Seguir o O MINHO

Alto Minho

Redes sociais denunciam luvas descartáveis pelo chão em Ponte de Lima

Covid-19

em

Foto: Facebook de António Ferraz

Uma publicação nas redes sociais onde é exposto um par de luvas descartáveis numa rua em Ponte de Lima, ao lado de um contentor de lixo, está a motivar várias denúncias de situações idênticas pelo concelho.

António Ferraz, através de uma publicação na sua conta de Facebook, dá conta da “irresponsabilidade” de quem deixa luvas descartáveis em local de possível contaminação, uma vez que podem ser pisadas e, tendo o vírus, existir contágio com o calçado de outros cidadãos.

Nos comentários à publicação, são feitas denúncias da mesma situação em outros locais do concelho, apelando ao bom senso da população para que não andem “uns a lutar para vencer a doença” e outros “a fazer isto”.

DGS não aconselha utilização de luvas no dia-a-dia

Segundo as recomendações oficiais da Direção-Geral de Saúde, não devemos utilizar luvas descartáveis no dia-a-dia por existir uma maior hipótese de contaminação. Devemos sim lavar as mãos corretamente com frequência, de forma a eliminar possíveis contactos virulentos com a Covid-19.

Fonte: DGS

Confirmados 14 mortos e 1.600 infetados

O número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, que causa a doença Covid-19, subiu para 1.600 casos em Portugal, anunciou, este sábado, a Direção-Geral da Saúde (DGS), mais 320 do que na sexta-feira. Estão confirmados 14 óbitos.

Fonte: DGS

Foram confirmados mais dois óbitos em relação a sábado.

Há 1.152 casos suspeitos que aguardam resultado laboratorial e cinco pacientes dados como curados.

Dos 1.600 confirmados, 169 estão internados enquanto os restantes recuperam em casa.

Fonte: DGS

Existem 41 em estado grave/crítico.

825 casos são no Norte do país, 534 na Grande Lisboa e 180 no Centro. Algarve tem 35 casos confirmados, Açores quatro e Madeira sete. O Alentejo regista cinco casos. Há ainda dez portugueses no estrangeiro com confirmação de infeção.

Mais de 300 mil casos em todo o mundo

Mais de 300.000 casos de infeção pelo novo coronavírus foram registados desde o início da pandemia, segundo uma atualização da contagem realizada pela agência AFP, divulgada hoje, a partir de fontes oficiais.

De acordo com a contagem da agência noticiosa, até às 09:00 de hoje, existiam pelo menos 300.097 pessoas infetadas, das quais 12.895 morreram, em 169 países e territórios.

Na China, onde surgiu a pandemia, foram registados 81.054 casos de infetados, dos quais 3.261 morreram.

Em Itália, o país que é atualmente o mais atacado pela covid-19, foram verificados 53.578 casos de pessoas infetadas, registando 4.825 mortos.

O número de casos de Covid-19 contabilizados pela AFP apenas reflete uma fração real das contaminações, já que um grande número de países apenas realiza o teste de despiste da doença aos casos que necessitem hospitalização.

Anúncio

Viana do Castelo

Centro de rastreio ‘drive thru’ de Viana já está em funcionamento

Covid-19

em

Centro de Rastreio Drive Thru em Viana. Foto: Divulgação / CMVC

Entrou esta segunda-feira em funcionamento o centro de rastreio à doença Covid-19, em modo drive thru, em Viana do Castelo.

Centro de Rastreio Drive Thru em Viana. Foto: Divulgação / CMVC

Instalado junto à Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, este centro é semelhante ao já instalado no concelho de Braga, na passada semana, e permite efetuar testes de despistagem à doença sem ter que sair do automóvel.

Centro de Rastreio Drive Thru em Viana. Foto: Divulgação / CMVC

Centro de Rastreio Drive Thru em Viana. Foto: Divulgação / CMVC

Centro de Rastreio Drive Thru em Viana. Foto: Divulgação / CMVC

Centro de Rastreio Drive Thru em Viana. Foto: Divulgação / CMVC

Para efetuar este teste, apenas são aceites cidadãos referenciados para o mesmo, através das Saúde24 ou das autoridades sanitárias do Norte.

36 casos confirmados em Viana. 505 no Minho

O boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde desta segunda-feira vem com os números aproximados daquilo que são os casos fidedignos de infeções por Covid-19 discriminados por concelho.

Os números correspondem aos dados recolhidos até as 00:00 de segunda-feira e podem comportar apenas cerca de 75% dos casos reais. Em todo o Minho, estão confirmados 505 casos de infeção.

Braga, com 213 casos confirmados, Guimarães com 75 e Famalicão com 71 são os concelhos da região mais atingidos pela pandemia.

Fonte: DGS

Segue-se o concelho de Viana do Castelo com 36, Barcelos com 35, Vila Verde com 15, Póvoa de Lanhoso com 12, Arcos de Valdevez e Amares com 9 e Esposende com 8, Fafe com 6, Vizela e Ponte de Lima com 5. Caminha regista 3 (menos dois que ontem). Vieira do Minho entra pela primeira vez na lista, com 3 casos confirmados.

Os restantes concelhos minhotos registam menos de 3 casos, alguns ainda sem infetados, e não constam no relatório por “motivos de confidencialidade”.

140 mortos e 6.408 infetados em todo o país

Portugal regista hoje 140 mortes associadas à covid-19, mais 21 do que no domingo, e 6.408 infetados (mais 446), segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Fonte: DGS

O relatório da situação epidemiológica em Portugal, com dados atualizados até às 00:00 de segunda-feira, indica que a região Norte é a que regista o maior número de mortes (74), seguida da região Centro (34), da região de Lisboa e Vale do Tejo, com 30 óbitos, e do Algarve, que hoje regista dois mortos.

Relativamente a domingo, em que se registavam 119 mortes, hoje observou-se um aumento de 17,6% (mais 21).

De acordo com dados da DGS, há 6.408 casos confirmados, mais 446 (um aumento de 7,48%), face a domingo.

Das 140 mortes registadas, 85 tinham mais de 80 anos, 31 tinham idades entre os 70 e os 79 anos, 16 entre os 60 e os 69 anos, seis entre os 50 e os 59 anos e dois óbitos entre os 40 aos 49 anos.

Os dados da DGS, que se referem a 75% dos casos confirmados, precisam que o Porto é o concelho que regista o maior número de casos de infeção pelo coronavírus SARSCov2 (941), seguida de Lisboa (633 casos), Vila Nova de Gaia (344), Maia (313, Matosinhos (295), Gondomar (276) e Ovar (241).

Desde o dia 01 de janeiro, registaram-se 44.206 casos suspeitos, dos quais 4.845 aguardam resultado das análises.

O boletim epidemiológico indica também que há 32.953 casos em que o resultado dos testes foi negativo e que 43 doentes recuperaram.

Das 6.408 pessoas infetadas pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), a grande maioria (5.837) está a recuperar em casa, 571 (mais 85, +17,4%) estão internadas, 164 (mais 26, +18,8%) dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos.

A região Norte continua a registar o maior número de infeções, totalizando 3.801, seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo, com 1.577 casos, da região Centro (784), do Algarve (116) e do Alentejo, que hoje apresenta 45 casos.

Há ainda 41 pessoas infetadas com covid-19 nos Açores e 44 na Madeira.

A DGS regista ainda 11.482 contactos em vigilância pelas autoridades (menos 6.303).

A faixa etária mais afetada é a dos 40 aos 49 anos (1.210), seguida dos 50 aos 59 anos (1.150), dos 30 aos 39 anos (965) e dos 60 aos 69 anos (901).

Há ainda 71 casos de crianças com idades até aos nove anos, 149 de jovens com idades entre os 10 e os 19 anos e 637 com idades entre os 20 e os 29 anos.

Os dados indicam também que há 668 casos de pessoas com idades entre os 70 e os 79 anos e 657 com mais de 80 anos.

Segundo o relatório da DGS, 128 casos resultam da importação do vírus de Espanha, 93 de França, 41 do Reino Unido, 28 de Itália, 24 da Suíça, 21 dos Emirados Árabes Unidos, 13 de Andorra, 10 do Brasil, oito Países Baixos, sete da Alemanha, seis da Bélgica, cinco da Argentina, cinco dos EUA, quatro da Áustria, quatro em Cabo Verde e quatro no Canadá.

O boletim dá ainda conta de três casos importados da Índia e outros três de Israel e dois casos do Egito, dois da Irlanda e outros dois da Jamaica.

Foram ainda importados um caso da Áustria/Alemanha, Austrália, Chile, Cuba, Dinamarca, Indonésia, Irão, Luxemburgo, Malta, Maldivas, Noruega, Paquistão, Polónia, Qatar, República Checa, Tailândia, Venezuela e Ucrânia.

Segundo a DGS, 61% dos doentes positivos ao novo coronavírus apresentam como sintomas tosse, 51% febre, 35% dores musculares, 29% cefaleias, 24% fraqueza generalizada e 19% dificuldade respiratória. Esta informação refere-se a 79% dos casos.

A covid-19, causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, é uma infeção respiratória aguda que pode desencadear uma pneumonia.

Portugal, onde o primeiro caso foi confirmado a 02 de março e que está em estado de emergência até quinta-feira, entrou já na terceira e mais grave fase de resposta à doença (Fase de Mitigação), ativada quando há transmissão local, em ambiente fechado, e/ou transmissão comunitária.

Detetado em dezembro de 2019, na China, o novo coronavírus já infetou mais de 727 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 35 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 142.300 são considerados curados.

Continuar a ler

Alto Minho

Aldeia de Melgaço mantém-se em cerco sanitário após confirmação de quarto caso

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A Câmara de Melgaço decidiu hoje manter o cerco sanitário na aldeia de Parada do Monte, com 370 habitantes, após a confirmação do quarto caso de infeção pelo novo coronavírus, disse à Lusa o presidente do município.

Contactado pela agência Lusa, Manoel Batista explicou que a decisão foi tomada hoje de manhã e que será feita uma reavaliação da situação na próxima semana.

“O quarto caso de covid-19 foi confirmado no domingo. É um idoso com cerca de 80 anos. Os quatro casos estão ligados à mesma cadeia de transmissão. Um casal de emigrantes em França que chegou no início de março para visitar os pais”, disse.

Segundo o autarca socialista daquele concelho, “vamos ver como é que a situação evolui esta semana e a próxima, porque poderão surgir mais casos em pessoas que estiveram em contacto, que ficaram ligados à cadeia e que podem dar sinais da doença”.

“Consideramos importante manter o cerco sanitário até como sinal para a população de Parada do Monte e para outras aldeias”, sublinhou, garantindo estar a ser prestado “todo o apoio à população”.

“Tem sido um trabalho fantástico o que tem sido desenvolvido pela Junta de Freguesia e da paróquia local”, destacou.

A aldeia está integrada na União de Freguesia de Parada do Monte e Cubalhão, tendo no total, de acordo com o Censos de 2011, 526 habitantes.

Manoel Batista adiantou ainda que há um quinto caso de covid-19, um habitante da freguesia de Roussas que se encontra internado no hospital de Viana do Castelo “há mais de um mês e meio”.

“Trata-se de um senhor que foi internado, em fevereiro, para ser submetido a uma intervenção cirúrgica. Durante o internamento foi confirmada a infeção pelo novo coronavírus. Por não ter retaguarda familiar, não recebeu visitas nem manteve contacto com ninguém da freguesia”, especificou.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 697 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 33.200.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço mais recente da Direção-Geral da Saúde, registaram-se 119 mortes e 5.962 casos de infeções.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Alto Minho

Ponte da Barca com fronteira violada instala videovigilância, sensores e alerta de voz

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Ponte da Barca

A Câmara de Ponte da Barca, em apoio à GNR no cumprimento da missão de vigilância e controlo do posto fronteiriço da Madalena, no Lindoso, desenvolveu um sistema que vigia, alerta e dá indicações a quem tentar violar aquela fronteira, foi anunciado no domingo.

O projeto consiste na instalação de um sistema de segurança integrado, composto por videovigilância, deteção de intrusão e sistema de intervenção de voz no local e estará ligado à GNR, permitindo, deste modo, a vigilância e o controlo remoto, explica a autarquia em comunicado.

A fronteira da Madalena, em Lindoso, está interdita a toda a circulação, pedonal e rodoviária, não estando incluída na lista de nove pontos de passagem autorizados pelo Governo.

Segundo Augusto Marinho, presidente da Câmara de Ponte da Barca, “esta medida visa reforçar a confiança da população nas medidas adotadas pelo município para combater a propagação de Covid-19 no concelho de Ponte da Barca, que até este momento conta com um caso positivo, desde o início da pandemia”.

O projeto “Fronteira Segura”, cujos custos são integralmente suportados pela autarquia foi desenvolvido em parceria com uma empresa de Segurança Privada, e já está, neste momento, em condições de ser implementada, aguardando apenas avaliação final por parte da GNR e validação da Comissão Nacional de Proteção de Dados.

Continuar a ler

Populares