Seguir o O MINHO

País

Relatório diz que Estado comparticipou 56 novos medicamentos nos últimos quatro anos

Vila Verde é dos concelhos com menor consumo de medicamentos per capita

em

Foto: DR

O Estado comparticipou nos últimos quatro anos 56 novos medicamentos, que representaram mais de 40 milhões de euros de encargos só no ano passado, com destaque para os fármacos para deixar de fumar e para os novos anticoagulantes orais.

Os dados constam do Relatório da Primavera 2019 do Observatório dos Sistemas de Saúde que é hoje apresentado e que aponta para um “ligeiro aumento” da despesa com medicamentos nos anos mais recentes.

O ligeiro crescimento com a despesa do Serviço Nacional de Saúde com medicamentos, sobretudo nos últimos dois anos, pode ser em parte explicado com as novas moléculas comparticipadas em regime de ambulatório.

O relatório especifica alguns casos de medicamentos comparticipados que mais contribuíram para o crescimento da despesa do SNS, como os anticoagulantes orais (para doenças cerebrocardiovasculares) ou os fármacos para a cessação tabágica.

No caso dos novos anticoagulantes orais, que são comparticipados a 69% e não têm genéricos, representaram mais 20 milhões de euros de despesa em 2017 e novamente mais 20 milhões em 2018.

Quanto ao medicamento para a cessação tabágica, que começou a ser comparticipado em 2017, representou em 2018 um acréscimo de 1,2 milhões na despesa do SNS.

O Relatório da Primavera assinala ainda que a taxa média de comparticipação do SNS “continuou a crescer” e atingiu em 2018 o valor mais elevado dos últimos seis anos.

O Observatório realizou também uma análise às assimetrias geográficas na despesa com medicamentos.

Em termos genéricos, há um menor consumo de fármacos e um menor gasto no distrito do Porto, enquanto há um maior consumo registado em municípios da região Centro.

Figueira da Foz, Mealhada, Penacova, Vila Nova de Poiares, Mortágua, a zona de Figueiró dos Vinhos e de Pedrógão Grande e Abrantes são as zonas geográficas que apresentam maior consumo de medicamentos per capita.

No extremo oposto surgem Maia, Matosinhos, Vila Nova de Gaia, Felgueiras, Paredes, Penafiel e Valongo (todos no distrito do Porto), bem como Vila Verde e Loures.

Esta análise identificou “importantes assimetrias na despesa dos medicamentos”, apesar de ter usado variáveis que reduzem o efeito das diferentes faixas etárias, até porque foram usados seis grupos de fármacos com diferentes associações entre consumo e proporção de idosos.

Anúncio

País

PSD: Pinto Luz diz que “não se resigna” a disputar “campeonato dos pequeninos”

Eleições no PSD

em

Foto: Divulgação

O candidato à liderança social-democrata Miguel Pinto Luz afirmou hoje não se resignar a um partido que disputa o “campeonato dos pequeninos” ou é “uma segunda escolha do PS”, pedindo a “quem não gosta deste PSD” que se afaste

Na apresentação da sua candidatura à liderança, em Lisboa, o vice-presidente da Câmara de Cascais disse ter a ambição de vencer as eleições diretas de 11 de janeiro para “ganhar as próximas autárquicas e, naturalmente, reconquistar a confiança dos portugueses para liderar o governo” do país.

Sem nunca mencionar o nome do atual presidente do partido, Rui Rio, Pinto Luz lamentou que haja “quem só gosta de uma parte do PSD”.

“Eu não sei o que é gostar a 50%, ou a 70% ou a 80%. Ou se gosta do PSD ou não se gosta do PSD! E quando se gosta do PSD, não se diminui o partido, concelhia a concelhia, distrital a distrital, apenas para se ter o partido que se quer. Quem não gosta deste PSD, dê lugar a quem goste e queira lutar por Portugal”, apelou.

O antigo líder da distrital de Lisboa confessou estar preocupado com o estado atual do PSD, garantindo estar “entre aqueles que não se resignam perante um PSD destituído de ambição, um PSD que apenas disputa lugares intermédios da primeira liga da política”.

O candidato admitiu que a sua preocupação aumentou depois das legislativas de 06 de outubro: “Desde as legislativas de 2002, o PSD tem ficado abaixo dos 40%. Em 17 anos, baixámos mais de 12 pontos percentuais. No mês passado, nem 28% obtivemos”, lamentou, considerando que essa perda de influência eleitoral se deve à perda de influência na sociedade.

“O PSD será a nova escolha dos portugueses, e nunca por nunca a segunda escolha do PS. A tarefa que me proponho é liderar uma oposição de confiança capaz de conduzir o PSD novamente ao governo de Portugal”, afirmou.

Dos antigos líderes do partido, o candidato destacou apenas três: os antigos primeiros-ministros Francisco Sá Carneiro, Aníbal Cavaco Silva e Pedro Passos Coelho.

“Não discuto idades, nem gerações dos protagonistas, um partido não é feito só de mais novos ou de mais velhos, é feito com todos, não pode é ser feito sempre com os mesmos, com os mesmos rostos”, afirmou.

Continuar a ler

País

APG/GNR mantém manifestação conjunta com a PSP apesar das promessas do ministro

Movimento Zero

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) vai manter a manifestação conjunta com a PSP na quinta-feira, apesar de uma reunião hoje com o ministro da Administração Interna onde houve abertura para resolver problemas que vêm da anterior legislatura.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da APG/GNR, César Nogueira, disse que a associação foi para a reunião “sem grandes expectativas”, mas que o ministro Eduardo Cabrita, como já tinha acontecido na semana passada com sindicatos da PSP, apresentou uma agenda para negociar pontos que são fundamentais nas reivindicações.

Entre esses pontos estão a atualização da tabela salarial, bem como de alguns suplementos, que o ministro admitiu poderem vir a ser integrados nos ordenados.

Segundo o presidente da APG/GNR, Eduardo Cabrita apresentou uma proposta (idêntica à que fez para a PSP) para pagamento dos suplementos em tempo de férias que foram retirados em 2011, podendo os mesmos ser pagos faseadamente até ao final desta legislatura.

Em setembro de 2018, o Supremo Tribunal Administrativo considerou ilegal este corte e mandou pagar a dívida aos trabalhadores.

Os Profissionais da PSP e da GNR têm marcada para quinta-feira em Lisboa uma “manifestação conjunta e pacífica” para exigirem ao novo Governo “a resolução rápida” dos problemas que ficaram por resolver na anterior legislatura.

Com o lema “tolerância zero”, a manifestação conjunta é organizada pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e pela Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) tem início no Marquês de Pombal e ruma à Assembleia da República, com concentração marcada para as 16:00.

Apesar de o ministro da Administração Interna ter reunido na quinta-feira com os sindicatos mais representativos da PSP e hoje com a APG/GNR, as estruturas decidiram manter o protesto, por ainda não estar definido um calendário para a resolução rápida dos problemas, apenas uma agenda de reuniões negociais.

Continuar a ler

País

Produção de automóveis em Portugal aumenta 17,2% até outubro

Economia

em

Foto: DR / Arquivo

A produção de automóveis em Portugal registou um aumento de 17,2% até outubro face ao mesmo período do ano anterior, tendo sido produzidos 290.227 veículos, indicou hoje a ACAP — Associação Automóvel de Portugal.

A taxa de crescimento homólogo da produção de veículos entre janeiro e outubro foi mais acentuada nos ligeiros de passageiros, que avançaram 21,5% para as 236.778 unidades.

Já os comerciais ligeiros e os pesados registaram aumentos de 1,2% e 2,8%, respetivamente, face ao mesmo período de 2018.

Segundo a ACAP, os dados confirmam “a importância que as exportações representam para o setor automóvel já que 97,1% dos veículos fabricados em Portugal têm como destino o mercado externo”.

No caso dos ligeiros de passageiros, 99,4% dos veículos produzidos em Portugal são exportados, afirma a associação.

A Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional, com 97,5%, com a Alemanha a liderar (23,8%), seguida por França (15,3%), Itália (13,2%) e Espanha (10,9%).

Relativamente à produção registada no mês de outubro, a ACAP adianta que saíram das fábricas instaladas em Portugal 31.839 veículos automóveis, um crescimento homólogo de 14,7%.

Neste mês, a produção de veículos ligeiros de passageiros registou um aumento de 33,5% face ao mês homólogo para 25.718 unidades, enquanto a de comerciais ligeiros e de pesados caiu 28,5% e 19,9%, respetivamente.

A ACAP refere que em outubro foram montados em Portugal 262 veículos pesados e, nos primeiros dez meses do ano foram montados 2.620 veículos pesados.

“Destes 2.620 veículos pesados que foram montados em Portugal, 2.433 foram exportados, ou seja, 92,9% dos veículos totais. A América é o principal destino destes veículos, que recebe 86,1% do total das exportações”, explica a associação.

Continuar a ler

Populares