Seguir o O MINHO

Guimarães

Requalificação do edifício Jordão e Garagem Avenida em Guimarães arrancou hoje

11,5 milhões de investimento e um ano e meio de prazo de conclusão

em

Foto: CM Guimarães

As obras de requalificação do edifício Jordão e Garagem Avenida, em Guimarães, arrancaram hoje, com o objetivo de ali instalar a Escola de Música e Escola de Artes Performativas e Visuais, adiantou a autarquia vimaranense.

Em comunicado enviado hoje, a Câmara Municipal de Guimarães aponta que a obra representa um investimento de 11,5 milhões de euros e que o prazo de execução previsto é de um ano e meio.

“O edifício do Teatro Jordão está na memória dos vimaranenses e completará ainda a reabilitação de Couros, que queremos enquadrar no âmbito do Património Mundial da Humanidade, sendo um novo espaço do conhecimento”, refere no texto o presidente da autarquia, destacando a “preocupação em manter a memória do edificado”.

A autarquia explica que o projeto contempla um auditório de 400 lugares, a nova Escola de Música da Academia Valentim Moreira de Sá (Conservatório de Guimarães) e ainda espaços dedicados ao curso de Artes Performativas e Visuais da Universidade do Minho, conferindo uma “nova vida ao edifício com 80 anos”.

Domingos Bragança realça ainda que “o exterior do edifício será preservado e o seu interior será mantido até ao limite do que for possível, sem colocar em causa a sua função de escola de música, das artes performativas e das artes visuais, tendo sempre presente o enquadramento deste projeto nos fundos europeus”.

A obra, esclarece o texto, é apoiada por fundos da União Europeia (Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional), ao abrigo do programa Norte 2020, no valor de 9,8 milhões de euros.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Guimarães

Jovem de 16 anos detido por suspeita de tráfico em Guimarães

Cocaína e heroína

em

A PSP deteve em Guimarães um jovem de 16 anos suspeito de tráfico de estupefacientes e apreendeu-lhe cocaína e heroína suficientes para 39 doses, anunciou hoje aquela força.

Em comunicado, a PSP acrescenta que, durante aquela diligência, constatou que sobre o suspeito pendia um mandado de condução para internamento em comunidade terapêutica na zona de Estarreja.

Por isso, o suspeito foi conduzido para aquela comunidade.

Continuar a ler

Guimarães

Ex-Procuradora Geral da República Joana Marques Vidal fala, em Guimarães, sobre poder e corrupção

IV edição da Nova Ágora

em

Foto: DR

Os “Olhares sobre o Poder e Corrupção” é o tema da conferência que conta com a participação de Joana Marques Vidal, Procuradora-Geral Adjunta no Tribunal Constitucional, no Paço dos Duques.

Marcada para as 21:30, participam, ainda, na IV edição da Nova Ágora, Luís de Sousa, Subdirector e Investigador Auxiliar no Instituto de Ciências Sociais (ICS-ULisboa), e Paulo de Morais, Professor Universitário e Presidente da “Frente Cívica”. A moderação fica a cargo do jornalista António Mateus.

Na sexta-feira seguinte, dia 29 de Março, é a vez dos “Populismos” serem debatidos, desta vez na Casa das Artes, em Famalicão.

A terceira e última conferência deste ano acontece novamente no dia 05 de abril, em Braga, no Espaço Vita. “Migrações” é o tema que encerra o ciclo de conferências desta Nova Ágora.

Continuar a ler

Guimarães

Westway Lab Festival transforma Guimarães na “cidade da música”

Sexta edição

em

Foto: DR

Guimarães vai assumir-se, de 10 a 13 de abril, como a “cidade da música”, com a sexta edição do Westway Lab Festival, que reunirá mais de duas centenas de profissionais nacionais e internacionais, foi hoje anunciado.

Em conferência de imprensa, o diretor artístico do festival, Rui Torrinha, disse que o certame contará com um total de 29 concertos e tem como objetivo “estender-se a toda a cidade”.

“Este é um festival da cidade e do território”, sublinhou.

Nesta sexta edição, acrescentou, o festival “atinge expressão planetária”, ao apresentar o Canadá como país convidado, ultrapassando assim, pela primeira vez, as fronteiras europeias.

Antes do festival propriamente dito, terão lugar, no Centro de Criação de Candoso, residências artísticas, que juntarão cinco músicos portugueses, um do Canadá, um de Itália e um da Áustria.

O resultado das residências será apresentado em 10 e 11 de abril, no Centro Cultural Vila Flor (CCVF).

O concerto inaugural do festival está marcado para 10 de abril, também no CCVF, e estará a cargo do holandês Jacco Gardner.

O dia 12 será dedicado ao Canadá, sendo a representação deste país alimentada, sobretudo, pelo folk, com alguns cruzamentos com o pop.

Sarah Macdougall, Tribe Royal, Megan Nash, Les Deuxluxes e The East Pointers são os nomes do cartaz canadiano.

Segundo Rui Torrinha, este é um festival assente na dimensão 3P: Processo (residências artísticas), Pensamento (conferências) e Produto (Concertos).

“A grande força do festival é a diversidade. Aqui não há um estilo definido, aqui há música independente, criatividade, processo de criação”, referiu.

Vaticinou que o festival “vai crescer em escala”, mas vincou que o mais importante é que continue a crescer em qualidade.

Destacou ainda as portas internacionais que o festival tem aberto a jovens músicos portugueses.

Este ano, o festival, pela mão do gabinete de internacionalização da música portuguesa Why Portugal, vai receber três nomes que, segundo a organização, “mostram bem a diversidade da criação” nacional.

Em causa a pop construída entre guitarras e sintetizadores de Neev, o fado saído da guitarra de Marta Pereira da Costa e o “indie delico-doce” dos Vaarwell.

Além do CCVF, o festival terá ainda como palcos outros espaços da cidade, entre os quais um hotel e cafés.

Continuar a ler
Anúncio

ÚLTIMAS

Reportagens da Semana

EM FOCO

Populares