Seguir o O MINHO

Valença

Quinze são os espetáculos que marcam o ano em Valença

6tàs9 e Amigos e Ciclo de Jazz abrem programação

em

Foto: Divulgação / CM Valença

O Centro de Inovação e Logística de Valença (CILV) vai receber 15 espetáculos, ao longo de 2019, que vão marcar o ano cultural valenciano.

19 de janeiro, às 21h30, arranca a programação com um espetáculo do grupo valenciano 6tàs9 e do grupo Os Teimosos. A tradição da música popular portuguesa marca o ritmo.

O jazz regressa a Valença em 26 de janeiro, com o IIº Ciclo de Jazz de Valença. Depois do sucesso da primeira edição Valença promete um ciclo de quatro espetáculos que começa a 26 de janeiro e termina a 27 de abril.

1 e 2 de fevereiro, às 21h30, é a vez do espetáculo de teatro “Fogo Lento”, subir ao palco do CILV, com uma produção da companhia de teatro do Vale do Minho Comédias do Minho em parceria com o Festival Interrnacional de Marionetas do Porto e Teatro Municipal do Porto.

A 17 de fevereiro, às 15h30, o auditório recebe o concerto comemorativo 33º Aniversário Coral Polifónico S. Teotónio, inserido nas Comemorações do Feriado Municipal de Valença.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Valença

Contabilista de Valença condenada a oito anos de prisão por tráfico de cocaína

Mais dois estrangeiros foram também condenados

em

Foto: DR

O Tribunal de Matosinhos aplicou hoje penas até oito anos e meio de prisão a três pessoas por tráfico de cocaína da Colômbia para Portugal no fundo falso de um contentor.

A única pessoa portuguesa do grupo, uma contabilista de Valença, foi condenada a oito anos de cadeia, menos seis meses do que a pena aplicada a dois estrangeiros envolvidos neste caso.

Um outro homem estrangeiro, que o tribunal considerou ter tido “menos gravoso” no caso, foi condenado a quatro anos e meio de reclusão, pena suspensa por igual período.

Relativamente a um quinto arguido, de igual modo estrangeiro, o coletivo de juízes de Matosinhos optou pela absolvição, porque “não havia prova suficiente para o enquadrar nos atos em causa”.

Nas alegações finais, em 14 de janeiro, o Ministério Público (MP) tinha pedido a condenação de todos os cinco arguidos, que estavam acusados pela prática de um crime de tráfico de droga agravado.

A acusação deste processo surgiu após a Polícia Judiciária ter encontrado 39 quilos de cocaína no fundo falso de um contentor de peles que tinha chegado ao porto de Leixões em 09 de setembro de 2017.

Segundo o MP, a polícia deixou que o contentor seguisse para o destino que os arguidos planeavam, Valença, atuando nessa altura.

O processo chegou a ter um sexto arguido, que vai ser julgado em separado.

Continuar a ler

Valença

Já há lampreia em Valença

Até Abril é possível provar o prato típico

em

Foto: CM Valença

Lampreia é rainha à mesa, em Valença, até meados de abril, em 23 restaurantes. A considerada melhor lampreia do mundo, apresenta-se como um prato de excelência, desta temporada mais friorenta.

A tradição apresenta a lampreia, em Valença, à bordalesa, em arroz de lampreia, recheada, assada no forno ou na brasa.

Por esta época saborear a lampreia é uma verdadeira romaria, no mínimo uma vez por ano, assim manda a tradição. Os segredos da preparação, confeção e apresentação tem passado de geração para geração pelas mãos sábias das cozinhas das aldeias que a restauração local recria.

As primeiras lampreias da época já estão a sair nas redadas dos pescadores das comunidades de São Pedro da Torre e Cristelo Côvo e segundo os mesmos “é de excelente qualidade”.

A lampreia é um prato de época e é entre janeiro e abril que se apresenta na plenitude dos seus sabores.

Continuar a ler

Valença

Valença com incentivos fiscais para cativar empresas e fixar população

Regulamento está em vigor desde o início do ano

em

Foto: DR

Os empreendimentos turísticos, o acolhimento empresarial, as operações de loteamento, a reabilitação do centro histórico e os empreendimentos de interesse municipal são as áreas abrangidas pelo regime de incentivos da Câmara de Valença para 2019.

Os incentivos já estão em vigor, têm validade de um ano e só se aplica a processos iniciados a este ano bem como aos processos pendentes ou que ainda não tenham liquidado as respetivas taxas.

Segundo o documento, as operações urbanísticas relativas a novos empreendimentos turísticos ou revitalização, alteração e ampliação de existentes, beneficiam de “redução de 50 % nas taxas de emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia, da Taxa Municipal da Urbanização (TMU) e das compensações devidas por aplicação do regime de cedências” e ainda da “agilização e acompanhamento dos procedimentos de licenciamento”.

Já as novas unidades e empresariais/industriais ou de ampliação de unidades já existentes beneficiam de “redução de 50 % nas taxas de emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia, da TMU e das compensações devidas pela aplicação do regime de cedências”.

Fixação populacional

A autarquia decidiu ainda “reduzir de 50 % no valor das compensações devidas por aplicação do regime de cedências e dispensar de caução na liquidação de taxas e para as obras de urbanização” as operações de loteamento e edifícios com impacto semelhante a loteamento, destinados a habitação e mistos.

A construção, reconstrução, ampliação e alteração de moradias unifamiliares destinadas a habitação própria e residência permanente são beneficiadas com “a redução de 50 % em todas as taxas, e da TMU”. O Lugar de Gondelim na freguesia de Cerdal e as freguesias de Boivão, Gondomil e Sanfins, Fontoura, Taião e Silva e S. Julião têm reduções especiais.

Reabilitação do Centro Histórico

Estas intervenções estão isentas de taxas de emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação prévia e das compensações devidas por aplicação do regime de cedências e serviço de arqueologia gratuito.

Continuar a ler

Populares