Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Resistentes do prédio Coutinho em Viana esperam que tribunal trave despejo

Providência cautelar

em

Foto: DR / Arquivo

Ao terceiro dia, os nove moradores de seis frações do prédio Coutinho, em Viana do Castelo, resistem já sem água e sem gás, aguardando que o tribunal aceite a providência cautelar que interpuseram na segunda-feira para travar o despejo.

“É só isso que queremos. Que o tribunal se pronuncie sobre a providência cautelar que interpusemos na segunda-feira” para travar o despejo, afirmou hoje à Lusa Francisco Rocha, que desde segunda-feira não abandona o apartamento de três assoalhadas, no oitavo andar daquele prédio, que comprou na década de 70.

Contactada hoje pela Lusa, fonte do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga (TAFB) disse “ainda não haver despacho da providência cautelar que deverá ser hoje apreciada pelo juiz”.

Francisco Rocha e a mulher, de 73 e 72 anos, respetivamente, dizem que vão resistir “até à morte”.

“Não temos água desde segunda-feira, o gás foi cortado na terça-feira, cerca das 18:00, e luz ainda temos. Não tomámos banho, cheiramos mal, a comida tem chegado pela janela. Temos amigos que nos fazem chegar através de uma corda. Já comprei uma espécie de roldana para puxar uma botija de gás. Cá nos arranjaremos”, afirmou Francisco Rocha.

O morador adiantou que “quem sair do prédio não volta a entrar”.

O advogado dos moradores, Magalhães Sant’Ana, chegou ao edifício Jardim, localmente conhecido por prédio Coutinho, cerca das 10:30, para reunir com os últimos moradores.

Esta ação de despejo estava prevista cumprir-se às 09:00 de segunda-feira, na sequência de uma decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, de abril, que declarou improcedente a providência cautelar movida pelos moradores em março de 2018.

Na terça-feira, à Lusa, a VianaPolis informou que, “das 105 frações do prédio Coutinho, seis estão por entregar e são habitadas por nove pessoas”, estando em curso negociações com vista a um acordo com os últimos moradores.

“Continuam a decorrer contactos com os residentes no sentido de uma saída voluntária, estando a VianaPolis disponível para chegar a acordo como chegou com os proprietários de 22 frações que, na segunda-feira, entregaram voluntariamente as chaves dos apartamentos”, sustentou a fonte da sociedade que gere o programa Polis de Viana do Castelo que prevê, desde 2000, a desconstrução do imóvel de 13 andares.

A fonte da VianaPolis “apelou ao bom senso dos ocupantes das frações do edifício Jardim para que cumpram a lei e as decisões dos tribunais”.

Referiu ainda que, na segunda-feira, a “sociedade foi notificada pelo Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga (TAFB) da ação de intimação pela defesa dos direitos, liberdades e garantias”, também movida pelo advogado dos moradores e interposta no dia 19.

“Não tendo esta notificação efeitos suspensivos, a VianaPolis irá responder ao tribunal dentro do prazo previsto”, referiu.

A fonte daquela sociedade explicou que “só podem entrar no edifício pessoas autorizadas”.

“Os moradores podem sair livremente. A entrada só com autorização da VianaPolis”, reforçou, adiantando que “a suspensão do fornecimento de água ao prédio já foi concretizada e que ainda hoje será cortado o abastecimento de gás”.

Na segunda-feira, os últimos 11 moradores no edifício recusaram entregar a chave das habitações à VianaPolis, no prazo fixado pela sociedade que gere o programa Polis, para tomar posse administrativa das últimas frações do edifício.

Anúncio

Viana do Castelo

Garranos das serras de Arga e de Santa Luzia estudados em Paris e no Japão

Projeto de preservação

em

Foto: DR / Arquivo

O projeto de preservação dos cavalos ibéricos [garranos] levado a cabo pela Câmara de Viana do Castelo foi apresentado, esta quinta-feira, em Paris, durante uma conferência dedicada à equitação, que decorreu na Universidade da Sorbonne.

A preservação dos animais autóctones integra um projeto mais vasto, que associa a Universidade da Sorbonne (França), a Universidade de Kyoto (Japão) e a Universidade de Coimbra, “parceiros científicos” que vão continuar a desenvolver trabalho de investigação em Viana.

O projeto “Percursos do Homem e do Garrano”, financiado pelo programa financeiro Norte 2020, foi desenvolvido pela autarquia ao longo dos últimos anos, com o objetivo de “valorizar esta raça autóctone e aumentar a visitação turística das áreas classificadas”.

“Pretendeu-se contribuir para o reconhecimento do garrano como raça autóctone e as serras de Arga e de Santa Luzia como espaço privilegiado para a sua observação e incrementar a informação das populações locais sobre o valor cultural e natural do garrano, através de ações de educação ambiental e de divulgação”, dá conta a autarquia em nota enviada a O MINHO.

“A projeção da importância do garrano nas suas múltiplas dimensões necessita de estudos científicos profundos e contínuos, de um debate alargado, dacriação de redes de cooperação interinstitucionais e da aposta em ações de divulgação,sensibilização e demonstração que promovam as qualidades e apetências da raça”, aponta a mesma nota.

Os garranos são animais de pequena estatura, com peso aproximado de 290 quilos, de perfil de cabeça reto ou côncavo, cabeça fina e grande, principalmente nos machos, onde se destacam amplas narinas. O pescoço curto é bem musculado, a garupa é forte e larga e os membros são pequenos e fortes. A pelagem é castanho-escura, sendo a crina e a cauda pretas e muito densas. Embora não apresente manchas, pode ter tons mais claros no focinho, ventre e membros.

Sendo o garrano um cavalo pequeno, apresenta uma sólida estrutura e andamento curto, transmitindo uma elevada segurança, típica de um animal habituado a enfrentar caminhos íngremes e pedregosos. Tal como outros cavalos de pequena estatura, o garrano apresenta um andamento artificial, denominado de andadura.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana à procura de parceiros estratégicos em Paris

Em Roissy

em

Foto: Divulgação / DR

José Maria Costa, presidente da Câmara de Viana do Castelo, viajou esta quinta-feira, para França, para se encontrar com a comunidade de Roissy, numa iniciativa para a internacionalização da cidade.

Roissy, uma aldeia agrícola de origem galo-romana, a cerca de 20 quilómetros de Paris, recebeu o presidente vianense numa visita que visa estabelecer contactos e preparar potenciais cooperações estratégicas entre as duas regiões.

O famoso aeroporto Charles de Gaulle fica também situado nesta pequena cidade rural. Um dos aeroportos com maior afluência de França e da Europa.

Durante o encontro, José Maria Costa, discutiu com os responsáveis possíveis formas de cooperação entre as duas cidades, com especial atenção para a potencialização económica da região.

Uma comitiva empresarial de Roissy agendou já uma visita a Viana do Castelo para que se fortaleçam as ligações entre os dois pontos.

A comitiva de Viana teve, mais tarde, direito a uma visita guiada pelo pólo industrial daquela zona, assim como, pela área de apoio logístico ao aeroporto Charles de Gaulle.

O autarca referiu, nesta ocasião, que depois depois da solidez alcançada pelo desenvolvimento da sua cidade, a internacionalização será o passo mais indicado para o alargamento de base empresarial.

Com o futuro em mente, José Maria Costa aponta para o valor deste tipo de ações para que exista crescimento em ambas as localidades.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Condutor que fugiu à PSP de Viana constituído arguido

Perseguição danificou quatro veículos e feriu um agente

em

Foto: Divulgação / PSP

O homem de 40 anos que na quarta-feira desobedeceu a ordens de paragens e fugiu à PSP, que o perseguia, por circular em contramão no centro Viana do Castelo, foi identificado e constituído arguido, informou hoje aquela força policial.

Em comunicado enviado à imprensa, o Comando Distrital da PSP de Viana do Castelo adiantou que o homem, residente na União de Freguesias de Cardielos e Serreleis, em Viana do Castelo, ficou sujeito a Termo de Identidade e Residência, tendo sido apreendida a viatura que conduzia.

Agente ferido e carro danificado em perseguição policial em Viana

Na quarta-feira, um agente daquela força policial ficou ferido e teve de receber tratamento hospitalar, na sequência da perseguição ao homem agora constituído arguido, numa operação que danificou quatro veículos, entre eles, uma viatura da PSP.

A perseguição policial ocorreu cerca das 15:30, após um alerta de que uma viatura estaria a circular, em contramão, na Estrada da Papanata, no centro da cidade de Viana do Castelo, “constituindo um perigo para os restantes condutores e peões”.

Na altura, uma nota da PSP indicava que o condutor da viatura, “não obedeceu à ordem de paragem e, após ser advertido várias vezes, na Estrada Nacional (EN) 302, na Meadela, embateu numa viatura policial e noutras três viaturas que se encontravam estacionadas”.

“O agente policial sofreu ferimentos ligeiros, mas, por precaução foi transportado ao hospital para receber tratamento médico. O carro policial sofreu danos significativos”, adiantou, na altura à Lusa, o segundo comandante Raul Curva.

Continuar a ler

Populares