Seguir o O MINHO

País

Roche apresenta testes de PCR para varíola dos macacos

Saúde

em

Foto: DR / Arquivo

A Roche apresentou esta quarta-feira testes de PCR para detetar o vírus da varíola dos macacos. A empresa farmacêutica suíça e a sua subsidiária TIB Molbiol desenvolveram três kits diferentes.

O primeiro deteta o vírus no grupo mais amplo de ortopoxvírus. O segundo kit é capaz de detetar apenas os vírus da varíola-dos-macacos, enquanto o último deteta os dois simultaneamente.

“A Roche desenvolveu muito rapidamente um novo conjunto de testes que detetam o vírus da varíola-dos-macacos e ajudam a acompanhar a sua disseminação epidemiológica”, disse o chefe de diagnóstico Thomas Schinecker.

“As ferramentas de diagnóstico são cruciais para responder e controlar os desafios emergentes de saúde pública à medida que avançam nas medidas de resposta, como esforços de rastreamento e estratégias de tratamento”, acrescentou.

Segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal já confirmou 49 casos do Monkeypox, a maioria na região de Lisboa e Vale do Tejo, mas também há registo de casos nas regiões Norte e Algarve.

A DGS continua a acompanhar a situação a nível nacional em articulação com as instituições europeias.

A vacina contra a varíola, assim como antivirais e a imunoglobulina ‘vaccinia’ (VIG), podem ser usados como prevenção e tratamento para a Monkeypox, uma doença rara.

Fora da Europa, o vírus já foi detetado nomeadamente nos Estados Unidos, Israel, Canadá e Austrália.

A doença, que tem o nome do vírus, foi identificada pela primeira vez em humanos em 1970 na República Democrática do Congo, depois de o vírus ter sido detetado em 1958 no seguimento de dois surtos de uma doença semelhante à varíola que ocorreram em colónias de macacos mantidos em cativeiro para investigação – daí o nome “Monkeypox” (“monkey” significa macaco e “pox” varíola).

EM FOCO

Populares