Seguir o O MINHO

Braga

Multinacional americana apresenta Braga como exemplo no uso da ‘Internet das coisas’ e elogia autarca

em

Foto (arquivo): DR

Um responsável da empresa Cisco Systems, da área das tecnologias da informação, escreveu um artigo no blogue da multinacional norte-americana onde apresenta “como Braga, Portugal, está a usar a ‘Internet das coisas’ para se tornar numa cidade inteligente”.


Na publicação, Chris Oggerino começa por relembrar o facto de Braga ser uma cidade antiga – “do tempo do Império Romano” -, que atualmente “tem cerca de 140 mil habitantes” [NDR. 180 mil é o número correto de habitantes], em média jovens, recordando a “Capital da Juventude em 2012”.

Na publicação, o engenheiro do estado de Nevada partilha um vídeo que apresenta o caso “inspirador” da cidade dos arcebispos, onde a responsável nacional da empresa e o autarca de Braga, entre outros, dão o seu testemunho.

“Braga, como muitas outras cidades, depende parcialmente do Turismo. As pessoas querem uma cidade limpa. Querem ter uma boa experiência nos transportes públicos e reduzir o trânsito nas ruas. Por isso, querem usar a tecnologia para melhorar o dia-a-dia da população e dos visitantes”, escreve, sustentando que o caso de Braga é um exemplo para as cidades que buscam o mesmo.

“Só porque Braga é uma cidade antiga, isso não significa que não possa ser uma cidade inteligente”, afirma. E acrescenta: “É isso que Ricardo Rio, presidente da Câmara de Braga, está a fazer dela. Ricardo é o tipo de Presidente da Câmara que eu quero para a minha cidade”.

Publicação foi promovida no Twitter, onde recebeu vários “gostos” e “retweets”.

“Ele importa-se com as pessoas e considera que é sua responsabilidade criar melhores condições de vida, conforme demostram as suas ações. Ele faz o que diz”, elogia o fornecedor da autarquia bracarense.

No artigo, é referido o trabalho realizado nos Transportes Urbanos de Braga (TUB).

“Eles têm uma frota de autocarros que estão a ficar velhos. Os autocarros chegavam atrasados, eram desconfortavelmente quentes ou frios, avariavam com passageiros dentro. Isto causaram algumas frustrações aos passageiros”, descreve. “E, estes problemas chamaram a atenção quando se compreendeu que tal afeta o bem estar da cidade. Tornou-se óbvio que seria necessário fazer alguma coisa”, acrescenta.

Braga tem procurado transformar-se numa ‘smart city’ integral através da implementação de projectos como a instalação do Wi-Fi livre no centro histórico, o reforço da eficiência energética de vários serviços públicos municipais ou, ainda, através do reforço da rede de semáforos inteligentes, segundo referiu Ricardo Rio, durante a sessão de abertura do FICIS 2017 – Fórum Internacional das Comunidades Inteligentes e Sustentáveis, em abril do ano passado.

“Braga é actualmente um laboratório natural para acções inovadoras na construção de uma cidade mais inteligente, seja pela acção das universidades, do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia ou das empresas que, cada vez mais, escolhem Braga e os seus centros de competências para desenvolverem projectos inovadores”, disse, na altura, o autarca.

Anúncio

Braga

Jovem pede ajuda à varanda após agressões do namorado em Braga

Agressões

em

Foto: Ilustrativa / DR

Um jovem casal ter-se-à envolvido em agressões mútuas ao início da madrugada desta sexta-feira dentro de um apartamento na cidade de Braga.

A PSP foi chamada a intervir após chamada telefónica dos vizinhos, na Rua dos Lusíadas, junto à Universidade do Minho, segundo conta o Jornal de Notícias.

Na sequência de vários gritos e pedidos de ajuda por parte de uma rapariga, que chegou a estar seminua na varanda enquanto gritava por socorro, a PSP deslocou-se ao local, pondo fim à contenda.

De acordo com a mesma fonte, as agressões terão sido mútuas entre o casal, com um jovem que estaria também no apartamento a ser testemunha da pancadaria.

Apesar de apresentarem escoriações, nenhum dos dois recebeu assistência hospitalar.

A jovem apresentou queixa na esquadra da PSP.

Continuar a ler

Braga

Covid-19: Mais seis bracarenses infetados contabilizados como sendo de Lisboa

Covid-19

em

Foto: DR

Seis bracarenses infetados com o novo coronavírus, ao longo dos últimos dias, foram agora registados pela Direção-Geral de Saúde (DGS) como sendo da área de Lisboa e Vale do Tejo, por residirem atualmente naquela região, por motivos profissionais, apurou O MINHO junto de fonte local da saúde.

Esta mudança nos registos tem sido habitual desde o início da pandemia levando a que os números entre dados divulgados a nível local e nacional não coincidam.

Há também um atraso na colocação de números e a não contabilização de testes efetuados no âmbito laboratorial e que não são inseridos por médicos na plataforma SINAVE, que contabiliza os casos divulgados no relatório diário da DGS. Esses casos derivados no âmbito laboratorial são incluídos no total acumulado de infetados com covid-19 a nível nacional mas não discriminados por concelho.

Segundo a fonte local, registava-se até ás 18:00 horas de quinta-feira, 1.397 casos acumulados de infetados desde o início da pandemia, mais três do que ontem. Destes, 1.297 já estão recuperados, mais um do que ontem, lamentando-se ainda 74 óbitos. Existem, atualmente, 26 casos ativos de covid-19 em todo o concelho de Braga.

Continuar a ler

Braga

Filha denuncia “donativo” de 10 mil euros em 2018 para aceitar idosa num lar de Braga

Corrupção

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

A filha de uma utente do lar de idosos da Irmandade de Santa Cruz, em Braga, denunciou hoje que em 2018 teve de pagar um “donativo” de 10 mil euro por uma vaga, contrariando uma acusação do Ministério Público.

O Ministério Público (MP) acusou um ex-provedor daquela irmandade de “solicitar ou exigir” o pagamento de quantias monetárias para a admissão de utentes para o lar de idosos, mas indicava que este procedimento terminou em 2017, após a entrada do novo provedor.

Em fevereiro de 2018, porém, e segundo contou à Lusa Maria Pereira Reis, a irmandade pediu-lhe um donativo de 10 mil euros como contrapartida de vaga para a admissão da mãe no lar.

“A diretora técnica disse-me que havia vaga para a minha mãe, na condição de aceitar as condições deles. E as condições passavam por fazer um donativo de 10 mil euros, alegadamente destinada a melhorar a qualidade dos serviços prestados”, afirmou.

A Lusa teve acesso ao recibo emitido pela irmandade, que dá conta de um “donativo” de 10.001,54 euros.

Outra condição era o pagamento de uma mensalidade de 700 euros.

A filha manifestou-se convencida de que o seu não deverá ser “nem pouco mais ou menos um caso único”.

Lar supervisionado pela Arquidiocese de Braga cobrava até 40 mil euros por vaga

Adiantou que a família se prepara para avançar com uma queixa no Ministério Público contra a irmandade, por alegados “atropelos constantes” à lei.

Segundo a acusação, a que a Lusa teve acesso, a Irmandade é igualmente arguida no processo.

O MP imputa a ambos os arguidos um crime de corrupção passiva no setor privado.

A acusação diz que a partir de 2017, e já com o atual provedor, a diretora técnica deixou de sugerir a entrega de quaisquer quantias, porque o novo responsável “deixou também de emitir ordens nesse sentido”.

A Lusa tentou ouvir o atual provedor, Luís Rufo, mas sem sucesso até ao momento.

No processo que envolve o anterior provedor, o Ministério Público diz que, com a “exigência” de donativos, a irmandade atuou “à revelia de todos os imperativos legais”.

Aponta o caso de 12 utentes, que terão pago entre 7.500 e 40 mil euros para garantirem um lugar no lar.

Com essa “atividade criminosa”, acrescenta a acusação, a irmandade conseguiu uma vantagem patrimonial de 297.500 euros, valor que o Ministério Público quer que o ex-provedor e a irmandade sejam condenados a pagar ao Estado.

Continuar a ler

Populares