem um projeto e, pelos dois dias que estive aqui, percebi que há uma paixão muito grande neste clube. São fatores que foram decisivos na escolha do projeto. Aceitei de olhos fechados, senão não estaria aqui para dirigir um jogo com dois dias”, referiu o treinador, na primeira conferência de imprensa ao serviço do clube famalicense.

Sobre o projeto, o técnico garantiu que o mais importante neste momento “é construir uma equipa” de forma a fazer sobressair a qualidade do grupo.

“É uma equipa com muita qualidade, mas a qualidade só aparece se existir uma equipa e estamos aqui para construir uma equipa. A partir desse projeto, vão começar a sobressair as qualidades do plantel. Neste momento, o passo mais importante é construir uma equipa”, frisou ainda.

Rui Pedro Silva explicou que encontrou um plantel abatido com os resultados, mas que, mesmo assim, lhe transmitiu confiança para o futuro.

“Encontrei um plantel triste, cabisbaixo, mas seria de estranhar se encontrasse um plantel contente, a dançar e a cantar, depois de não conseguir ganhar jogos. Mas, também encontrei um plantel que me recebeu muito bem, a tentar receber o máximo de ideias possíveis e isso foi o mais importante. É um plantel que está num momento de reação e que quer receber as informações que eu possa passar”, salientou.

O treinador foi adjunto de Jesualdo Ferreira e de Nuno Espírito Santos, dois técnicos a quem garante dever muito e com quem costuma falar e trocar ideias regularmente.

“Comecei a gatinhar com o professor Jesualdo, trabalhei com ele durante oito anos e foi o momento em que mais aprendi no futebol. Depois, tive a felicidade de trabalhar com o Nuno [Espírito Santo] e recolhi o melhor de cada um deles. Falo com eles constantemente, não é por ter aceitado este projeto que falei particularmente. Gosto imenso de falar com o professor Jesualdo”, contou.

Em jeito de antevisão ao próximo jogo dos famalicenses, o primeiro como treinador da equipa, Rui Pedro Silva não quer colocar muita pressão nos seus jogadores. Ainda assim garantiu que o Famalicão está preparado para defrontar o Portimonense, no jogo dos oitavos de final da Taça de Portugal.

“Estou aqui para construir uma equipa, com princípios, regras, um plano definido e espero conseguir isso. O Portimonense tem sido um adversário complicado para o Famalicão, tem tido sucesso, mas estamos preparados”, assegurou o treinador.

A estreia na Taça de Portugal é aliciante: “É um jogo especial, é da Taça, do tudo ou nada. Espero obviamente que os jogadores percebam que não há momento para recuperar. É para terminar o jogo e dizer que fizemos tudo o que era possível”.

O Famalicão recebe na terça-feira o Portimonense, às 20:45, numa partida dos oitavos de final da Taça de Portugal, que será arbitrada por Manuel Oliveira, da associação do Porto.

EM FOCO

Populares