Redes Sociais

PS: “Há fome” nas Escolas de Braga

Destaque

PS: “Há fome” nas Escolas de Braga

Os vereadores socialistas na Câmara de Braga alertaram hoje que “há fome” nas escolas do concelho e criticaram a maioria por chumbar uma proposta de comparticipação no pagamento do lanche e das refeições nos períodos de interrupção letiva.

Na resposta, o presidente da câmara, Ricardo Rio, eleito pela coligação PSD/CDS/PPM, reconheceu que a proposta, apresentada pelo PS, é “meritória no foco” por visar responder “às necessidades concretas”, mas considera que ela peca, desde logo, por apenas abranger os alunos do 1.º ciclo, deixando de fora os dos jardins-de-infância.

O autarca disse ainda que outro dos “pecados” da proposta é o seu cariz iminentemente universal em relação a todos os alunos do 1.º ciclo, não fazendo discriminação positiva em favor dos que realmente precisam de ajuda.

Alegou que, a ser posta em prática, a proposta do PS significaria um encargo anual “muito superior” a meio milhão de euros.

Por isso, Ricardo Rio prometeu levar à próxima reunião uma outra proposta, já “expurgada” daqueles “pecados”.

A proposta do PS apontava, concretamente, para a comparticipação, no próximo ano letivo, no pagamento do lanche da tarde, num valor de 50 cêntimos por aluno.

Preconizava também a comparticipação, com 50 cêntimos, do serviço de ATL aos alunos do 1.º ciclo.

A terceira medida era a comparticipação no pagamento de refeições aos alunos do 1.º ciclo durante os períodos de interrupção letiva e férias.

“Há crianças que passam muitas necessidades, há fome nas escolas”, sustentou o vereador Hugo Pires, porta-voz da vereação socialista, alegando que o volume do investimento necessário não pode servir de desculpa.

Para o PS, é tudo “uma questão de prioridades”.

“A prioridade desta câmara não são as crianças nem é dar dignidade a muitas delas”, acrescentou.

Ricardo Rio assegurou que a proposta que a maioria vai apresentar se destinará tanto a jardins-de-infância como a escolas do 1.º ciclo e contemplará crianças de agregados familiares com carências económicas.

A proposta contemplará a comparticipação de 6 euros mensais para pagamento do fornecimento de refeições e pela garantia de fornecimento de refeições em todos os agrupamentos escolares nas pausas letivas.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mais Destaque