Seguir o O MINHO

País

Retalhistas óticos vão perder até 400 milhões em vendas este ano

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Os retalhistas de material ótico vão perder este ano entre 250 e 400 milhões de euros em vendas devido à pandemia de covid-19, tendo estas cedido até 72% durante o estado de emergência, segundo um estudo da Católica.


“Valor de perda de vendas de 2020 entre 250 e 400 milhões de euros”, lê-se num estudo da Católica Lisbon Business and Economics, a que a Lusa teve acesso.

De acordo com o documento, realizado pelo professor Ricardo Reis, que vai ser divulgado na quinta-feira, o setor registou quebras nas vendas entre 68% e 72% durante o período de estado de emergência, decretado face à pandemia de covid-19, com especial impacto nas empresas de menor dimensão.

Já no total do ano, as vendas vão ser impactadas em cerca de 55%, podendo variar entre 45% “num cenário mais otimista” e os 65% caso se verifique uma segunda vaga de confinamento entre outubro e dezembro.

A grande maioria dos inquiridos defendeu ainda que a recuperação da sua empresa vai estar em linha com a do setor, que deverá acontecer em 2022.

Com a declaração do estado de emergência as principais preocupações dos óticos focaram-se na manutenção dos postos de trabalho, na necessidade de priorizar a saúde visual junto da população, bem como no aumento de medidas de segurança.

Perante o impacto da pandemia no setor, o estudo apontou ser “urgente” mobilizar a procura para que a atividade possa regressar, o mais possível, ao normal.

“Ao contrário de outros setores, o setor da ótica não tem uma procura acumulada a descarregar no desconfinamento. Pelo menos, a população não tem a perceção da necessidade de cuidar a sua saúde ocular depois do período de confinamento. A urgente sensibilização da população pode repor a procura a níveis de normalidade anteriores ao estado de emergência e abrir inclusivamente oportunidades para melhorias significativas na saúde ocular dos portugueses”, lê-se no documento.

Por outro lado, são recomendados financiamentos emergenciais para colmatar a folga de tesouraria, que passou de 60 dias para entre duas e quatro semanas de fundos disponíveis, após 45 dias de confinamento.

Adicionalmente, tendo em conta que as empresas do setor da ótica são caracterizadas por “elevados níveis de investimento”, face à perda de receitas “o mais provável é não conseguirem mobilizar recursos para continuar cursos de investimentos anteriores”.

Assim, “não é de excluir a redução de pessoal e o fechar de alguns estabelecimentos”, revelou, acrescentando que as empresas vão poder optar por reduzir investimento em inventários, o que, consequentemente, vai ter impacto nos fornecedores, nomeadamente, na importação de alguns produtos como óculos de sol, que vão registar maiores reduções de procura.

O estudo identificou ainda como “menos provável, mas igualmente possível”, a limitação das facilidades de pagamento que habitualmente são concedidas aos clientes, apesar de isso se afigurar como “uma estratégia muito arriscada”.

Contudo, a quebra de rendimento dos clientes vai levar a que os óticos se possam ver obrigados a facilitar os pagamentos, gerando “um dilema complicado”.

De uma forma geral, “a saída desta situação vai remeter para a contínua erosão das almofadas de tesouraria e aumentar de endividamento. O setor tem capacidade de endividamento adicional e esse aumento não servirá para ‘aguentar à tona’ um setor. Antes ajudará a fazer a transição mais suave a um setor que mostrou uma enorme resiliência nesta crise”, sublinhou.

No entanto, a crise provocada pela pandemia também vai, segundo o estudo, trazer algumas oportunidades para o setor, que passam pelo reforço da ótica como “elemento de proximidade à comunidade” e enquanto elemento da promoção da saúde ocular, bem como o recurso a novas práticas de gestão que possibilitem tornar o setor mais resiliente, dinâmico e competitivo.

Este setor é constituído por 1.581 empresas, um número que se mantém estável desde 2015, sendo na sua maioria de dimensão micro (89,25%) e 71% com mais de cinco anos.

No total, os retalhistas de material ótico empregam 8.390 pessoas, sendo quase todos técnicos qualificados, e faturam 580 milhões de euros.

Para a realização deste estudo foi aplicado um inquérito, entre 22 e 29 de abril, às empresas do setor, no qual foram consideradas 352 respostas entre 512 inquéritos completos.

Adicionalmente, foram tidos em conta dados do Banco de Portugal (BdP) e da Central de Balanços CEA.

Portugal contabiliza pelo menos 1.424 mortos associados à covid-19 em 32.700 casos confirmados de infeção, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) de segunda-feira

Anúncio

País

Covid-19: Mais oito mortos, 342 infetados e 305 recuperados no país

em

Portugal regista hoje mais oito mortes por covid-19 e mais 342 casos confirmados em relação a sexta-feira, segundo dados da Direção-Geral de Saúde (DGS).

De acordo com o boletim epidemiológico diário da DGS, há 46.221 casos confirmados e o número de mortes provocadas pela covid-19 atinge os 1.654.

O aumento do número de mortes foi de 0,5% (passou de 1.646 para 1.654) e o aumento do número de infetados foi de 0,7% (de 45.879 para 46.221), com a incorporação no boletim de hoje de 200 casos que ainda não tinham sido incluídos.

Todos os mortos das últimas 24 horas se verificaram na região de Lisboa e Vale do Tejo, enquanto o número de casos nesta região aumentou para 22.385, mais 2,1% que na sexta-feira.

Os novos casos na região de Lisboa e Vale do Tejo representam 75,7% do total de novos casos no país inteiro.

Nas últimas 24 horas, o número de pessoas internadas desceu de 471 para 459, mas o número de internados em cuidados intensivos aumentou de 66 para 68.

Na região Norte há hoje 18.068 casos (mais 67), seguindo-se a região Centro com 4.255 (mais um), Algarve com 695 casos (mais sete) e Alentejo com 570 casos (mais oito).

Os Açores continuam com 153 casos e a Madeira com 95.

Os números relativos aos concelhos continuam sem alteração, porque a DGS está a verificar “todos os dados com as autoridades locais e regionais de saúde” e espera ter esta tarefa “concluída nos próximos dias”.

Na última atualização dos dados por concelho, onze tinham mais de mil casos, com Lisboa (3.645), Sintra (2.850) e Loures (1.910) à cabeça.

A região com mais mortes continua a ser o Norte (821), seguida de Lisboa e Vale do Tejo (535), Centro (250), Alentejo (18), Algarve e Açores (15 cada uma).

Por faixas etárias, o maior número de óbitos concentra-se nas pessoas com mais de 80 anos (1.108, mais quatro que na sexta-feira), seguidas das que tinham entre 70 e 79 anos (318, mais três) e entre os 60 e 69 anos (149, mais uma). Há 55 óbitos entre os 50 e 59 anos, 20 entre os 40 e 49, dois entre os 30 e os 39 e outros dois entre os 20 e os 29 anos.

As autoridades de saúde mantêm sob vigilância 34.082 contactos de pessoas infetadas – mais 221 do que na sexta-feira – e há 1.705 pessoas que aguardam resultados laboratoriais.

O número de doentes dados como recuperados aumentou de 30.350 para 30.655, mais 305 do que na sexta-feira.

Continuar a ler

País

Professores dizem que orientações da tutela são insuficientes

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A Associação Sindical dos Professores Licenciados pediu hoje reuniões negociais urgentes com o Ministério da Educação, sobre a abertura do ano letivo, por considerar que as orientações da tutela são insuficientes para acautelar o risco de transmissão de covid-19.

Os professores querem a abertura de um processo negocial para tratar das condições de trabalho necessárias aos regimes previstos para o próximo ano letivo, seja o presencial, o misto ou o regime não presencial, de acordo com um comunicado hoje divulgado por aquela estrutura.

No documento, a associação indica que o pedido por escrito seguiu hoje para a tutela.

A Associação Sindical dos Professores Licenciados (ASPL) afirma que vê com “muita preocupação” a chegada do próximo ano letivo e as condições de trabalho de docentes e alunos.

Segundo a ASPL, as orientações da tutela não explicitam a distância mínima a que devem encontrar-se os alunos dentro das salas de aula ou o desdobramento de turmas.

“Só nos resta concluir, porque conhecemos bem a realidade das nossas escolas, que a regra do distanciamento físico de 1,5 metros, no mínimo, não vai ser cumprida nas escolas, o que a ASPL vê com muita apreensão”, lê-se no documento.

A organização sindical aponta ainda “outras lacunas”, referindo que não está acautelada a necessidade de um dispensador de álcool gel à entrada e saída de cada sala de aulas, ou, pelo menos, em cada corredor que dá acesso às salas.

“Também não está assegurado o fornecimento de equipamentos como as máscaras, nem que seja, pelo menos, nas situações em que os alunos, pessoal auxiliar ou os professores não as tenham na altura em que acedem à escola ou que estejam na escola e necessitem trocá-la, por qualquer razão”, sublinha a ASPL.

A associação apela também para a redução da burocracia nas escolas.

Em Portugal, morreram 1.646 pessoas de covid-19, das 45.679 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

País

Descoberta nova espécie de dinossauro carnívoro na região Oeste

Em arribas dos concelhos de Torres Vedras e da Lourinhã

em

Foto: DR

Um novo género e espécie de dinossauro carnívoro terópode, cujos fósseis foram escavados em arribas dos concelhos de Torres Vedras e da Lourinhã, foi agora descrito na revista internacional “Journal of Vertebrate Paleontology” por paleontólogos portugueses e espanhóis.

A descoberta do ‘Lusovenator santosi’, com 145 milhões de anos, pertencente ao Jurássico Superior de Portugal, mostra que estes animais estavam presentes no hemisfério norte, 20 milhões de anos antes do que indicava o registo conhecido, concluíram Elisabete Malafaia, Pedro Mocho (Universidade de Lisboa), Fernando Escasso e Francisco Ortega, todos investigadores ligados à Sociedade de História Natural de Torres Vedras e à Universidade Nacional de Educação à Distância de Madrid (Espanha).

O dinossauro que pertence ao grupo dos carcharodontossauros, vem reforçar a tese de que a Península Ibérica é uma “região fundamental para compreender o processo de dispersão deste grupo de animais no hemisfério norte durante o final do Jurássico, vários milhões de anos antes destes dinossáurios se tornarem os maiores predadores terrestres no hemisfério sul, no final do Cretácico”, explicou Elisabete Malafaia à agência Lusa.

A nova espécie foi identificada a partir de restos recolhidos nas duas últimas décadas nas jazidas das praias de Valmitão (Lourinhã) e de Cambelas (Torres Vedras).

De início, os fósseis foram atribuídos ao dinossauro carnívoro terópode ‘Allosaurus’, mas uma análise mais detalhada do material permitiu aos paleontólogos identificar um conjunto de características exclusivas que permitiu estabelecer este novo género e espécie.

Os carcharodontossauros, de que havia registos do Cretáceo Inferior (130 milhões de anos) e no final do Cretáceo (100 milhões de anos), são um grupo de dinossauros carnívoros que inclui alguns dos maiores predadores que habitaram o planeta.

Na Península Ibérica o grupo estava representado apenas pela espécie ‘Concavenator corcovatus’, identificada na jazida de Las Hoyas (Cuenca, Espanha) por alguns dos mesmos investigadores.

O carcharodontossauro mais antigo conhecido foi encontrado na Tanzânia, em África, sendo da mesma altura da nova espécie agora identificada em Portugal, o que, segundo os paleontólogos, “constitui a primeira evidência e a mais antiga deste grupo no hemisfério norte”.

A identificação desta nova espécie amplia a diversidade de dinossauros terópodes conhecidos no Jurássico Superior português, um dos melhores registos fósseis deste período.

O ‘Lusovenator santosi’ foi apelidado em homenagem a José Joaquim dos Santos, um curioso da paleontologia, que, durante mais de 30 anos, descobriu fosseis de dinossauro, guardando-os em casa. Mais tarde, vendeu à Câmara Municipal de Torres Vedras a coleção, que tem vindo a ser estudada por investigadores da Sociedade de História Natural de Torres Vedras.

Continuar a ler

Populares