Seguir o O MINHO

Opinião

Puxar a cassete atrás

O nosso país não tem apenas o problema do “centralismo de Portugal”, sofre também do “centralismo do Norte”

em

ARTIGO DE RODRIGO OLIVEIRA

Mestrando em Administração Pública. Secretário-Geral JSD Guimarães.

Podemos recordar a polémica protagonizada pela infeliz frase da TVI? Comecemos pelo início de toda a história.

No jornal da noite do dia 13 de abril, a estação televisiva detida pela Media Capital apresenta uma peça onde se procurava compreender o porquê de o Norte do país concentrar cerca de 60% do número de infetados e dos óbitos por covid-19 registados em Portugal. O problema surge quando a frase que acompanha a peça é “População menos educada, mais pobre, envelhecida e concentrada em lares”.

A partir daqui é fácil de perceber que os nortenhos, e bem, não se iam deixar ficar.

As partilhas em redes sociais não paravam. Os internautas geraram uma rede de indignação perante a infeliz frase da TVI que levaram a um pedido de desculpas, em direto, por parte do diretor de informação da estação, Sérgio Figueiredo.

Até aqui tudo bem, mas este assunto mostrou-nos algumas coisas muito mais importantes do que um “erro grosseiro”.

1. O poder da opinião pública e das redes sociais. Se dúvidas existissem em relação a isto, caíram por terra. A onda de indignação gerada nas redes sociais pela nossa gente do Norte obrigou o diretor de informação da TVI a considerar a frase como um “erro grosseiro” e a pedir desculpa por toda a peça.

Mas será esta indignação merecedora de tanto “alarido”?

É certo que a expressão nos pode caracterizar como pessoas com falta de educação, de mal educados, mas falavam apenas de habilitações literárias. Deixem-me acrescentar, mesmo que a frase fosse “população com menos habilitações literárias, mais pobre, envelhecida e concentrada em lares” continuava a não fazer muito sentido. Isto porque não ter estudos, ser pobre ou velho não provoca por si a transmissão da covid-19.

Para além disso não é verdade que a zona Norte seja uma região onde o nível de educação seja muito mais baixo do resto do país.

No entanto, e olhando apenas para a frase, se expressão utilizada fosse “População com menos habilitações literárias” a indignação seria a mesma? A mim parece-me que não. Apesar disso, reconheço que a frase é totalmente infeliz e a indignação é legítima e, no fundo, representa o estereótipo de superioridade intelectual que o Sul tem em relação ao Norte.

2. Reação de Rui Moreia. O presidente da Câmara Municipal do Porto viu a sua publicação no Facebook sobre o tema ser partilhada mais de 40 mil vezes. Num texto onde procura mostrar a infelicidade da frase, o infeliz sentimento de superioridade do sul, acaba por ser, também ele, infeliz. Depois de na sua publicação conseguir mostrar todo o ridículo da peça jornalística da TVI, conseguiu borrar a pintura ao terminar com um “Tudo isto tem, é claro, um nome. Chama-se “portofobia”.

Ora, se a frase da TVI mostra “um sentimento arreigado em pessoas que acham que este país seria melhor sem o Norte”, o que mostra a expressão “portofobia”, de Rui Moreira? O nosso país não tem apenas o problema do “centralismo de Portugal”, sofre também do “centralismo do Norte”.

Estou certo de que Rui Moreira saberá o que vou dizer, mas o Norte não se resume à cidade do Porto.

3. Não nos indignados com coisas mais importantes. Quem é do Norte sempre sentiu que “cá, no Norte, trabalhamos para eles ficarem com o nosso dinheiro”. O Norte sempre foi o motor económico deste país, ficando a capital reservada serviços.

Este centralismo sempre foi um problema de Portugal e maior parte das vezes tendo piores consequências para a dia dos nortenhos do que uma frase num jornal da noite.

Basta uma pesquisa de poucos minutos para percebermos que já não é de agora que existem denuncias de fundos europeus que foram desviados para serem aplicados em Lisboa. A onda de indignação sobre este tema? Não existiu.

Se continuarmos a pesquisa para temas mais atuais é fácil de encontrar as queixas de muitos autarcas, em relação ao desvio de material de combate à covid-19 para Lisboa.

A onda de indignação sobre este assunto? Não existiu.

Mas como vos disse este é um fenómeno que também acontece dentro do Norte. Pegando nos mesmo temas.

Fundos europeus que deveriam ser aplicados em Bragança são aplicados onde? Exatamente, no Porto.

Material para combate à pandemia, nomeadamente ventiladores, foram distribuídos pelo Norte. Quantos chegaram a Vila Real? Zero.

Estes são apenas dois exemplos que nos afetam verdadeiramente e que simplesmente nos passam ao lado porque não “dizem mal de nós”. Parece que quando nos roubam, quando nos tiram recursos, quando procuram centralizar tudo em Lisboa (ou mesmo no Porto), quando estão diretamente a travar o nosso desenvolvimento somos capazes de perdoar, de esquecer, de não ligar e de não fazer, muitas vezes, caso disso. Agora, se for uma frase infeliz de um jornalista, isso é que já não pode ser.

4. Necessidade de mudar o foco. Com este texto não quero dizer que a indignação gerada em torno da questão da TVI não seja importante porque o é. O que quero passar é a urgência de conseguirmos, da mesma forma que o fizemos com a TVI, bater o pé e mostrar a indignação perante outros temas de elevada importância.

É já tempo de os fundos europeus serem aplicados nas regiões para os quais estão destinados, é já tempo de o material ser distribuído por onde faz falta, é já tempo que as ondas de indignação se foquem naquilo que nos prejudica diretamente.

A opinião pública tem um poder inabalável que não pode ser desperdiçado. Mudemos o foco.

Rodrigo Oliveira

Populares