Seguir o O MINHO

Futebol

Ricardo Soares mantém princípios da época passada focado na evolução do Moreirense

I Liga

em

Foto: DR

O treinador Ricardo Soares admitiu hoje esperar um Moreirense à imagem da última época, apesar das mudanças notadas antes da receção ao Farense, no domingo, em jogo da ronda inaugural da I Liga de futebol.

“Saíram sete jogadores que normalmente faziam parte das escolhas e entraram outros atletas. Apresentámos uma boa organização na pré-época, superior ao normal para esta fase, fruto dos jogadores que já cá estavam. Temos muito a melhorar e cada dia é importante para o crescimento coletivo”, apontou o técnico, em conferência de imprensa.

Os ‘cónegos’ projetam a sétima temporada consecutiva na elite com renovadas esperanças de uma caminhada pacata e ambiciosa, após as duas melhores classificações de sempre, tendo enfrentado um defeso “com especificidades e a fugir ao padrão”, em função da pandemia de covid-19, que veio acrescentar ânsia de competir.

“Tivemos menos tempo, mas um grande sentido de responsabilidade em representar o Moreirense, que habituou as pessoas a fazer bons campeonatos nos últimos anos. O grupo está com enorme vontade de ir a jogo, até pelos fatores que são conhecidos. A pandemia afeta-nos a todos e o futebol é uma libertação para os jogadores”, observou.

A temporada arranca ainda sem adeptos nas bancadas, numa decisão tomada “para o bem comum”, embora contrariando a “beleza do futebol”, trazendo à vila de Moreira de Cónegos o recém-promovido Farense, que assistiu em abril ao cancelamento antecipado da última edição da II Liga e foi dos primeiros clubes a iniciar a preparação de 2020/21.

“Por acaso, contratámos jogadores que estavam há muito tempo parados. O Farense teve muito tempo parado, mas treina há muito mais tempo do que nós e isso pode ser uma desvantagem. Há sempre dificuldades para as equipas imporem o seu estilo no primeiro jogo, mas acredito que a equipa esteja preparada”, afiançou Ricardo Soares.

Diante de um adversário “extremamente organizado”, assente no “​​​​​​​aproveitamento da transição ofensiva e das bolas paradas”, o treinador do Moreirense pretende “vincar uma identidade de forma afirmativa e competente”, sabendo que o plantel “ainda não está no seu melhor” e necessita de adquirir no mercado “competitividade interna superior”.

“O ponto negativo da pré-época é que os jogadores tenham chegado tarde e ainda aguardarmos por outros. O futebol hoje é assim para todos os clubes e não é diferente para nós. Temos de ser moderados, pacientes e não trazer jogadores por trazer. Sei que a direção está atenta e a tentar dotar a equipa de maior competência no futuro”, finalizou.

Ricardo Soares terá de colmatar as ausências dos lesionados Kewin, Sori Mané, Derik Lacerda e Yan e de Nahuel Ferraresi, suspenso por dois jogos, após ter sido expulso na última partida cumprida ao serviço do FC Porto B na temporada anterior.

Moreirense e Farense estreiam-se em 2020/21 no domingo, às 18:30, no Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos, em partida da ronda inaugural da I Liga, que será arbitrada por João Bento, da associação de Santarém.

Populares