Seguir o O MINHO

País

PS vence eleições legislativas

Com maioria relativa

em

Foto: Arquivo

O Partido Socialista (PS) foi o partido mais votado, nas eleições legislativas que se realizaram este domingo, 06 de outubro, em Portugal.


As projeções dos resultados eleitorais divulgadas por RTP, SIC e TVI dão a vitória ao PS nas eleições legislativas, com entre 34% e 40% dos votos, seguindo-se o PSD, com entre 24,2% e 31%.

Segundo as projeções de resultados que as televisões divulgaram pelas 20:00, após o encerramento das urnas nos Açores, quatro partidos poderão pela primeira vez ter representação parlamentar: Iniciativa Liberal, Chega, Livre e Aliança.

As mesmas projeções indicam que os números da abstenção situam-se entre os 35,4% e os 51%.

(em atualização)

Filme dos acontecimentos

Domingo, 06 de outubro

08:00 – As mesas de voto para as eleições legislativas abriram hoje às 08:00 em Portugal Continental e na Madeira, encerrando às 19:00.

09:00 – As mesas de voto para as eleições legislativas abriram hoje às 08:00 (hora local) nos Açores, uma hora depois de Portugal Continental e da Madeira, devido à diferença horária.

Populares de Morgade que se opõem à exploração de uma mina de lítio a céu aberto nesta freguesia de Montalegre repetiram hoje um “voto de protesto” e recusam-se a votar nas eleições legislativas. Verificou-se uma tentativa de boicote em três mesas de voto das aldeias de Morgade, Cortiço e Arcos, no concelho de Montalegre, distrito de Vila Real. Em Cortiço e Arcos foram encontradas chaves partidas nas fechaduras das portas dos edifícios e, em Morgade, os portões estavam fechados com cadeados e a fechadura da porta colada. No entanto, as três mesas de voto estavam a funcionar normalmente às 08:00, hora do início do ato eleitoral.

Os habitantes da freguesia de Malcata, no concelho do Sabugal, no distrito da Guarda, estão a abster-se de votar, por estarem descontentes com o funcionamento da barragem local. O presidente da Junta de Freguesia de Malcata, João Vítor, disse à agência Lusa que a mesa de voto “abriu normalmente às 08:00”, mas como a população “decidiu não votar”, pelas 09:30, apenas tinham votado dois eleitores.

10:00 – O secretário-geral do PS e primeiro-ministro António Costa esperou alguns minutos nas filas da Escola Básica 1 Jorge Barradas para votar. António Costa apelou à participação dos portugueses dizendo esperar que “cada um faça a escolha que deseja fazer” e defendendo que “haja uma grande participação eleitoral. Questionado sobre a campanha disse que “hoje não é o dia próprio para fazer comentário político. Hoje é o dia de os cidadãos falarem e fazerem as suas escolhas”. Esta tarde, Costa vai ver os sítios que a filha está a escolher para casar.

10:10 – A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins votou na escola secundária Almeida Garret, em Vila Nova de Gaia afirmando que “é muito importante a participação”.

“O apelo que faço é que não deixem de vir votar. Hoje é o dia em que todos nós temos o mesmo poder de escolher que projeto temos para o país”, afirmou aos jornalistas. “O apelo que fazemos é sempre este, que ninguém deixe de exercer o seu direito de voto”, disse. Catarina Martins afirmou que ia ficar algum tempo com a família e mais tarde iria para Lisboa.

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Manuel Clemente, falando aos jornalistas no Vaticano, disse que as eleições legislativas de hoje são “um momento decisivo”, pelo que ninguém se deve abster. “Este é um momento decisivo para a vida de todos nós e não nos podemos abster”, afirmou aos jornalistas Manuel Clemente, considerando que a abstenção “é sempre algo que faz pena, porque, por uma razão ou por outra – cada um sabe de si – as pessoas não vão votar”. Clemente participou na missa que inaugurou o Sínodo dos Bispos para a Amazónia e no sábado esteve no consistório que investiu o português Tolentino Mendonça como cardeal, ambos presididos pelo Papa Francisco.

10:58 – O secretário-geral do PCP mostrou-se hoje “tranquilo” ao votar para as eleições legislativas e destacou a novidade de o seu neto mais velho, Rui Pedro, ir também votar pela primeira vez na vida. Jerónimo de Sousa chegou a pé e acompanhado por um segurança e um elemento do gabinete de imprensa do PCP ao Grupo Desportivo de Pirescôxe, Santa Iria da Azoia, Loures. “Tranquilo. Já tive a primeira alegria, que foi o facto de o meu neto mais velho ir votar pela primeira vez. Um direito que eu não tinha quando tinha a idade dele”, congratulou-se, sem querer dar “palpites” sobre os resultados.

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, fez hoje um apelo ao voto nas legislativas, considerando que a importância do sufrágio “é evidente” para Portugal e para os Açores.

“A importância destas eleições é evidente, e tem sido realçada, desde logo pelo Presidente da República, mas também por todos os partidos”, considerou o governante. Vasco Cordeiro votou hoje pouco depois das 09:00 locais (menos uma que em Portugal continental) em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel. Elogiando o “bom tempo para votar”, o chefe do executivo açoriano lembrou que há “várias opções possíveis” para os cidadãos votarem, “projetos políticos” diferentes e formas também diferentes de usar o voto.

O presidente do PSD manifestou-se hoje “tranquilo” e “satisfeito” após “cumprir a obrigação” de votar e, num apelo contra a abstenção, notou que, “se nenhum partido agrada, a solução não é não ir”, é “votar em branco”.

“Se nenhum partido agrada, a solução não é não ir. É votar em branco”, afirmou Rui Rio após votar na junta de freguesia de Massarelos, no Porto, acompanhado da filha que votou pela primeira vez na primeira eleição legislativa a que o pai concorre como líder do PSD.

Em declarações aos jornalistas, o presidente social-democrata disse esperar “que as pessoas cumpram o seu dever cívico e vão à urna”, até por “gratidão por todos os que lutaram para que hoje se possa votar livremente”.

11:30 – O antigo Presidente da República Jorge Sampaio apelou hoje aos portugueses para que votem nas eleições legislativas, considerando fundamental para a democracia a participação. “É fundamental que votem porque é a única maneira de podermos exprimir as nossas convicções, opiniões, visão sobre o futuro que cada um deve ter e assumir a nossa parte de responsabilidade”, disse à agência Lusa Jorge Sampaio, após ter votado na Escola Básica Marquesa de Alorna, em Lisboa. Sampaio votou cerca das 11:30 acompanhado pela mulher, Maria José Ritta.

O líder do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), André Silva, considerou hoje que o partido vai continuar “a fazer a mesma política que tem feito nos últimos quatros anos”, contribuindo para que “Portugal seja um lugar melhor para se viver”. O líder do PAN falava à imprensa depois de exercer o seu direito de voto numa escola, em Lisboa. Sereno e tranquilo, André Silva referiu que o PAN não é um partido de Governo, que “não é tempo de o PAN estar no Governo”.

12:16 – A presidente do CDS-PP teve hoje de esperar mais de 50 minutos para votar, disse ter esperança que a abstenção baixe e fez um apelo à participação de todos nas eleições, porque “cada voto conta”. Assunção Cristas, depois de exercer o seu direito de voto na escola secundária de Miraflores, Algés, Lisboa, disse esperar que “a abstenção possa baixar significativamente”, referindo-se ao grande número de pessoas a votar a essa hora.

13:09 – Cerca de dois milhões de eleitores já tinham votado às 12:00 de hoje, o que representa 18,83% dos 9,3 milhões de eleitores inscritos em território nacional.

De acordo com informação do Ministério da Administração Interna, às 12:00 de hoje a afluência média às urnas na eleição da Assembleia de República estima-se em 18,83%. Nas últimas eleições legislativas, realizadas em 04 de outubro de 2015, a afluência média às urnas à mesma hora estimava-se em 20,65%. Contactado pela agência Lusa, o porta-voz da CNE, João Tiago Machado, afirmou que o processo eleitoral está a decorrer dentro da normalidade.

“Os pedidos de esclarecimento que têm havido enquadram-se dentro do normal de um dia pacífico de eleições”, afirmou João Tiago Machado.

O Presidente da República disse, depois de ter votado, que “está nas mãos dos portugueses, votando, mostrarem que estão atentos ao mundo, atentos à Europa e atentos ao que se passa”.

“Demitirem-se do exercício do direito de voto, penso eu, é um erro. É legítimo, mas é um erro”, acentuou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, onde tem raízes familiares e chegou a ser presidente da assembleia municipal durante dois mandatos. “O apelo que eu faço, renovado, é que as pessoas percebam que vão ser quatro anos com estas dificuldades que virão lá de fora, quase inevitavelmente. Quatro anos em que o voto de hoje vai ter uma importância fundamental”.

Os três portões da assembleia de voto em Perelhal, Barcelos, estavam hoje fechados a cadeado, mas o espaço foi aberto “a tempos e horas”, decorrendo o ato eleitoral “dentro de toda a normalidade”, disse o presidente da junta admitindo tratar-se de um protesto contra a passagem na freguesia de uma linha de muito alta tensão.

“Quando chegámos, pelas 07:00, os três portões que dão acesso à Junta estavam fechados a cadeado. A GNR foi chamada e removeu os cadeados cerca das 07:35, permitindo a abertura a tempo e horas”, referiu. Segundo o autarca, o ato eleitoral decorre “dentro de toda a normalidade”, com “razoável” afluência às urnas.

O delegado do BE à Assembleia de voto de Maximinos, em Braga, apresentou hoje um protesto contra o que considerou ser uma “tentativa de persuasão” por elementos daquela junta de freguesia ao “encaminhar” os eleitores para as urnas. Em declarações à Lusa, Jorge Vilela explicou que estavam elementos da Junta de Freguesia, afeta ao CDS, à porta do edifício a “receber e encaminhar” quem lá chegava, tendo mesmo visto casos em que “tiraram das mãos os cartões de cidadão” dos eleitores e os “acompanharam até às urnas”.

Confrontado com estas acusações, o presidente da junta, Luís Pedroso, considerou aquelas acusações de “inqualificáveis” e que só “podem ser feitas por quem não conhece a realidade”, tendo em conta as “alterações de mesas e locais” neste ato eleitoral.

A Guarda Nacional Republicana registou seis pequenos incidentes em mesas de voto das eleições legislativas ao início do dia, resolvidos em minutos, disse à Lusa fonte daquela força. “Temos à nossa responsabilidade 6.199 mesas de voto e já houve algumas ocorrências prontamente resolvidas. Não existe nenhuma mesa de voto encerrada”, disse o oficial de dia do Comando Geral da GNR. Três incidentes ocorreram em Vila Real, um no Porto, um em Braga e outro em Faro. A GNR destacou para hoje mais de 5.000 militares.

16:00 – Mais de quatro milhões de pessoas já tinham votado até às 16:00 de hoje, o que representa 38,59% dos 9,3 milhões de eleitores inscritos em território nacional, segundo informação do Ministério da Administração Interna.

Nas últimas legislativas, realizadas em 04 de outubro de 2015, com um universo de votantes em território nacional de 9,4 milhões de eleitores, a afluência média às urnas à mesma hora estimava-se em 44,38%.

O ex-Presidente da República António Ramalho Eanes afirmou que o elevado número de partidos que concorrem às legislativas oferece um maior número de opções aos portugueses e disse que, infelizmente, está convencido que a abstenção vai ser elevada. Tal como faz há décadas, o general Ramalho Eanes votou acompanhado da mulher, Manuela Eanes, na Escola Luís António Verney, freguesia do Beato, parando várias vezes para receber os cumprimentos de populares. Sobre a campanha, António Ramalho Eanes considera que esta “correu bastante bem”.

18:15 – A Comissão Nacional de Eleições (CNE) indica não ter recebido qualquer queixa relativamente a boicotes durante as votações, nem registo de incidentes significativos. O porta-voz da CNE, João Tiago Machado, disse à Lusa que até cerca das 18:15 não foi recebida qualquer queixa relativa a um boicote eleitoral. O responsável lembrou que coisa diferente de encerrar urnas e impedir as pessoas de votar são eventuais incentivos a “uma abstenção massificada”, mas em relação a isso a CNE só conseguirá apurar conclusões com os resultados eleitorais.

O presidente do Governo Regional da Madeira e cabeça de lista do PSD pelo arquipélago, Miguel Albuquerque, votou na Escola Básica da Ajuda, no Funchal, onde apelou à participação e se manifestou confiante na vitória. “As expectativas são muito claras: nós já ganhámos as europeias [em maio], ganhámos as regionais [em setembro], a nossa ideia é fazer 3-0, ganhar também as nacionais”, afirmou.

Miguel Albuquerque, que votou já depois das 17:00 por ter estado ausente da região, reconheceu que a margem do PSD tem vindo a diminuir de eleição para eleição, facto que atribui ao “voto útil” do eleitorado de esquerda, situação que, por outro lado, conduz à “extinção” dos pequenos partidos que se “albergam por baixo da asa do PS”.

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou à entrada do hotel onde irá acompanhar a noite eleitoral que não tem discursos preparados, mas apenas “tópicos” para ler após conhecer os resultados. À chegada ao hotel, Rui Rio disse aos jornalistas que está “bem-disposto”, acrescentando que essa é, aliás, uma característica sua. Questionado sobre se trazia um ou dois discursos, o presidente do PSD e candidato disse não ter nada preparado: “Nada para ler”. Também não irá falar de improviso, mas antes “por tópicos”, revelou.

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, chegou cerca das 18:00 à sede nacional do partido em Lisboa, afirmando-se tranquila para acompanhar a noite eleitoral das legislativas. Assunção Cristas vai seguir a noite eleitoral no segundo andar da sede do partido, acompanhada de membros da sua direção. A líder centrista afirmou-se “expectante e com muita tranquilidade”.

Eleitores que votam numa escola do centro de Vila Nova de Gaia queixaram-se de terem de enfrentar longas filas, numa secção onde o número de mesas de voto foi reduzido de 15 para oito. Em causa estão as secções de voto instaladas na Escola Secundária António Sérgio, na freguesia urbana de Mafamude, onde há registos de eleitores que esperaram mais de uma hora pela sua vez, desistiram e voltaram mais tarde, para nova e longa espera. Para votar nas 15 mesas de voto da escola em causa foram inscritos 11.119 eleitores e até às 15:30 tinham votado 4.775. Contactado pela Lusa, o presidente da Junta de Freguesia, João Paulo Correia, sublinhou que não é a autarquia que determina a organização das mesas de voto.

19:00 – As assembleias de voto em Portugal Continental e na Madeira encerraram hoje às 19:00, fechando uma hora depois nos Açores, devido à diferença horária. Para estas eleições estavam recenseados 10.811.436 eleitores, mais cerca de 1,1 milhões do que nas anteriores legislativas, em 2015, devido ao recenseamento automático no estrangeiro.

As projeções das televisões para a abstenção nas eleições legislativas de hoje situam-se entre os 35,4% e os 51%. A RTP avançou às 19:00 com uma previsão de abstenção de 44% a 49%, a SIC com 47,5% e 51% e a TVI entre os 35,4% e os 39,4%.

Anúncio

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: O MINHO / Arquivo

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta sexta-feira, 10 de julho: 15, 17, 23, 30 e 38 (números) e 2 e 7 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 17 milhões de euros.

Continuar a ler

País

ANA – Aeroportos avança com plano de “saídas voluntárias”

Covid-19

em

Foto: voltaaomundo.pt / DR / Arquivo

A ANA – Aeroportos de Portugal, gestora dos aeroportos nacionais, vai avançar com “um plano de saídas voluntárias”, no âmbito do redimensionamento das suas equipas, por causa do impacto da covid-19, segundo uma mensagem do presidente da empresa.

“Perante uma crise que sabemos agora ser duradoura, é também necessário, desde já, um redimensionamento das nossas equipas. Assim, simultaneamente, pedi a cada Direção que identificasse as atuais necessidades para, em conjunto com a direção de Recursos Humanos, ser elaborado um plano de saídas voluntárias”, referiu Thierry Ligonnière, num ‘email’, enviado aos colaboradores, a que a Lusa teve acesso.

“Há três meses, os efeitos previsíveis da pandemia covid-19 no nosso negócio levaram-nos a iniciar um importante plano de redução de custos para assegurar que a nossa empresa mantenha um perfil de fluxo de caixa suficiente para cumprir com as nossas obrigações até ao esperado reinício das viagens aéreas e turismo” começa por explicar o gestor.

Thierry Ligonnière salientou que, tendo em conta que o tráfego estava quase parado “uma grande parte dos serviços prestados foi renegociada, alguns deles foram internalizados, adiados ou simplesmente cancelados”, tendo o grupo, detido pela Vinci, revisto os “investimentos, mantendo este ano apenas os trabalhos em curso e os projetos correspondentes às obrigações contratuais ou regulamentares, ou às necessidades urgentes de manutenção pesada”.

Neste momento, o “nível de recuperação do tráfego está infelizmente muito longe daquilo que esperávamos, e existem grandes incertezas”, referiu o presidente da ANA, indicando a situação da TAP e da SATA, bem como a ausência de Portugal dos corredores aéreos com Inglaterra como “motivos de crescente preocupação”.

“A queda do tráfego é acentuada pela redução proporcional das nossas tarifas, que a nossa regulação nos obriga a fazer. Do lado não regulado, existe uma forte pressão dos nossos clientes, que são menos resistentes do que nós, para reequilibrarmos as condições que lhes permitiriam evitar uma cessação da atividade”, salientou o gestor.

Ligonnière referiu depois que, face a este contexto, é preciso intensificar os “esforços de contenção de custos”, incluindo a “utilidade de cada despesa”, e a reavaliação de todas as compras e para reconstruir a estrutura de custos “numa base zero”.

“Também no que diz respeito à massa salarial, é inevitável que tenhamos de ir mais longe, favorecendo, sempre que possível, o recurso a medidas de caráter voluntário”, indicou, adiantando que foram propostos dois mecanismos aos trabalhadores.

Assim, os funcionários poderão optar pela “redução do horário de trabalho em regime presencial: os trabalhadores poderão manter, até ao final do ano corrente, uma redução de 20% no seu período normal de trabalho, recebendo 90% da sua remuneração” ou pelo teletrabalho, em que “terão a possibilidade, até ao final do ano em curso, de aceder ao teletrabalho, reduzindo 10% do seu período normal de trabalho e recebendo 90% da sua remuneração”, referiu o presidente da ANA.

No entanto, “perante uma crise que sabemos agora ser duradoura, é também necessário, desde já, um redimensionamento das nossas equipas. Assim, simultaneamente, pedi a cada Direção que identificasse as atuais necessidades para, em conjunto com a direção de Recursos Humanos, ser elaborado um plano de saídas voluntárias”, rematou o gestor.

Em reação, os sindicatos Sitava (Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos) e Sindav (Sindicato Democrático dos Trabalhadores dos Aeroportos e Aviação) referiram, com comunicado que houve uma reunião no dia 07 de julho, entre os representantes dos trabalhadores e a empresa, à qual se seguiu a comunicação do presidente da ANA.

Nessa nota, as estruturas garantiram que o movimento nos aeroportos “está a recuperar”.

“Não podemos ignorar também que o negócio desta empresa é um dos mais rentáveis do país e que, ano após ano, a ANA tem apresentado altíssimos lucros que obviamente lhe aportaram uma solidez financeira ímpar no universo empresarial português”, de acordo com os sindicatos, que apontam para “o reduzidíssimo peso que a massa salarial tem na estrutura de custos da empresa (menos de 10%)”.

“Acresce ainda que, no seu negócio não regulado, todas as receitas foram apenas diferidas, não constando que a ANA tenha qualquer intenção de renegociar os valores ou até proceder a qualquer perdão de dívida”, asseguraram os trabalhadores.

“Pelo exposto, a posição destes sindicatos é a de que a ANA Aeroportos de Portugal não necessita de aplicar qualquer medida de mitigação de custos e que consideramos até algo abusivo e mesmo revelador de muito pouca consideração pelos trabalhadores, o recurso a tais medidas”, rematou o comunicado.

Continuar a ler

País

Serra da Estrela confirmada como Geopark Mundial da UNESCO

Classificação

em

Foto: O MINHO / Arquivo

O Geopark Estrela foi hoje reconhecido como Geopark Mundial pelo Conselho Executivo da UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

A candidatura da Serra da Estrela a Geopark Mundial da UNESCO foi entregue em novembro de 2017, foi aprovada pelo Conselho Mundial de Geoparks em setembro de 2019 e hoje foi ratificada por aquele organismo numa reunião do Conselho Executivo.

A UNESCO refere numa nota publicada na sua página na internet que aprovou a designação de 15 novos Geoparques Globais na Europa, Ásia e América Latina, o que eleva a Rede Global de Geoparques “para 161 em 44 países”.

Para além do Geopark Estrela, a UNESCO também designou os Geoparks Cliffs of Fundi e Discovery (Canadá), Xiangxi e Zhangye (China), Lauhanvuori-Hämeenkangas (Finlândia), Toba Caldera (Indonésia), Rio Coco (Nicarágua), Hantangang (República da Coreia), Yangan-Tau (Rússia), Djerdap (Sérvia), Granada e Maestrazgo (Espanha), The Black Country (Reino Unido), Dak Nong (Vietname) e Kula-Salihli (Turquia).

Em Portugal, o Geopark Estrela vem juntar-se ao Açores UNESCO Global Geopark, ao Arouca UNESCO Global Geopark, ao Naturtejo da Meseta Meridional UNESCO Global Geopark e ao Terras de Cavaleiros UNESCO Global Geopark.

O coordenador executivo da Associação Geopark Estrela, Emanuel de Castro, referiu à agência Lusa que a oficialização da classificação da Serra da Estrela como Geopark Mundial “é o culminar de um longo processo de valorização, conservação e promoção do património da Estrela e dos nove municípios que integram este novo Geopark Mundial da UNESCO, reconhecendo o valor intrínseco da sua geologia e da estratégia de desenvolvimento territorial implementada pela Associação Geopark Estrela”.

“A classificação agora formalizada, cuja candidatura já havia sido aprovada pelo Conselho Mundial de Geopark em setembro de 2019, constitui um marco histórico para o território da Serra da Estrela. Este é o reconhecimento internacional que esta Montanha tanto merecia e que coloca a Estrela num patamar de relevância global”, sublinha.

Segundo o responsável, “mais do que os 124 locais de interesse geológico inventariado e aprovados pela UNESCO, esta é uma classificação que distingue a identidade, a unicidade e o caráter único deste território, fomentando uma verdadeira estratégia de desenvolvimento, assente nos valores geológicos, geomorfológicos e paisagísticos desta que é a montanha mais elevada de Portugal Continental”.

“Mas este é também o reconhecimento de um trabalho que tem sido desenvolvido nas áreas da ciência, da educação, da geoconservação, do turismo, da sustentabilidade e da comunicação, em prol do território e das suas comunidades, afirmando a Estrela com um espaço de sustentabilidade e de resiliência. Esta classificação vem, por isso, dar maior valor acrescentado a todo este trabalho e uma enorme responsabilidade para todos”, refere.

A oficialização do Geopark constitui também “uma das maiores estratégias deste século para a Serra da Estrela e para os mais de 150 mil habitantes” do território.

“Nos próximos quatro anos muito há para fazer, no reforço do conhecimento científico, na promoção da educação, na valorização turística, na geoconservação e na sua sustentabilidade e na forma como este território passa a ser comunicado e se posiciona no plano nacional e internacional”, sublinha.

Emanuel de Castro refere, ainda, que, a partir de hoje, municípios, instituições de ensino, centros de investigação, empresas e cidadãos “têm uma ferramenta de desenvolvimento e de reforço do seu sentido de pertença”.

Continuar a ler

Populares