Seguir o O MINHO

Ponte de Lima

Rali de Portugal “não tem retorno económico suficiente” para Ponte de Lima

Município não aceitou montantes pedidos pela organização

em

Rali de Portugal em Ponte de Lima. Foto: Rally de Portugal / Divulgação (2018)

O município de Ponte de Lima não aceitou as condições pedidas pelo Automóvel Club de Portugal (ACP) para que o Rali de Portugal de 2019 atravessasse o concelho, por entender que “não tem retorno económico suficiente”.

O seu presidente Victor Mendes disse a O MINHO que apresentou uma contra-proposta à organização, com verbas menos avultadas, mas a mesma não foi aceite.

“É simples. Gostaríamos de voltar a ter o rali, mas cabe-nos gerir bem os recursos à nossa disposição”, disse.

A proposta da autarquia limiana previa passagens pelas estradas concelhias e também pelo centro histórico da vila.

Conforme foi hoje revelado, o rali regressa à zona Centro do país, com a partida em Coimbra e passagens por Lousã, Góis e Arganil, mas deixa de fora passagens por Viana do Castelo, Ponte de Lima e Caminha.

O presidente do ACP, Carlos Barbosa, vincou a expectativa da organização de este ano “aumentar o retorno” económico de 138 milhões de euros gerados na anterior edição, apesar de considerar “excecional” a magnitude dos números do ano passado.

“Este ano o Rali vai ser excecional, pois vamos, finalmente, à zona Centro, que era uma grande ambição do Rali de Portugal há já uma série de anos. Com a saída de três câmaras do Norte – Caminha, Viana do Castelo e Ponte de Lima –, pudemos fazer o troço de Góis, Lousã e Arganil. Estamos muito contentes por poder voltar ao Centro e nos aproximarmos do velho figurino do Rali de Portugal”, afirmou.

O programa do Rali conta com um percurso de 1.463,55 quilómetros, dos quais 311,59 cronometrados ao longo de 20 especiais de classificação.

O ‘shakedown’ tem lugar a 30 de maio no circuito de Baltar, em Paredes, seguindo-se a partida da porta férrea da Universidade de Coimbra.

Populares