Seguir o O MINHO

Famalicão

PS/Braga tem mandatários para os pastores, pescadores e vinho verde

Ação de campanha em Braga e Famalicão

em

Foto: PS/Braga

Mandatários para os pastores, pescadores, vinho verde e até para o estilo de vida saudável são alguns dos representantes distritais por setores que o PS/Braga apresentou, este sábado, num almoço comício em Famalicão.

De acordo com o presidente do PS/Braga, Joaquim Barreto, a estrututura distrital decidiu nestas eleições adotar um modelo de campanha para que “estivessem representados os vários setores de atividade”, procurando ter mandatários distritais nas áreas com maior peso no distrito.

Numa lista onde figuram 28 mandatários, todos chamados ao palco por Joaquim Barreto, há uma mulher a representar os pastores, dos pescadores, do estilo de vida saudável, do vinho verde e da cultura popular, entre outras áreas mais abrangentes, como o desporto, a saúde, o emprego, a economia, a cultura ou a educação.

Durante a sua intervenção, Joaquim Barreto agradeceu o “esforço e empenho” de António Costa, que o levou a estar presente no almoço comício em Famalicão, mesmo depois de ter sido assistido no hospital na noite anterior e de ter cancelado, por recomendação médica, as ações que “requerem maior esforço físico”.

O secretário-geral do PS foi assistido na sexta-feira à noite, no Hospital de Viana do Castelo, para tratamento de dores musculares nas costas e decidiu não participar hoje nas ações de rua previstas para Braga e nas festas de S. Miguel, em Cabeceira de Bastos.

A eurodeputada Isabel Estrada Carvalhais, que substituiu André Bradford no Parlamento Europeu após a sua morte, defendeu que o facto de Portugal ser um caso de sucesso “causa inveja” e que que quando os portugueses estranham quando ouvem falar bem de si próprios.

“Aquilo que eu tenho constatado no Parlamento Europeu é que Portugal é considerado por todos, sem exceção, um caso de sucesso, e isso causa curiosidade, perplexidade, entusiasmo e inveja, declarou.

No final das intervenções, uma das mandatárias, neste caso para a cultura popular, protagonizou um momento musical, cantando ao desafio, uma tradição nesta zona do país.

Anúncio

Ave

‘Elevador’ acelera startups em Famalicão

2.ª edição

em

Foto: Divulgação

A Câmara Municipal de Famalicão, através do Famalicão Made IN, agência de promoção económica, e em parceria com a TecMinho, está a desenvolver uma nova iniciativa para potenciar o crescimento de novas empresas, informou hoje fonte local.

Numa nota enviada a O MINHO, é explicado que o Elevador é um programa de aceleração de startups e, até março de 2020, está a apoiar 16 novas empresas com potencial de crescimento e de internacionalização a adquirirem competências empresariais através de sete workshops e de coaching individualizado de oito horas por startup.

Sete consultores, entre os quais António Paraíso, Alexandre Mendes e Carlos Cardoso, são conselheiros e agentes facilitadores dos empreendedores nos workshops a ministrar e que explanam temas como criatividade e inovação, estratégia e modelo de negócio, marketing digital, finanças, vendas e internacionalização.

Já as sessões de coaching individualizado serão asseguradas por mentores, na sua maioria empresários, que emprestarão o seu know-how e a sua experiência aos empreendedores.

Esta é a segunda edição do Elevador e reúne a Geração Made IN, pequenas empresas que contam com o contributo conhecedor do Famalicão Made IN, materializado através da oferta de um conjunto alargado de serviços que vão desde o desenvolvimento da ideia de negócio, o apoio na elaboração de candidaturas a financiamento e consultoria, até ao acompanhamento da gestão operacional do negócio.

Continuar a ler

Famalicão

Cooperativa cultural de Famalicão recebe 362 mil euros da DGArtes

Investimento nas artes

em

Foto: DR / Arquivo

O Teatro da Didascália, em Joane, Famalicão, é uma das trinta e três entidades culturais que receberão apoio financeiro da Direção-Geral das Artes (DGArtes) para programação, tendo sido excluídas 25 consideradas elegíveis, no âmbito do Programa de Apoio Sustentado às Artes 2020-2021, foi hoje anunciado.

De acordo com a lista de resultados definitivos divulgada hoje, o júri tinha considerado elegíveis 58 entidades, no entanto apenas 33 irão receber apoio, num total de 5,8 milhões de euros, em dois anos.

Das 33 entidades culturais que receberão apoio, a repartir por dois anos, 12 são da região Norte, 10 do Centro, seis da Área Metropolitana de Lisboa, duas do Alentejo, outras tantas do Algarve e uma da Região Autónoma da Madeira.

O Teatro da Didascália é a entidade à qual foi atribuído o valor mais elevado, cerca de 362.500 euros.

Entre as entidades com maior financiamento obtido estão também Encontros de Fotografia, de Coimbra (cerca de 360 mil euros ), o Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI), do Porto (cerca de 340 mil euros), e a Associação Internacional de Música da Costa do Estoril, em Cascais (cerca de 305 mil euros).

Todas as outras entidades recebem valores abaixo dos 300 mil euros.

Segundo a tabela de resultados, entre as 25 entidades sem apoio estão a Fundação Cupertino de Miranda (Porto), a Artemrede – Teatros Associados (Santarém), a APORFEST – Associação Portuguesa de Festivais de Música (Lisboa), a Associação Cultural Maré de Agosto (ilha de Santa Maria, Açores) e a Fundação Conservatório Regional de Gaia (Vila Nova de Gaia).

Estes são os primeiros resultados definitivos divulgados pela DGArtes do Programa de Apoio Sustentado Bienal (2020-2021) que contempla, com 17,5 milhões de euros, as áreas da criação e da programação.

Na área da criação – cujos resultados definitivos ainda não foram revelados na totalidade -, são apoiadas entidades culturais nas áreas da artes visuais, dança, música, teatro, cruzamento disciplinar e circo contemporâneo e artes de rua.

Os resultados provisórios dos concursos sustentados bienais 2020-2021 foram conhecidos no passado dia 11 de outubro, tendo gerado forte contestação por parte dos artistas, ao deixarem de fora 94 das 196 candidaturas apresentadas, com a agravante de 75 das excluídas terem sido consideradas elegíveis pelo júri.

Das 177 candidaturas elegíveis, apenas 102 garantiram financiamento, de acordo com os primeiros resultados.

O período de contestação (fase de audiência de interessados) terminou no passado dia 25 de outubro.

Na altura, a Plataforma Cultura em Luta anunciou que voltará aos protestos de rua quando o Governo apresentar o Orçamento do Estado para 2020, para exigir mais financiamento para o setor, e um novo sistema de apoio às artes.

Uma semana antes, cerca de 30 artistas entregaram ao primeiro-ministro, António Costa, cartas de contestação dos resultados provisórios dos concursos de apoio às artes.

A exiguidade do financiamento foi reconhecida por júris, que inscreveram em ata, pela primeira vez, de forma unânime, a falta de dinheiro para os concursos.

A própria DGArtes já defendeu a necessidade de melhorar e corrigir o atual modelo de apoio e a ministra da Cultura, Graça Fonseca, admitiu a necessidade de uma “revisão crítica” do modelo.

Na sexta-feira passada, o Bloco de Esquerda requereu, “com caráter de urgência”, a audição da ministra para que esta preste esclarecimentos sobre os concursos.

Continuar a ler

Ave

Criação de Centro Tecnológico das Carnes em Famalicão avança no início de 2020

Investimento de cerca de um milhão de euros

em

Foto: Divulgação / CM Famalicão

As obras para a criação do Centro de Valorização e Transferência de Tecnologia da Indústria das Carnes (TECMEAT, CVTT-Indústria das Carnes), em Vila Nova de Famalicão, vão arrancar durante o primeiro trimestre de 2020, anunciou hoje a autarquia.

Em comunicado enviado a O MINHO, o município sublinha que a garantia surge depois do município ver aprovada a candidatura do financiamento para a criação desta infraestrutura ao Norte 2020 através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Com um investimento total previsto de 998.760 mil euros, o TECMEAT, CVTT-Indústria das Carnes contará com uma comparticipação de 812 mil euros, o que corresponde a 85% do valor.

Para o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, citado no texto, esta é “uma excelente notícia para a economia do concelho e do país, e uma alavanca fundamental para o desenvolvimento do setor do agroalimentar que é uma aposta estratégica para o futuro do nosso território”.

A infraestrutura vai ficar localizada no Centro de Investigação, Inovação e Ensino Superior de Famalicão – antigo complexo educativo da Escola Cooperativa de Ensino Didáxis de Vale de S. Cosme – onde estão já instalados os polos do IPCA (Instituto Politécnico de Cávado e do Ave) e do IPB (Instituto Politécnico de Bragança) com oferta dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais, em várias áreas. Em breve, o espaço irá receber também um laboratório de formação, investigação e conhecimento na área da Biologia Alimentar da Universidade do Minho.

Terá uma área de aproximadamente 560 metros quadrados, que beneficiará de obras de adaptação à estrutura, com vários espaços destinados ao fabrico e a processos de testes, ensaios, industrialização e qualidade dos produtos.

“É um espaço com todas as condições tecnológicas, de investigação e conhecimento para acolher esta ambiciosa estrutura”, afirma Paulo Cunha.

Refira-se que a candidatura foi apresentada através da TECMEAT – Centro de Competências para o Setor das Carnes, uma associação que foi criada por iniciativa do município há precisamente um ano, em novembro de 2018, com o objetivo de implementar esta estrutura estratégica para o concelho, congregando 16 instituições da região e do país.

“Com esta associação conseguimos congregar esforços e canalizar energias para a implementação deste Centro de Competências, o qual terá como missão potenciar o aumento da competitividade e inovação das empresas através do desenvolvimento científico e tecnológico e ser agente proporcionador do aumento das exportações e da criação de valor no setor das carnes de forma integrada e sustentável”, explica o autarca.

Paulo Cunha não esconde o orgulho pelo passo alcançado. “Estamos a falar de um centro que irá inovar pelo conceito assumindo-se como polinuclear, aproveitando a capacidade instalada em empresas, universidades e centros de investigação, entre outros”, adianta o autarca, acrescentando que “a nossa grande ambição é fazer um centro de competências que seja uma lição para o país ao nível do aproveitamento de recursos e das sinergias institucionais geradas”.

Refira-se que para além do município, a TECMEAT – Centro de Competências para o Setor das Carnes engloba ainda a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, a Agência Nacional de Inovação, a Confederação dos Agricultores de Portugal, a Associação Portuguesa dos Industriais de Carnes, a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição, a PortugalFoods, o Centro de Nanotecnologia, Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes, o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, a Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Ave, a Universidade Lusíada Norte, a Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário, o CITEVE – Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal e a Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto.

O setor agroalimentar é identificado como prioritário na agenda do plano estratégico concelhio perante o carácter distintivo do conhecimento, do saber-fazer resultante de uma longa tradição histórica e empreendedora no concelho e da forte presença de inúmeras empresas do setor no mercado nacional e internacional.

De acordo com a mesma fonte, Vila Nova de Famalicão quer assim reforçar o seu posicionamento como epicentro regional de base altamente tecnológica e inovadora na área do têxtil e do vestuário, e colocar-se no mesmo patamar ao nível do setor agroalimentar. Para isso, ao CITEVE e ao CENTI a Câmara Municipal vai juntar em Famalicão um Centro de Competências Agroalimentar.

Este passo está devidamente alicerçado na existência no território de um conjunto de empresas altamente competitivas e tecnologicamente avançadas, é dito, que fazem já de Famalicão um dos mais relevantes municípios neste setor e com as quais o município está devidamente articulado.

Continuar a ler

Populares