Seguir o O MINHO

Futebol

Rui Almeida promete Gil Vicente “nos limites” para superar Sporting

I Liga

em

Rui Almeida, treinador do Gil Vicente, prometeu hoje uma equipa a jogar “nos limites” para tentar “ter sucesso” no duelo frente ao Sporting, na quarta-feira, numa partida em atraso da primeira jornada da I Liga portuguesa de futebol.


“Vamos jogar contra um candidato ao título e para trazermos pontos deste jogo temos de ser competitivos, estar concentrados e jogar nos nossos limites. Só assim é que poderemos ter sucesso”, disse o técnico do conjunto barcelense.

Apesar de no sábado a equipa ter perdido frente ao FC Porto, por 1-0, também para a I Liga, o técnico dos ‘galos’ gostou da atitude da equipa em vários momentos desse desafio, pretendendo replicar “as coisas boas” na deslocação a Alvalade.

“Sabemos a força do Sporting, mas queremos estar concentrados em nós, tal como fizemos no [estádio do] Dragão. Conseguimos jogar e criar oportunidades, mas, infelizmente, não fomos felizes na eficácia. Vamos tentar corrigir neste jogo, tentar impor o nosso futebol e, nos momentos que tivermos de defender, fazê-lo bem”, perspetivou o técnico gilista.

Mesmo com o histórico de confrontos entre dos dois clubes a pender para o lado dos ‘leões’, Rui Almeida não tem dúvidas em afirmar que “os jogadores do Gil Vicente e do Sporting sabem que quando começar o jogo as camisolas não contam”, vincando que será mais importante “o empenhamento, concentração e toda a parte estratégica”.

“O Sporting vai tentar impor o seu jogo, nós também o tentaremos fazer. É nesse equilíbrio que temos de estar concentrados. É um adversário forte, que respeitamos, mas em momento algum vamos fugir da nossa forma de jogar”, vincou.

Rui Almeida lembrou que “nenhum treinador diz que vai lutar pelo empate” e prometeu uma equipa “competente, competitiva e a lutar pelos três pontos”, desvalorizando o facto de, no espaço de uma semana, ter duelos com o FC Porto, Sporting e Vitória de Guimarães, todos para o campeonato.

“Adoro semanas de três jogos e os jogadores também gostam. Claro que há um desgaste físico e até mental, mas estamos a precisar de competição”, observou Rui Almeida.

O técnico assumiu, por fim, que gostaria de melhorar os níveis de eficácia da equipa, que apontou apenas dois golos em quatro jogos, mas garantiu que tal “não é uma preocupação”.

“Tivemos cerca de 15/16 ocasiões e só marcámos dois golos, temos de aumentar a eficácia à frente da baliza. Temos de decidir com clareza nos momentos em que tivermos oportunidades, mas isso faz parte do crescimento da equipa. Não me preocupa”, assinalou.

Para este jogo em atraso da primeira jornada do campeonato, que não se realizou em 19 de setembro devido a casos de covid-19 nas duas equipas, os barcelenses não podem contar com o defesa Henrique, que ainda recupera de lesão, e o avançado Baraye, que à data inicial do jogo ainda não estava inscrito na equipa.

O Gil Vicente, 12.º classificado, com cinco pontos, desloca-se na quarta-feira ao estádio de Alvalade, para defrontar o Sporting, terceiro, com 10, numa partida que terá arbitragem de André Narciso, da Associação de Futebol de Setúbal.

Anúncio

Futebol

“Os jogadores libertaram-se daquilo que os perturbava”

João Henriques

em

Foto: Arquivo

Declarações após o jogo entre Tondela e Vitória SC, da oitava jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado em Tondela e que terminou com a vitória dos ‘vimaranenses’, por 2-0:

João Henriques (treinador do Vitória SC): “Vimos de uma derrota de 4-0 em casa e é natural que os jogadores, acima de tudo, estavam receosos de cometer erros que condicionassem a equipa, estavam com, em termos mentais, com esse peso do anterior resultado e queriam fazer as coisas bem e as coisas não estavam a sair.

O golo e a segunda parte resulta num Vitória mais desinibido, porque as coisas foram acontecendo naturalmente, com mais confiança, mais clarividência, mais fluidez, as situações foram surgindo e obviamente que os indicies de confiança vão subindo e o trabalho que tem vindo a ser feito vem ao de cima. É natural.

Costumo dizer que daqui para cima [faz o gesto do pescoço para cima] são os tais 80%. [Repete o gesto] isto é que manda tudo. Tudo o resto que está para baixo só funciona se isto estiver limpo, se as ideias forem claras, se não houver poeiras no ar, ruídos. Os jogadores acabaram por, através dos golos, soltarem aquilo tudo que estava a perturbar as suas exibições individuais e depois, naturalmente, coletiva.

Isso [o primeiro golo] fez com que a equipa conseguisse criar situações, fez um jogo fluido, jogou um futebol agradável de se ver, com qualidade, e é isso que nós queremos manter. Isto é normal acontecer em equipas com menos maturidade e nós somos uma equipa na sua globalidade muito jovem e que precisa de ir vencendo e sobre as vitórias ir construindo a confiança necessária para fazerem o que eles sabem fazer.

Conseguimos construir um resultado confortável, vitória justa, os números podiam ter sido mais expressivos depois, a demorarmos a decidir em algumas situações, mas ficamos satisfeitos com a vitória e, sobretudo, percebermos que aquilo que treinamos depois aparece.

Não ficamos totalmente satisfeitos, porque queremos um jogo todo assim, mas estamos em crescimento. De salientar que este é o meu terceiro jogo fora de casa com o Vitória [de Guimarães] e são três vitórias e zero golos sofridos e é isso que queremos continuar a fazer.

Queremos também transportar isso para os jogos em casa, que até agora não conseguimos vencer, desde que cheguei também, e é isso que vamos tentar na próxima jornada, é isso que é o nosso foco, continuar a cimentar a qualidade de jogo com vitórias, com pontos.

Já conseguimos ver o que andamos a tentar fazer: a construir uma equipa sólida, com um futebol agradável e, obviamente, com as vitórias necessárias para andarmos onde nós queremos que é no topo da tabela classificativa.

Hoje demos um passo importante para continuarmos no topo da tabela classificativa e deixámos a porta aberta para entrarmos na Taça da Liga (…) e estamos a crescer como equipa sabendo que isto é mais rápido com vitórias e dando confiança aos jogadores”.

Pako Ayestarán (treinador do Tondela): “A primeira parte foi bem conseguida, porque esperávamos e tivemos o controlo de jogo, seguimos com a bola com certa fluidez, contactámos rápido com os avançados, tivemos entradas pelos corredores laterais, tivemos cruzamentos e chegámos à grande área com três quatro jogadores.

Mas não tivemos lucidez no último passe, não tivemos a capacidade de acertar as decisões e fruto de não sermos eficazes corremos o risco de pagar e foi o que aconteceu no segundo tempo.

Acho que tivemos pressa para equilibrar um jogo que pensámos que era nosso e fruto dessa precipitação, quiçá perdemos um pouco de lucidez e a partir daí tudo mudou. Com o segundo [golo] e a expulsão já foi muito difícil, mas estou muito contente com a equipa que, inclusive com 10 jogadores não perdemos a coragem no jogo e fomos à frente.

[Sobre a titularidade pela primeira vez no campeonato do guarda redes Joel Sousa] Pedro [Trigueira] não estava totalmente recuperado e era um risco se jogasse e o plantel já demonstrou que se pode confiar em todos os jogadores e Joel [Sousa] já demonstrou que se pode confiar nele e é uma aposta no futuro também.

Neste jogo tivemos iniciativa, fomos pró-ativos e, por momentos, com uma pressão muito alta jogámos em campo contrário o que procuramos”.

Continuar a ler

Futebol

“Temos de mudar rapidamente para voltarmos a ser o que já fomos”

João Pedro Sousa

em

Foto: DR

Declarações após o jogo Paços de Ferreira – Famalicão, que os pacenses venceram por 2-0, da oitava jornada da I Liga de futebol:

– João Pedro Sousa (treinador do Famalicão): “Falhou-nos muita coisa. Sabíamos que íamos encontrar uma equipa muito competente, organizada e com um excelente treinador, perdemos bem e devemos ter a noção e a coragem de perceber que temos de mudar rapidamente para voltarmos a ser o que já fomos, pois de outra forma vamos ter sérios problemas.

Também deveríamos ter tido a capacidade para criar desequilíbrios e houve demasiados passes errados, receções falhadas, a nossa agressividade teria de ser outra, nunca fomos agressivos com e sem bola. Assim torna-se complicado contra qualquer adversário.

[Sobre as ausências] O Ruben Lameiras, nos últimos jogos, antes da paragem da seleção, já tinha jogado com uma pequena lesão. Arriscámos e agravámos a lesão. Continua a recuperar e não quisemos arriscar novamente. O Vaná teve um contacto direto com um positivo covid e seguimos todas as regras. Estará em isolamento nos próximos 14 dias. O Queirós deu positivo ao teste para covid antes do jogo e está a cumprir as regras da DGS.”

– Pepa (treinador do Paços de Ferreira): “O Famalicão foi uma equipa que nos causou dificuldades, mas baixámos o bloco e mantivemos as linhas juntas, o que nos permitiu controlar as várias fases do jogo.

O jogo teve duas partes distintas: na primeira dominámos na posse e no volume ofensivo, na segunda, por mérito do Famalicão, baixámos as linhas, mas, ainda assim, criámos as melhores oportunidades, pelo Luther, João Amaral e Tanque.

[Sobre uma eventual presença na fase de grupos da Taça da Liga] Não falam de nós, por um lado é bom, porque dá para picar os jogadores. Vamos pela calada e acreditamos. Estamos focados nesse curto objetivo e ambicionamos muito lá chegar. A partir do momento que é possível sonhar, vamos sonhar com isso. Se não conseguirmos, parabéns a quem lá chegar”.

Continuar a ler

Futebol

Vitória ‘conquista’ Tondela e sobe ao quinto lugar da Liga

I Liga

em

Foto: DR

André André e Bruno Duarte deram hoje três pontos ao Vitória SC em Tondela (2-0), em jogo da oitava jornada da I Liga de futebol, com os vimaranenses a subirem provisoriamente ao quinto lugar.

André André inaugurou o marcador aos 58 minutos, na marcação de uma grande penalidade, e cinco minutos depois Bruno Duarte fez o resultado final de uma partida que o Tondela terminou com 10, depois da expulsão de Salvador Agra, aos 73.

Numa primeira parte equilibrada, o Tondela teve mais lances de perigo, com Salvador Agra, aos 11 minutos, a rematar cruzado à baliza de Bruno Varela com a bola a passar perto do poste direito.

Tomislav Strkalj e Rafael Barbosa também protagonizaram momentos de perigo no Estádio João Cardoso, mas os remates saíram ao lado do poste direito ou direto às mãos de Bruno Varela.

O Vitória também dispôs de algumas oportunidades, com Rochinha, aos sete minutos, rematar para as mãos de Joel Sousa.

O marcador foi inaugurado através de uma grande penalidade provocada por Yohan Tavares, aos 58 minutos. Na marcação, André André rematou para a direita, com Joel Sousa a cair para a esquerda.

Cinco minutos depois, o Vitória aumentou a vantagem no marcador, com Bruno Duarte a surgir na cara de Joel Sousa e a rematar para o fundo da baliza.

A equipa da casa ficou em inferioridade numérica, depois de Artur Soares Dias mostrar o cartão vermelho a Salvador Agra, por uma entrada violenta sobre o antigo jogador do Tondela Pepelu.

Com as várias substituições, o jogo ganhou alguma velocidade nos 25 minutos, e o ‘auriverde’ Souleymane Anne, acabado de entrar em campo, esteve perto de marcar, mas Bruno Varela evitou o golo.

Minutos depois foi Joel Sousa que evitou que Noah, também recém-entrado em campo, marcasse.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio João Cardoso, em Tondela.

Tondela – Vitória SC, 0-2.

Ao intervalo: 0-0.

Marcador:

0-1, André André, 58 minutos (grande penalidade).

0-2, Bruno Duarte, 63.

Equipas:

– Tondela: Joel Sousa, Jhon Murillo (Bebeto, 68), Abdel Medioub (João Mendes, 68), Yohan Tavares, Enzo Martinez, Salvador Agra, João Pedro (Jaume Grau, 76), Pedro Augusto, Filipe Ferreira, Tomislav Strkalj (Souleymane Anne, 68) e Rafael Barbosa.

(Suplentes: Pedro Trigueira, Bebeto, Jota, Jaquité, Jaume Grau, João Mendes, Mohamed Khacef, Telmo Arcanjo e Souleymane Anne).

Treinador: Pako Ayestarán.

– Vitória SC: Bruno Varela, Falaye Sacko (Maddox, 76), Abdul Mumin, Jorge Fernandes, Sílvio, André André, Pepelu, André Almeida (Miguel Luís, 70), Rochinha (Ricardo Quaresma, 75), Bruno Duarte (Noah, 82), Edwards.

(Suplentes: Matous Trmal, Suliman, Ricardo Quaresma, Mensah, Maddox, Lyle Foster, Noah, Miguel Luís e Janvier)

Treinador: João Henriques.

Árbitro: Artur Soares Dias (AF Porto).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para João Pedro (47 minutos), André Almeida (54) e Maddox (90+2). Cartão Vermelho para Salvador Agra (73).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido a pandemia de covid-19.

Continuar a ler

Populares