Regadio comunitário para servir 150 agricultores de Vila Verde, Braga e Barcelos

Estado investe 8,7 milhões de euros
Parcelas de terreno estão divididas por estradas com quarteirões ao longo de 350 hectares. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Agricultores de Vila Verde, Braga e Barcelos preparam-se para beneficiar de um investimento de 8,7 milhões de euros canalizados para a construção de um sistema de aproveitamento hidroagrícola (regadio) na planície aluvial (veiga) de Cabanelas.

O local, de formação geológica plana, estende-se por mais de 300 hectares junto ao rio Cávado, em Vila Verde, e é um oásis plano de terreno fértil que poderá mudar paradigmas na economia agrícola, tipicamente de minifúndio, da região de Braga.

Vista aérea parcial da veiga de Cabanelas em filme promocional. Fonte: YouTube de Team Braga

Fernando Xavier, porta-voz da Junta de Agricultores de Cabanelas, estima que são cerca de 150 os proprietários de terrenos e agricultores que vão poder usufruir do sistema de rega comunitário, que estará em funcionamento 24 horas por dia durante todos os dias do ano, a partir de março de 2020.

A execução da obra, paga pelo Ministério da Agricultura, decorre a 60%, estando já construídas as encanações subterrâneas e os hidrantes (bocas de água), onde os agricultores podem conectar mangueiras para regar as colheitas.

Fernando Xavier aponta novos caminhos para a agricultura em Braga. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

“Depois de entrar em funcionamento, não será necessário andar com os próprios meios a retirar água do rio ou dos poços” – Fernando Xavier

Até então, os agricultores com terrenos junto ao rio utilizavam meios próprios, como sistemas de bombagem, para canalizar a água até às parcelas de terreno.

Já os agricultores com parcelas mais afastadas da zona fluvial desistiam de vários tipos de cultivo dada a escassez de água

Parcelas de terreno estão divididas por estradas com quarteirões ao longo de 350 hectares. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Mudança nas culturas

É previsto que esta obra permita um reaproveitamento de diferentes culturas, assim como economia de custos e tempo, beneficiando os agricultores.

Mais de 50% das parcelas são cultivadas apenas durante alguns meses, como o caso do milho, azevém, centeio e trigo. A água corrente pode trazer mais frutas, legumes, cogumelos e flores ao perímetro no restante período do ano.

Fernando Xavier estima uma poupança de custos aos agricultores, assim como poupança de tempo, para além de evitar desperdício ambiental. “Com este aproveitamento podemos calcular a água necessária para cada tipo de cultura”.

Um oásis a 14 quilómetros de Braga

O agricultor aponta a zona como única no Norte: “Isto é um oásis a 14 quilómetros de Braga e Barcelos e a poucos mais de Viana e Porto. Temos ainda a EN 205 a passar aqui e em breve devem avançar com um nó à autoestrada a poucos quilómetros”.

Fernando Xavier é o rosto dos agricultores da veiga de Cabanelas. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Para além dos acessos viários, destaca outras valências deste novo projeto, como a incrementação de sistemas de drenagem eficazes e a renovação de toda a rede viária no interior do perímetro.

8,7 milhões de euros

Segundo o Ministério da Agricultura, aquando da assinatura da consignação do projeto, orçado em 8,7 milhões de euros, está incluído no Plano Nacional de Regadios, onde “trata-se de recuperar estruturas que se encontram degradadas, nas quais não foi feito qualquer investimento de melhoria ao longo de décadas e nas quais importa investir”.

Plano Nacional de Regadios. Fonte: Ministério da Agricultura

O mesmo organismo considera “urgente promover o uso eficiente do recurso água e a constituição de reservas para enfrentar tempos de escassez”, indicando que este investimento “é plenamente justificado e vai ao encontro dos anseios dos pequenos agricultores”.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

D. Jorge Ortiga nos 800 anos da Catedral de Mondonhedo

Próximo Artigo

Pastor encontrado sem cabeça e um braço em Boticas

Artigos Relacionados
x