Seguir o O MINHO

Atletismo

Rosa Mota vence mini-maratona de Macau pelo segundo ano consecutivo

Atletismo

em

Foto: Divulgação

A portuguesa Rosa Mota venceu hoje, pelo segundo ano consecutivo, a mini-maratona de Macau, ao correr 5.200 metros em 19:31 minutos, melhorando a marca do ano passado.

“Estava em melhor forma do que estava no ano passado”, afirmou à Lusa, sorridente, a maratonista de 61 anos, depois de ter batido em 02:31 minutos o tempo alcançado em 2018.

“O ano passado ainda tive uma atleta atrás de mim, este ano não, competi comigo própria e a tentar apanhar alguns jovens masculinos que estavam à minha frente”, sublinhou a ex-campeã do mundo e da Europa.

A ex-campeã olímpica, que foi convidada pela organização da 38.ª Maratona Internacional para ser ‘embaixadora’ anti-doping, afirmou que ainda que tem vontade para continuar a correr e que não perdeu o gosto pela competição.

“É o gosto e o prazer que sempre tive pela corrida, continuo a mexer-me e adoro correr e gosto muito de competir também”, frisou.

A mini-maratona, assim como a meia-maratona, integraram o programa da 38.ª Maratona Internacional de Macau.

A atleta portuguesa Joana Fonseca terminou a maratona na 14.ª posição. Na meia-maratona, Vítor Oliveira garantiu o 5.º posto e a atleta Carla Martinho terminou a prova pelo segundo ano consecutivo em 3.º lugar.

“Macau, por acaso, tem-me corrido bem, tenho sido muito feliz em Macau”, disse à Lusa Carla Martinho.

“Este ano ainda por cima com melhor tempo do que no ano em que ganhei cá (2015), ou seja, tenho de estar muito satisfeita. Muito feliz”, sublinhou a atleta portuguesa.

Na meia-maratona, destaque ainda para atleta de Angola Adelaide Machado que terminou o 3.º lugar, para a moçambicana Zeferina Lundo que concluiu a prova no 5.º lugar e para a cabo-verdiana Sandra Teixeira que alcançou a 8.ª posição.

Já nos masculinos, o cabo-verdiano Samuel Freire e o moçambicano Donaldo Machado terminaram a meia-maratona no 4.º e 8.º lugar, respetivamente.

O atleta da Etiópia Tafese Abebe e a queniana Esther Karami venceram as provas masculinas e femininas da maratona.

Anúncio

Atletismo

Meia Maratona e Maratona de Lisboa adiadas para 2021

Pandemia

em

Foto: DR / Arquivo

A Meia Maratona e a Maratona de Lisboa foram adiadas para 2021, confirmou hoje à Lusa Carlos Móia, presidente do Maratona Clube de Portugal, considerando a decisão “pragmática” e de “grande responsabilidade social”.

“O Maratona foi sobretudo pragmático ao tomar esta decisão. Temos uma grande responsabilidade social, quer com as pessoas que trabalham no Maratona quer com as pessoas que vão correr a prova, e por isso entendemos que enquanto não houver uma terapêutica ou a vacina que tanto ambicionamos, juntar, 100, 200, 1000, 10 mil ou 30 mil pessoas não é seguro”, explicou Carlos Móia, em entrevista à agência Lusa.

O organizador das provas assumiu o enorme prejuízo, que revela que para a cidade de Lisboa pode ascender aos 25 milhões de euros, mas destaca que todos os parceiros concordaram e elogiaram este desfecho, que considera ser uma “atitude de grande responsabilidade social”.

A Meia Maratona de Lisboa, que parte da Ponte 25 de Abril, depois de ter sido já reagendada, estava marcada para 05 de setembro e a Maratona de Lisboa, cuja meia maratona simultânea começa na Ponte Vasco da Gama, para 15 de outubro.

As novas datas são 09 de maio de 2021 para os 21,0975 quilómetros na capital lisboeta, enquanto a Maratona está marcada para 17 de outubro. Pelo meio, em 06 de junho, terá lugar a Corrida da Mulher.

Para quem já estava inscrito nas provas deste ano, o presidente do Maratona Clube de Portugal explicou que estão automaticamente inscritos para 2021, mas têm ainda outras possibilidades.

“As provas estavam completamente esgotadas e as pessoas estão inscritas automaticamente para 2021. Mas, ainda assim, oferecemos a possibilidade de acederem a um ‘voucher’ virtual que dá a possibilidade de correr em 2021 ou em 2022, assim como poder ceder o dorsal a outra pessoa sem qualquer custo”, garantiu.

Quanto ao regresso à estrada para os milhares de corredores, Carlos Móia admitiu que “as pessoas estão ansiosas” por esse momento, mas que precisam de o fazer “sem medo” e que esta atesta este sentimento.

Com a declaração de pandemia, em 11 de março, inicialmente alguns eventos desportivos foram disputados sem público, mas, depois, começaram a ser cancelados, adiados – nomeadamente os Jogos Olímpicos Tóquio2020, o Euro2020 e a Copa América – ou suspensos, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais de todas as modalidades.

Os campeonatos de futebol de França e Países Baixos foram,entretanto, cancelados, enquanto países como Alemanha, Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal preparam o regresso à competição.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 267 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Portugal contabiliza 1.105 mortos associados à covid-19 em 26.715 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado na quinta-feira.

Continuar a ler

Atletismo

Mundiais de atletismo de 2021 remarcados para 2022

Covid-19

em

Foto: DR

Os Mundiais de atletismo de 2021 foram remarcados para 15 a 24 de julho de 2022, nos Estados Unidos, após o adiamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio2020 para 2021 devido à pandemia da covid-19, foi hoje anunciado.

As novas datas foram definidas de forma a não colidirem com as competições previstas para julho e agosto de 2022, nomeadamente os Jogos da Commonwealth de Birmingham 2022 e os Campeonatos da Europa Multidesportos de 2022, em Munique.

Os Mundiais, que vão decorrer em Eugene, no Oregon (Estados Unidos), foram agendados originalmente para 06 a 15 de agosto de 2021, mas foram remarcados para o ano seguinte para evitar sobreposição com os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio2020, reagendados para 23 de julho a 08 de agosto de 2021 e 24 de agosto a 05 de setembro de 2021, respetivamente.

O novo cronograma, de acordo com os promotores, irá evitar um conflito direto entre qualquer um desses grandes eventos e, com uma programação cuidadosa, garantirá que os atletas possam competir em até três competições de classe mundial.

O presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), o britânico Sebastian Coe, considera que 2022 será um ano de benesse para os adeptos em todo o mundo, que durante seis semanas irão usufruir de atletismo de primeira classe.

“Não teríamos escolhido realizar três grandes campeonatos consecutivos, mas isso nos dará uma oportunidade única de promover a modalidade e as suas estrelas ao redor do mundo por um período de seis semanas”, adiantou Sebastian Coe.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 82 mil. Dos casos de infeção, cerca de 260 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro de 2019, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 380 mortes, mais 35 do que na véspera (+10,1%), e 13.141 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 699 em relação a terça-feira (+5,6%).

Dos infetados, 1.211 estão internados, 245 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 196 doentes que já recuperaram.

Continuar a ler

Atletismo

Covid-19: Meia-maratona de Braga adiada para 06 setembro

Coronavírus

em

Foto: Divulgação/CM Braga/Arquivo

A meia-maratona de Braga, prevista para 22 de março, foi adiada para 06 de setembro, devido ao surto de covid-19, anunciou, esta segunda-feira, a organização Runporto.

Além da meia-maratona, também a corrida do dia de Pai, agendada para domingo, foi igualmente adiada para 05 de julho, assim como a prova das crianças, prevista para 29 de março, mas ainda com data a definir.

Através de um comunicado, a organização reforçou que foi “uma medida difícil de tomar, sublinhando que a “segurança é uma prioridade”.

“Cremos que não se encontram reunidas as melhores condições para todos os corredores, famílias e crianças participem nos eventos em segurança”, pode ler-se na nota publicada.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 3.800 mortos.

Cerca de 110 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países, e mais de 62 mil recuperaram.

Portugal regista 30 casos confirmados de infeção, segundo o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado no domingo.

Continuar a ler

Populares