Rodagem do filme sobre António Variações esta semana em Amares - O MINHO
Redes Sociais

Rodagem do filme sobre António Variações esta semana em Amares

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Braga

Rodagem do filme sobre António Variações esta semana em Amares

A rodagem do filme acerca de António Variações começa esta semana, na sua terra natal, a freguesia de Fiscal, em Amares, segundo foi anunciado hoje, na Câmara Municipal de Amares, na presença do ator Sérgio Praia, que interpreta a personagem da multifacetada figura amarense, António Ribeiro (Variações), cantor, barbeiro e acima de tudo agitador.

O presidente da Câmara Municipal de Amares, Manuel Moreira, não escondia o orgulho de finalmente acolher toda a equipa de filmagens, ao lado de Sérgio Praia (já caraterizado como António Variações), do seu realizador João Maia e do produtor, Fernando Vendrell.

Vídeo: Joaquim Gomes/ O MINHO

Isidro Araújo, vice-presidente da Câmara Municipal de Amares, responsável pelo Pelouro da Cultura, é natural da freguesia de Carrazedo, a única localidade do concelho de Amares onde António Variações atuou, também esteve na apresentação das filmagens, bem como Augusto Macedo, o presidente da Junta de Freguesia de Fiscal, terra onde nasceu António Variações, que tem um busto à entrada desta mesma freguesia banhada pelo Rio Homem.

A boa receção das gentes amarenses a toda a equipa de filmagens foi destacada pelo ator, realizador e produtor, sendo que o próprio intérprete, Sérgio Praia, tem um percurso entre a sua vida real, algo análoga à de António Variações, no que tem de autodidata e de cedo ter partido de um meio mais pequeno para uma grande cidade.

Estória do filme

Foi revelada já a sinopse do filme, que está a despertar grande interesse a nível nacional, sendo dos filmes mais aguardados para exibição prevista a partir do próximo ano de 2019.

António Variações é o artista português mais popular do momento. Tem mais de 100 espetáculos marcados para o Verão, o seu primeiro disco Anjo da Guarda é um fenómeno de vendas e acaba de fazer o seu concerto mais apetecido: na Aula Magna e sendo a primeira parte de Amália Rodrigues, o seu maior ídolo.

Foto: Joaquim Gomes /O MINHO

Foto: Joaquim Gomes /O MINHO

Foto: Joaquim Gomes /O MINHO

Foto: Joaquim Gomes /O MINHO

Foto: Joaquim Gomes /O MINHO

António Rodrigues Ribeiro é o quarto filho de uma numerosa família de gente do campo, da aldeia de Fiscal, no Minho, perto de Braga.

Aqui ouve pela primeira vez a voz de Amália Rodrigues e tudo se transforma. A sua voz tem um poder inebriante no pequeno António e em todos os que a ouvem. A música é mais que as classes sociais e as barreiras culturais, ultrapassa tudo. Basta cantar a música e as palavras certas.

Com 12 anos, António parte para Lisboa e vinte anos depois António é barbeiro em Amesterdão e compõe canções com a ajuda de um órgão Casio comprado em segunda mão e um gravador portátil onde vai gravando o que compõe. Atrás de si traz uma vida de viagens; de Lisboa para Luanda, onde foi radiotelegrafista durante a guerra.

E no regresso a Lisboa, pouco mais fez do que esperar, até poder sair do país e ir para Londres. Enquanto espera conhece uma das pessoas mais importantes da sua vida, Fernando Ataíde.

António vai para Londres, mas volta depois para Lisboa, onde começa uma relação com Ataíde, que na altura é sócio do Salão Ayer, o mais famoso cabeleireiro de Lisboa. António começa a trabalhar no Ayer, mas o ambiente snob oprime-o e António parte abruptamente para Amesterdão onde decide ficar.

O que falta a António

Adora a cidade e todo o ambiente cultural. António quer fazer parte desse mundo, identifica-se com ele, mas a barreira da língua é demasiado grande para as suas canções triunfarem. Falta algo a António; falta a sua forma de expressão.

Em 1977 regressa a Portugal para o enterro do pai e decide tentar fazer alguma coisa com as suas canções.
Rapidamente consegue um contrato com a Valentim de Carvalho, mas a editora tem demasiados artistas e não sabe o que fazer a António nem o que fazer com a sua música ou onde encaixá-la. António tem que esperar.

Foto: Joaquim Gomes /O MINHO

O filme centra-se neste período. António não consegue esperar e começa às suas custas a tentar construir uma carreira. Desde anúncios nos jornais, a músicos amadores, António não desiste nunca. Embora a sua carreira de sucesso tenha tido apenas ano e meio António torna-se “um artista de Lisboa” muito antes disso.

Durante os cinco anos que passaram até se tornar famoso, António foi um anónimo, mas era também o menos anónimo, de Lisboa. A sua forma de vestir, a sua barbearia de charme, que, entretanto, inaugura, a sua procura pelo espetáculo, tornam-no numa personagem que na movida da noite, todos sabem quem é.

O que não sabem é que longe das luzes, António vai ensaiando com músicos amadores as músicas que ainda hoje, todos sabemos de cor.

O regresso de António a Lisboa, cria-lhe um novo conflito que o consome, paralelo à sua saga como músico. Ataíde que ficara desolado com a sua partida intempestiva, casou-se com Rosa Maria e juntamente com os colegas do Ayer e a sua mulher abre a discoteca mais conhecida da época, o Trumps.

António acaba por conhecê-los e por ser uma personagem tão fora do comum começa a frequentar assiduamente a discoteca, acabando por fazer lá o seu primeiro espetáculo, a convite de Ataíde. Um concerto que quem viu, diz que nunca mais viu nada assim. Esse espetáculo que marca o início da sua carreira artística, marca também o fim do casamento de Ataíde. Este decide voltar para António. Mas António está agora acostumado à vida solitária.

Compõe pela noite dentro, e passa a vida em ensaios e sessões de gravação. Pouco depois fica famoso e desaparece pelo país a cantar. Ataíde desiste e fica sozinho. Três anos depois desse mítico concerto, no início de 1984, António procura Ataíde. Está diferente, mais velho, mais magro, mais calmo. António está a gravar o seu último disco e quer dedicá-lo a Ataíde.

Nos últimos dois meses de vida, António leva Ataíde à sua terra natal. Quando finalmente cai na cama, é com Ataíde que passa a última semana antes de ir para o hospital. Ataíde sabe qual é a doença de António. No cabeleireiro já se falava dessa doença mortal que atormentava a comunidade homossexual. Ataíde não diz a António o que é que ele tem. Guarda essa informação, por uma semana com António. Morrerá um ano depois com sida.

O filme termina num corredor de hospital; a voz de António sai de uma casa de banho. As pessoas, vão juntando-se à porta para ouvirem António e o seu pequeno Casio, enquanto compõe Quero Viver.

Mais Braga