Seguir o O MINHO

Região

PSD: Candidatos a deputado, por Braga e Viana do Castelo

Eleições legislativas

em

Foto: DR / Arquivo

O PSD apresentou esta terça-feira as listas de deputados para as próximas eleições legislativas de 30 de janeiro. As listas foram aprovadas pelo Conselho Nacional, reunido em Évora, já perto da uma da madrugada com 67 votos a favor, 21 contra e seis abstenções.

Nos distritos de Braga e Viana do Castelo, os nomes apresentados foram os seguintes:

Braga

Nas últimas legislativas foram eleitos oito deputados.

1.º André Coelho Lima
2.º Firmino Marques
3.º Clara Marques Mendes
4.º Carlos Eduardo Reis
5.º Jorge Paulo Oliveira
6.º Gabriela Fonseca
7.º Bruno Coimbra
8.º Carlos Cação
9.º Regina Penedo
10.º Bruno Fernandes
11.º Cristiano Pinheiro
12.º Celeste Cardoso
13.º João Figueiredo
14.º Jorge Pedrosa
15.º Sofia Alcaide
16.º Laura Magalhães
17.º Luís Carvalho
18.º Clara Castro
19.º Maria José Ramos

Viana do Castelo

Nas últimas legislativas foram eleitos três deputados.

1.º Jorge Mendes
2.º Emília Cerqueira
3.º João Montenegro
4.º José Carlos Vasconcelos
5.º Felismina Carlota da Rocha Barros
6.º Vítor Morais da Cruz

Eduardo Teixeira de fora

Eduardo Teixeira, líder da concelhia de Viana do Castelo do PSD, tinha sido número três da lista nas últimas eleições, mas desta vez não surge na lista. De resto, os dois primeiros candidatos do Alto Minho são os mesmos de há dois anos.

Já na lista por Braga, os cinco primeiros nomes também são os mesmos das últimas legislativas.

No entanto, em ambas as listas há elementos de fora dos respetivos distritos. No caso de Braga, em sétimo lugar surge Bruno Coimbra, de Aveiro. Em Viana do Castelo, no terceiro lugar, aparece João Montenegro, de Viseu.

Hoje, no final da reunião da Comissão Política Nacional, Rui Rio admitiu que existiram algumas “clarificações” na lista de candidatos a deputados, mas recusou que tenha havido uma “limpeza étnica”, considerando que continuam a conviver “muitas etnias” na proposta da direção.

“Fizemos um esforço de renovação particularmente em deputados que possam estar há muitos anos no parlamento”, afirmou.

Quanto aos sinais de unidade, Rio considerou que foi tentado “um equilíbrio” com as propostas feitas pelas comissões políticas distritais e concelhias.

“Não entrarmos numa situação em que só olhamos para aqueles que estavam do meu lado e correndo com os que estavam do outro”, afirmou, numa referência às recentes eleições diretas em que derrotou o eurodeputado Paulo Rangel.

Notícia atualizada às 00h57 com a confirmação da aprovação das listas.

Populares