Seguir o O MINHO

Região

Risco de incêndio vai aumentar nos próximos dias

em

Foto: DR/Arquivo

O risco de incêndio vai aumentar nos próximos dias em vários distritos de Portugal continental, acompanhando a subida das temperaturas máximas que em algumas regiões podem chegar perto dos 30 graus Celsius, segundo o IPMA.

De acordo com informação disponível hoje no ‘site’ do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Terras de Bouro, Vieira do Minho, Póvoa de Lanhoso, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto e Fafe apresentam “risco moderado” no domingo.

Primavera chega e traz calor: Termómetros podem chegar aos 27 graus no fim de semana

Na segunda-feira, os mesmos concelhos apresentam risco moderado, mas também outros como Melgaço, Arcos de Valdevez e Ponte da Barca.

Na terça-feira também apresentam risco moderado os concelhos de Caminha, Paredes de Coura, Vila Verde, Amares, Braga e Guimarães.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o “reduzido” e o “máximo”.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para os próximos dias um aumento dos valores da temperatura máxima em Portugal continental.

A previsão aponta para céu geralmente limpo, vento em geral fraco do quadrante leste, soprando moderado no Algarve, acentuado arrefecimento noturno e subida da temperatura máxima.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) registou entre 01 de janeiro e 17 de março 1.344 incêndios, que provocaram 1.608 hectares de área ardida.

Segundo a ANPC, a maior parte da área ardida provocada por estes incêndios de inverno foi em matos, 1.192 hectares, seguido de povoamentos (382) e de agricultura (34).

A Proteção Civil indica também que, até 17 de março, se registaram mais fogos nos distritos de Vila Real (201), Viseu (190) e Porto (185), mas “em qualquer um dos casos, os incêndios são maioritariamente de reduzida dimensão”, não ultrapassando um hectare.

Os 1.344 incêndios que deflagram em pleno inverno foram combatidos por 13.056 operacionais e envolveram 3.873 veículos e 212 meios aéreos.

Anúncio

Barcelos

IPCA já produziu e distribuiu 10 mil viseiras em pouco mais de uma semana

Covid-19

em

Foto: Divulgação/ IPCA

O Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) já produziu e distribuiu dez mil viseiras de proteção individual para os hospitais e unidades de saúde do Norte, bem como a outras entidades da área social e da proteção civil, foi hoje anunciado.

Em comunicado enviado a O MINHO, a instituição aponta que “esta medida surge no âmbito da responsabilidade social da Instituição”.

Vítor Carvalho, diretor da Escola Superior de Tecnologia, referiu que a escola tem “procurado canalizar os seus recursos para a criação de soluções que ajudem a minimizar o impacto da covid-19 junto da sociedade, tendo sido o fabrico de viseiras, um dos projetos em curso”.

João Vilaça, diretor do Centro de Investigação em Inteligência Artificial Aplicada (2Ai) adiantou ainda que “esta ação só foi possível graças à forte cooperação com a indústria da região que a o 2Ai tem, destacando o contributo das empresas Lucemplast, Polipop, Riopele e Adilevel”.

As viseiras foram produzidas nos corredores da instituição, onde estão instaladas as linhas de montagem, com a ajuda dos investigadores e de uma bolsa de voluntários do IPCA, bem como na empresa Lucemplast, que replicou também uma linha de montagem. E foi tudo feito em pouco mais de uma semana.

Fernando Veloso. Foto: Divulgação / IPCA

Fernando Veloso, Investigador do 2Ai declarou que “foram desenvolvidos vários protótipos, inicialmente com recurso a impressão 3D, mas só a migração para um processo de fabrico aditivo permitiu a produção em massa das viseiras.”

O protótipo desenvolvido foi validado por uma equipa clínica do Hospital de Barcelos. As viseiras foram já distribuídas por mais de 70 unidades de saúde e IPSS e Protecção Civil no Norte do país.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Subconcessionária de estaleiros reúne 100 mil euros para hospital de Viana do Castelo

Covid-19

em

Foto: Divulgação / West Sea

A West Sea, subconcessionária dos extintos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), angariou mais de 100 mil euros e está a comprar equipamentos identificados pelo hospital local como “necessidade mais premente” no combate à pandemia covid-19.

Em nota hoje enviada à agência Lusa, a West Sea explicou que “algum material” adquirido com os fundos da campanha “já começou a ser entregue” no hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo.

A angariação de fundos foi iniciada pela subconcessionária dos extintos estaleiros navais de Viana do Castelo, em coordenação com a Câmara de Viana do Castelo, e envolve “os parceiros de negócio”, da empresa do grupo Martifer.

A West Sea revelou que, além do material já entregue à unidade hospitalar, também as encomendas de outros equipamentos foram feitas “de acordo com as necessidades identificadas pela Unidade de Saúde Local de Viana do Castelo (ULSAM)”.

“Esta ação de apoio às necessidades do Hospital de Viana do Castelo é dinâmica e vai manter-se nos próximos tempos, permitindo que os vários parceiros de negócio da West Sea continuem a contribuir, apoiando a população do distrito de Viana do Castelo”, acrescenta a nota.

A ULSAM é constituída por dois hospitais: o de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e o Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima. Integra ainda 12 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, e serve uma população residente superior a 244 mil pessoas, contando com 2.500 profissionais, entre os quais 501 médicos e 892 enfermeiros.

Os ENVC foram extintos em março de 2018, mas encontravam-se em processo de extinção desde janeiro de 2014, data da assinatura, entre o anterior Governo PSD/CDS-PP e o grupo privado Martifer, do contrato de subconcessão dos estaleiros navais até 2031, por uma renda anual de 415 mil euros.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 87 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 280 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito na quarta-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 380 mortes, mais 35 do que na véspera (+10,1%), e 13.141 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 699 em relação a terça-feira (+5,6%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril.

Além disso, o Governo declarou no dia 17 de março o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Continuar a ler

Braga

Cruz Vermelha acolhe os 20 a 30 sem-abrigo que ainda dormem nas ruas de Braga

Câmara preparou pavilhão da escola de Nogueira

em

Foto: O MINHO

Processo deve arrancar esta quinta-feira. As 20 a 30 pessoas sem-abrigo que ainda permanecem nas ruas de Braga passam a ter um espaço de acolhimento, a partir de hoje.

Fonte da Cruz Vermelha de Braga disse a o MINHO que os sem-abrigo (que ainda pernoitam nas ruas da cidade) vão ser recebidos numa estrutura montada, propositadamente, pela Câmara, no pavilhão desportivo da Escola de Nogueira.

Estes cidadãos continuam na rua, em vãos de escada ou zonas de prédios com arcadas como sucede com os das redondezas das piscinas da Rodovia.

Para a abertura, a Segurança Social desbloqueou a verba necessária para pagar a uma empresa de segurança: “sem segurança não se pode abrir”, disse a mesma fonte.

Por outro lado, a Cruz Vermelha já deu formação específica a uma equipa que vai trabalhar com eles.

Foto: O MINHO

Estes cidadãos terão ali direito a cama e a comida, bem como apoio médico, social e psicológico.

No espaço, cuja montagem teve apoio da Câmara Municipal local e da Segurança Social e quem tem capacidade para 30 pessoas, haverá, ainda, locais para higiene pessoal, e uma estrutura para manutenção da segurança.

A Cruz Vermelha tem um outro espaço em funcionamento há vários anos, o Centro de Acolhimento Temporário de Nogueira onde estão, atualmente, 46 utentes em quarentena profilática devido ao aparecimento do Covid-19, num deles.

Continuar a ler

Populares