Seguir o O MINHO

País

Restauração e comércio com horário reduzido no fim de semana em Braga e Paredes de Coura

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO / Arquivo

Os restaurantes, comércio alimentar e não alimentar vão ter de fechar mais cedo este fim de semana em mais 16 concelhos, que, devido às taxas de incidência registadas, vão recuar para as regras em vigor em Albufeira, Lisboa e Sesimbra.

Braga e Paredes de Coura, no entanto, estão no grupo de 26 concelhos que, por registarem taxas de incidência acima de 120 casos por cem mil habitantes (ou superior a 240 nos concelhos de baixa densidade), encontram-se em risco elevado, o que significa que os restaurantes e afins passam a ter de encerrar às 22:30 e que o número de pessoas por grupo seja no máximo de até 10 nas esplanadas e de até seis no interior.

Estes mesmos horários aplicam-se aos espetáculos culturais.

Já o comércio a retalho tem de encerrar até às 21:00.

Foram colocados ou permanecem na lista de risco elevado os concelhos de Alcochete, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Avis, Braga, Castelo de Vide, Faro, Grândola, Lagoa, Lagos, Montijo, Odemira, Palmela, Paredes de Coura, Portimão, Porto, Rio Maior, Santarém, São Brás de Alportel, Sardoal, Setúbal, Silves, Sines, Sousel, Torres Vedras e Vila Franca de Xira.

A lista dos 19 concelhos que registam taxas de incidência que os colocam em risco muito elevado foi hoje referida pela ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, o que implica que o comércio, os restaurantes, pastelarias e afins passem a ter de encerrar às 15:30 aos fins de semana e feriados.

Durante a semana, a restauração pode funcionar até às 22:30, mas com as regras de lotação a imporem um máximo de quatro pessoas por grupo no interior e de seis pessoas por grupo nas esplanadas e o comércio até às 21:00.

Já os supermercados a restante retalho alimentar têm de encerrar às 19:00 aos fins de semana e feriados.

As regras determinam ainda que os espetáculos culturais possam decorrer até às 22:30 e que os casamentos e batizados não possam ir além dos 25% da lotação do espaço escolhido para os realizar.

Estão nesta situação os concelhos de Albufeira, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Constância, Lisboa, Loulé, Loures, Mafra, Mira, Moita, Odivelas, Oeiras, Olhão, Seixal, Sesimbra, Sintra e Sobral de Monte Agraço, ou seja, os que registaram nos últimos 14 dias taxas de incidência acima de 240 casos por cem mil habitantes (ou superior a 480 nos concelhos de baixa densidade).

Há ainda um grupo

Populares