Seguir o O MINHO

País

Restaurantes com acrílicos, ginásios reabrem sem balneários e abertura dos ATL’s adiada

Desconfinamento

em

Foto: DR / Arquivo

António Costa acabou de anunciar algumas medidas para a terceira fase de desconfinamento, com especial ênfase nos restaurantes, ginásios, praias e ATL’s. O estado de calamidade mantém-se por mais 15 dias.


O primeiro-ministro falava no final do Conselho de Ministros no qual foi feita “a avaliação do conjunto das medidas de desconfinamento” que têm vindo a ser adotadas devido à pandemia.

“A avaliação que fazemos é positiva para a generalidade do pais, havendo motivo de preocupação no que diz respeito à evolução na área metropolitana de Lisboa”, assumiu.

Regras para todo o país

Restaurantes

No que diz respeito aos restaurantes, podem, a partir de segunda-feira, ocupar 100% da sua lotação, desde que seja assegurada a distância de 1,5 metros entre mesas e a implementação de barreiras físicas impermeáveis, como os acrílicos, entre os comensais na mesma mesa.

Essas regras não se aplicam aos restaurantes que decidam manter 50% de lotação máxima e o afastamento de 2 metros entre cada cliente, regras que já estavam em vigor.

Restaurantes podem utilizar lotação total se colocarem acrílicos de separação

“Esta medida serve para impedir a transmissão de gotículas e das doenças e é uma opção que ficará a cargo de cada estabelecimento de restauração”, disse o primeiro-ministro.

Ginásios

Os ginásios também poderão abrir a partir de segunda-feira, desde que assegurem algumas medidas, como a interdição dos balneários, distância de segurança entre cada um dos praticantes, normas de desinfeção, e proteção individual dos funcionários.

Praias

Quanto às praias, confirma-se a data de 06 de junho para reabertura da época balnear, de acordo com as regras de distanciamneto da DGS. A capacidade será tida em conta através da identificação da Agência Portuguesa do Ambiente tendo em conta a área de cada praia durante período de maré alta. Haverá limitações em praias com arribas, pelo risco de desabamento.

ATL’s

É confirmada a reabertura do ensino pré-escolar e generalizada a abertura das creches.

António Costa anunciou ainda o adiamento, para 15 de junho, dos ATL’s não integrados em estabelecimentos escolares. Já no que diz respeito às atividades de apoio à família e tempos livres, ficam adiadas para o final do ano letivo, a 26 de junho. Os pais que fiquem em casa para cuidar das crianças mantêm o apoio financeiro estatal.

Teletrabalho

O teletrabalho obrigatório só se mantém para trabalhadores nos grupos de risco, para portadores de deficiência com mais de 60% e para os pais com filhos menores de 12 anos em casa. A DGS vai poder impor teletrabalho em empresas que não assegurem as recomendações de segurança.

Outros

Confirma-se abertura das salas de espetáculos desde que sejam cumpridas as normas definidas pela DGS.

Bares e discotecas continuam fechados durante os próximos 15 dias.

O estado de calamidade foi prolongado para todo o território nacional.

Lisboa com medidas extra

Em Lisboa, os centros comerciais mantém-se fechados até 04 de junho. Há ainda regras extra de segurança e vigilância epidemiológica para o setor da construção civil e para as empresas de trabalho temporário. Os ajuntamentos com mais de 10 pessoas estão proibidos.

 

 

Anúncio

País

Rui Pinto já saiu das instalações da Polícia Judiciária

Football Leaks

em

Foto: DR / Arquivo

O criador da plataforma Football Leaks, Rui Pinto, já saiu das instalações da Polícia Judiciária, disse hoje fonte policial à agência Lusa.

O ‘hacker’, acusado de cerca de 90 crimes, “já não se encontra nas instalações da Polícia Judiciária”, de onde saiu nas últimas horas, em coordenação com os seus advogados, referiu a mesma fonte ao início da tarde.

Por questões de segurança, o arguido fica agora inserido no programa de proteção de testemunhas, acrescentou, e obrigado a apresentações semanais à Polícia Judiciária.

Rui Pinto esteve em prisão preventiva desde 22 de março de 2019 até 08 de abril deste ano, dia em que foi colocado em prisão domiciliária, mas em habitações disponibilizadas pela Polícia Judiciária.

A alteração da medida de coação foi decidida pela juíza titular do processo, Margarida Alves, presidente do coletivo de juízes que vai julgar Rui Pinto, na sequência de um requerimento apresentado pela defesa do arguido a pedir a sua libertação.

Rui Pinto começa a ser julgado em 04 de setembro no Tribunal Central Criminal de Lisboa por 90 crimes: 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por tentativa de extorsão ao fundo de investimento Doyen.

Em setembro de 2019, o MP acusou Rui Pinto de 147 crimes, 75 dos quais de acesso ilegítimo, 70 de violação de correspondência, um de sabotagem informática e um de tentativa de extorsão, por aceder aos sistemas informáticos do Sporting, da Doyen, da sociedade de advogados PLMJ, da Federação Portuguesa de Futebol e da Procuradoria-Geral da República (PGR).

O Ministério Público (MP) opôs-se à libertação de Rui Pinto, que foi justificada pela juíza Margarida Alves com a “contínua e consistente colaboração” com a Polícia Judiciária e o “sentido crítico” do criador da plataforma Football Leaks.

Continuar a ler

País

Covid-19: Mais 6 mortes, 131 infetados e 147 recuperados no país

Pandemia

em

Foto: DR

Portugal regista hoje mais 6 mortes e 131 novos casos de infeção por covid-19, 63 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo, em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim, desde o início da pandemia até hoje registam-se 52.668 casos de infeção confirmados e 1.756 mortes. Há 12.401 casos ativos.

Há 38.511 casos recuperados, mais 147.

Continuar a ler

País

Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).

Os quatro alertas, publicados na terça-feira na página de Internet da DGC, revelam a “insuficiente” retenção de partículas/filtros de quatro produtos que aumentam o risco de infeção se não forem usadas medidas de proteção adicionais, como o distanciamento social.

A DGC proibiu a comercialização de um dos produtos, ordenou a destruição de outro e sobre os restantes dois emitiu avisos acerca dos riscos para a saúde e segurança dos utilizadores.

Os quatro produtos objeto de alerta são as máscaras de proteção respiratória auto filtrante do modelo FFP2 KN 95, modelo KN 95, modelo YK01 FFP2 e da marca JY.M9.

A máscara de proteção respiratória auto filtrante YK01 FFP2, notificada no âmbito do Safety Gate – RAPEX (Sistema de alerta rápido para produtos perigosos não alimentares), com clipe nasal e fitas elásticas para a prender atrás das orelhas, vendido numa caixa de cartão contendo 20 unidades, oriunda da China, ostenta a marcação CE mas não está certificado como equipamento de proteção por um organismo notificado.

A DGC diz ainda que a retenção de partículas no seu material filtrante é insuficiente, com um valor medido de 68,5% e, consequentemente, se não forem adicionadas outras medidas de proteção, “uma quantidade excessiva de partículas ou de microrganismos pode passar através da máscara, aumentando o risco de infeção”, e foi dada ordem para a destruição do produto.

Também o defeito técnico do produto da marca JY.M9, vendido numa caixa de cartão contendo 50 unidades de máscaras, é a insuficiência (valor medido igual a 59%) na retenção de partículas no material filtrante, aumentando também o risco de infeção, e a medida adotada foi um aviso aos consumidores sobre os riscos.

Neste produto a origem é desconhecida, mas também na máscara de proteção respiratória auto filtrante “modelo FFP2, KN 95”, vendida numa caixa de cartão contendo 20 unidades, a origem é também da China e a retenção de partículas no material filtrante é ainda mais insuficiente, de 53%, provocando um aumento do risco de infeção, sendo decidida a proibição da comercialização do produto e eventuais medidas de acompanhamento.

Já a máscara de proteção respiratória auto filtrante KN95, da categoria FFP2 de acordo com a norma europeia EN 149, também tem uma retenção de partículas no material filtrante insuficiente (valor medido igual a 90%) e, consequentemente, segundo a DGC, se não forem adicionadas outras medidas de proteção, “uma quantidade excessiva” de partículas ou de microrganismos pode passar através da máscara, aumentando o risco de infeção, tendo sido decidida a medida de aviso aos consumidores sobre os riscos.

Além destes quatro alertas em 04 de agosto, duas semanas antes, em 13 de julho, outro alerta sobre máscaras foi publicitado pela DGC, a vários lotes do produto KN95 da marca NEP, oriundo da China e vendido numa caixa de cartão contendo 50 unidades, e cujo defeito técnico é também a retenção de partículas no material filtrante com um valor medido de 62%.

Como medida adotada, a DGC anuncia a recolha do produto junto dos consumidores e, tal como em todos os alertas que publica, lembra ser o ponto de contacto nacional do “Safety Gate – RAPEX”, transmitindo as informações às autoridades nacionais de fiscalização do mercado.

Em abril, quando o uso de máscaras na comunidade passou a ser recomendado quando há um número elevado de pessoas num espaço interior fechado, a Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu uma informação advertindo para a necessidade de o uso daquele equipamento “implicar o conhecimento e domínio das técnicas de colocação, uso e remoção”, e de a sua utilização não poder conduzir à negligência de medidas que considera fundamentais, como o distanciamento social e a higiene das mãos.

Continuar a ler

Populares