Seguir o O MINHO

Região

Recuperação da rede hidrográfica em concelhos afetados por incêndios tem prazo até julho

Sete protocolos encerrados, 10 em execução e dois, Fafe e Castelo de Paiva, em fase de assinatura de contrato.

em

Quase meia centena de municípios assinou hoje em Lisboa uma adenda a protocolos sobre recuperação fluvial em zonas afetadas por incêndios, permitindo concluir até julho trabalhos que estão atrasados.

Em abril e maio deste ano foram assinados 57 protocolos entre municípios afetados pelos incêndios do ano passado e o Fundo Ambiental, através da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Num balanço posterior sobre a implementação dos protocolos, feito em Coimbra, concluiu-se que “houve atraso” e que dos 57 protocolos só 10 foram concluídos, pelo que as adendas hoje assinadas se destinaram a dar condições para completar os projetos, lembrou hoje na cerimónia o vice-presidente da APA, Pimenta Machado.

O responsável disse aos autarcas presentes que até julho do próximo ano todos os projetos devem estar concluídos.

Na quarta-feira, em comunicado, a APA já tinha anunciado a assinatura de 48 protocolos no âmbito de trabalhos de regularização fluvial, um investimento de 12 milhões de euros.

“Estas intervenções urgentes e inadiáveis de regularização fluvial decorrem de protocolos de colaboração entre a APA e os municípios de forma a garantir o escoamento nas linhas de água afetadas, remover os sedimentos e outro material nos leitos e recuperar a secção de vazão das passagens hidráulicas e pontões”, lê-se na informação divulgada pela agência.

Num balanço sobre a evolução dos trabalhos, hoje feito na sede da APA, na Administração da Região Hidrográfica (ARH) do Norte estão sete protocolos encerrados, 10 em execução e dois, Fafe e Castelo de Paiva, em fase de assinatura de contrato.

Na ARH do Centro nenhum dos 24 protocolos assinados está concluído. Sete estão em fase de execução, oito em fase de contratação e nove em fase de concurso.

Já na ARH do Tejo e Oeste, dos 14 projetos há três concluídos.

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, salientou no final da assinatura das adendas a “elevada expetativa” que do trabalho resulte não só a recuperação fluvial, mas também mais qualidade da água e da biodiversidade.

Em abril passado, em Alijó, o ministro do Ambiente anunciava um investimento de 16,2 milhões de euros para intervir em 1.360 quilómetros da rede hidrográfica de 57 concelhos afetados pelos incêndios em 2017.

“A rede hidrográfica é fundamental na estruturação do território (…). O conjunto de ecossistemas que existem à volta desta mesma rede hidrográfica é absolutamente fundamental para estruturar o território e dar-lhe resiliência. Dito de outra forma, uma rede hidrográfica limpa, que tem nas suas margens a vegetação que é suposto ter, é mais resistente ao fogo”, disse João Pedro Matos Fernandes na altura.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Barcelos

GNR de Barcelos deteve homem no aeroporto suspeito do crime de violência doméstica

Tentava fugir do país.

em

Foto: DR/Arquivo

O posto da GNR de Barcelos, em colaboração com agentes da Esquadra da PSP do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, deteve, domingo, um homem, de 35 anos, natural e residente no concelho de Barcelos, sobre o qual pendia um mandado de detenção, pelo crime de violência doméstica.

Fonte policial adiantou a O MINHO que o indivíduo foi detido na zona de embarque do aeroporto, quando se preparava para, fugir do territorio nacional, embarcando num voo com destino a Zurich – Suiça.

O detido ficou nas instalações da GNR de Barcelos, e foi, hoje, presente aos Serviços do Ministerio Público do Tribunal Judicial de Barcelos, para aplicação de medidas de coação.

Continuar a ler

Braga

Octogenário morreu atropelado em Vieira do Minho

Óbito foi declarado no local.

em

Foto: "RIO LONGO E NOTÍCIAS"

Um octogenário foi esta noite atropelado mortalmente, quando seguia pela EN103, na zona das Cerdeirinhas, em Tabuaças, Vieira do Minho.

A vítima, de 88 anos, residente na freguesia vizinha de Serzedelo, do concelho da Póvoa de Lanhoso, entrou em paragem cardiorrespiratória, não tendo sido possível reverter-lhe a situação.

No local estiveram a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Grupo de INEM de Braga. os Bombeiros Voluntários de Vieira do Minho e o Posto Territorial da Guarda Nacional Republicana de Vieira de Minho.

O Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação (NICAV) do Destacamento de Trânsito do Comando Territorial da GNR de Braga encontra-se já no local a proceder a peritagens.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Artes de pesca ilegais apreendidas em Viana do Castelo

Na semana passada.

em

Foto: Divulgação/Autoridade Marítima Nacional

A Polícia Marítima de Viana do Castelo apreendeu diverso material na semana passada, durante uma missão de fiscalização no mar territorial direcionada à pesca profissional, com incidência na utilização de artes de pesca sem a respetiva licença ou que não cumpra os requisitos legais no que diz respeito às caraterísticas.

Resultante desta ação foi intercetada uma embarcação de pesca local em plena faina a utilizar armadilhas de gaiola, vulgarmente conhecidas como covos, e após ter sido verificada a licença de pesca confirmou-se não estar licenciada para o tipo de arte.

A caceia, composta por três dezenas de armadilhas, foi apreendida e foi elaborado o respetivo expediente.

Continuar a ler

Populares