Seguir o O MINHO

Vila Verde

Um mar de gente, fé e devoção pelo padroeiro dos agricultores na Rota das Colheitas em Vila Verde

Aberta a época em que se colhe dos campos as dádivas da terra, a Carvalhosa foi o palco para três dias consecutivos de alvoroço.

em

Foto: Divulgação

O mês de setembro chega ao fim, mas antes a Rota das Colheitas, em Vila Verde, não deixou passar a emblemática festa em honra de Santo Isidro, o padroeiro dos agricultores. Aberta a época em que se colhe dos campos as dádivas da terra, a Carvalhosa foi o palco para três dias consecutivos de alvoroço.

A programação da iniciativa estendeu-se de sexta a domingo, 28 a 30 de setembro, com a realização de celebrações religiosas, música popular e vários momentos de intensa alegria.

Foto: Divulgação

Como já é habitual, o ponto alto das festividades apareceu com a majestosa procissão, no domingo à tarde, que trouxe um mar de gente, cor e devoção ao lugar da Carvalhosa, na freguesia de Vila Verde.

Um fim de semana recheado de música tradicional

Logo pela manhã do primeiro dia, o lugar da Carvalhosa deu sinais do ambiente de diversão que aí vinha, com música gravada a ecoar por todo lado.

Com o terceiro disco nas mãos, o grupo Amigos da Paródia subiu ao palco depois do jantar para mostrar ao público a força da música popular com o som das concertinas e cavaquinhos, entre outros instrumentos.

O primeiro espetáculo de pirotecnia aconteceu no final da noite com várias pessoas a admirar.

O dia seguinte também começou com música gravada e, mais tarde, o recinto recebeu a energia do grupo Top5. Um baile que contou com a atuação de vários membros de diferentes gerações e um reportório que cativou a atenção dos espectadores. Por volta da 1:00 da manhã, deu-se a segunda sessão de fogo-artifício.

Procissão em Honra de Santo Isidro foi um dos momentos altos

Foto: Divulgação

No último dia, domingo, a programação estendeu-se com mais atividades que motivaram momentos repletos de boas energias.

Primeiro deram-se as comemorações eclesiásticas, com a missa cantada por o Grupo Coral de Vila Verde e a oração e sermão em honra de Santo Isidro.

Foto: Divulgação

O auge das festividades chegou com a majestosa procissão, acompanhada com a fanfarra do concelho e de vários andores floridos, com o destaque para o andor de Santo Isidro que além das flores levava também produtos do campo. Uma ação religiosa que moveu várias pessoas em devoção.

Foto: Divulgação

O espírito de boa disposição permaneceu durante a noite com três grupos de folclore. Pelo palco passou o grupo folclórico de Vila Verde, em representação da casa, depois o rancho folclórico de Corredoura Guimarães e, por fim, o rancho folclórico da Universidade do Minho (Braga), composto maioritariamente por jovens estudantes.

Foto: Divulgação

O encerramento das festividades deu-se com a grandiosa sessão de artifício.

Inserida na programação turística-cultural Na Rota das Colheitas, do Município de Vila Verde, a Festa em honra de Santo Isidro foi organizada pela comissão de festas e apresentou-se novamente como um momento de especial importância por se tratar da figura divina que protege os agricultores e as colheitas.

Anúncio

Braga

UMinho quer ajudar a puxar crianças ciganas para a escola – e, em Vila Verde, já está a conseguir

Projeto que procura a “inclusão emancipada”, ao colocar o aluno “no centro das atenções”, está a ser testado num agrupamento escolar de Vila Verde

em

Foto: Ilustrativa / DR

O projeto “Rise”, aplicado num agrupamento escolar de Vila Verde, “conseguiu” diminuir o absentismo e insucesso escolar de alunos ciganos ao “inverter” o paradigma Ensino/ Apendizagem, procurando uma “inclusão emancipada” ao colocar o aluno “no centro das atenções”.

Em declarações à Lusa, a professora da Universidade do Minho e coordenadora do programa, RISE – Roma Inclusive School Experiences”, Maria José Casa-Nova, explicou que o projeto assenta em três pilares: articulação entre famílias e escola, interculturalidade e diálogo, formação de professores e articulação curricular.

Com base neste projeto, que teve início em 2018 e com data prevista para terminar em março de 2020, pretende-se que seja feito um ‘booklet’ de boas práticas para serem seguidas noutras escolas frequentadas por crianças ciganas e de outras minorias socioeconómicas, sendo que o “Rise” foi aplicado no pré-escolar, primeiro e segundo ciclo.

“Mais do que resultados quantitativos deste tipo de projetos é preciso retirar resultados qualificativos. Se por um lado é possível quantificar um menor abandono escolar e taxas de insucesso a diminuir, por outro é preciso salientar esses resultados foram conseguidos pela inversão do paradigma Ensino/ Aprendizagem para Aprendizagem/Ensino, colocando o aluno como o centro das atenções na sala de aula”, explicou a docente da Universidade do Minho e também membro do Observatório das Comunidades Ciganas, Maria José Casa-Nova

Para aquela “inversão”, os professores incluídos no projeto usaram “dispositivos pedagógicos” para levar os alunos a aprender as matérias escolares através do uso de mecanismos que fizeram deles “os protagonistas” das aulas.

“Por exemplo, foi pedido que levassem materiais para construir casas e nelas colocar aquilo que eles têm em casa deles. Neste exercício foi possível ver a multiculturalidade entre as crianças envolvidas e evidenciar as diferenças mas de forma positiva, enquanto aprendiam noções de matemática, meio-físico e português”, apontou a investigadora.

Quanto ao primeiro dos pilares referidos por Maria José Casa-Nova, a participação das famílias nas atividades e dinamização escolar, a investigadora disse ser possível concluir que “os pais e familiares das crianças ciganas aderiram e entraram em diálogo com os pais das outras crianças, que se mostraram cada vez mais recetivos às suas ideias e forma de participar no contexto escolar”.

“Conseguiu-se criar uma rede de sociabilidade sem que tenha havido má receção de nenhuma das partes”, salientou.

No segundo pilar, a formação dos professores, a investigadora apontou a “boa recetividade às ações de formação e o bom entendimento por parte dos docentes da inversão da equação Ensino/ Aprendizagem”.

O terceiro pilar, a articulação curricular, “foi aquele do qual mais resultados qualitativos foi possível retirar com o uso e construção dos dispositivos pedagógicos”.

Para Maria José Casa-Nova uma das “mais-valias” do projeto é ter tornado possível “incutir nas crianças, desde cedo, a consciência o não uso de práticas de desigualdade de género, trabalhar com elas para que percebam que homem e mulher podem fazer as mesmas coisas e que estão em igualdade de circunstâncias.

A coordenadora do “Rise”, embora reconhecendo que “estas alterações de mentalidades não acontecem num ano, nem em dois ou três”, salientou que “por algum lado tem que começar e ao começar desde cedo nos mais novos permite que eles levem estas ideias para casa e as comecem também a difundir e aplicar na sua comunidade”.

Por isso, Maria José Casa-Nova fala em “inclusão emancipada”: “Grande parte destas crianças, como outras noutros contextos socioeconómicos de descriminação, se não forem à escola buscar ferramentas de educação não as vão ter em lado nenhum. Por isso a escola tem que agir e formar ao mesmo tempo, trabalhando de forma a que cada sujeito possa fazer o seu caminho de emancipação”, explicou.

Os resultados do projeto, aplicado também em Itália e na Eslovénia, financiado pelo programa Direitos, Igualdade e Cidadania da Comissão Europeia, vão hoje ser apresentados na Universidade do Minho.

ATUALIZAÇÃO

Governo quer replicar programa da UMinho que quer puxar crianças ciganas para a escola

Continuar a ler

Braga

Suspeito de abusar de enteadas detido pela PJ em Vila Verde

Abuso sexual de criança

em

Foto: Ilustrativa / Arquivo

A Polícia Judiciária (PJ) de Braga anunciou hoje a detenção de um homem de 48 anos, residente em Vila Verde, por alegado abuso sexual de duas enteadas desde 2015 até à atualidade.

Em comunicado, a PJ refere que o homem foi detido fora de flagrante delito e é “suspeito da eventual prática de vários crimes de abuso sexual de crianças”.

O detido vai ser presente a tribunal para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação.

Continuar a ler

Braga

Prisão efetiva para cinco examinadores de condução de centro de exames de Vila Verde

Caso com 47 condenados, envolveu escolas de Vila Verde, Barcelos, Ponte de Lima, Vizela e Guimarães. Tribunal da Relação reduziu as penas a três deles

em

Penas de prisão efetiva confirmadas pelo Tribunal da Relação de Guimarães. Os juízes decretaram-na, para cinco ex-examinadores do centro de exames da ANIECA- Associação Nacional dos Industriais de Condução, que existia em Vila Verde. Por corrupção nos exames, teóricos e práticos, para obtenção de cartas de condução.

ANIECA. Foto: O MINHO / Arquivo

Em princípio, apenas o examinador, Joaquim Oliveira, pode recorrer para o Supremo Tribunal de Justiça, dado que a sua pena é de oito anos. Aos outros, aplica-se o princípio da dupla conforme, ou seja, o de que a decisão se torna definitiva quando é aplicada duas vezes.

Aquele Tribunal da Relação diminuiu as penas a Joaquim Oliveira, de dez para oito anos, a José Miguel Mota, de seis para cinco anos e seis meses, e a João Abreu, de sete para cinco anos e seis meses.

Os juízes mantiveram as penas a 25 outros condenados em primeira instância no Judicial de Braga, não alterando as de prisão efetiva, dos examinadores, João Ribeiro, (quatro anos e três meses) e João Cancela (quatro e nove meses).

Estes cinco arguidos ficam, ainda, obrigados a entregar ao Estado um total de 730 mil euros.

47 condenados

Em 2018, o Tribunal condenou, ao todo, 47 arguidos, 42 com penas suspensas,entre examinadores, donos de escolas de condução, instrutores e alunos. Estes arguidos ficaram obrigados a entregar quantias em dinheiro – de cinco a mil euros – a diversas instituições sociais.

O Coletivo de Juízes sentenciou, ainda, um agente da GNR, que apanhou dois anos e meio por alegadamente ter pedido favores para três alunos. Houve, ainda, dois arguidos absolvidos.

O tribunal considerou provado que os alunos eram auxiliados pelos examinadores, a troco de quantias monetárias que, em média, variavam de 1.000 a 1.500 euros, no caso dos exames teóricos, e de 100 a 150 euros nos práticos.

Mas havia quem pagasse mais, como foi o caso do futebolista Fábio Coentrão, que desembolsou 4.000 euros, tal como o próprio testemunhou em tribunal. O caso envolveu escolas de Vila Verde, Barcelos, Ponte de Lima, Vizela e Guimarães, sendo que os factos decorreram entre 2008 e 2013.

Continuar a ler

Populares