Seguir o O MINHO

Cávado

Prozis bloqueada em Itália: “Cada dia que passa é uma fortuna”

Empresa de Esposende fatura 50 milhões anuais no país

em

Foto: DR / Arquivo

O site de venda ‘online’ de suplementos alimentares da Prozis.com estava inacessível. Itália, na sexta-feira da semana passada, reportando a empresa, com sede em Esposende, um prejuízo diário de milhares de euros naquele que é um dos seus principais mercados.


Em declarações à agência Lusa, o fundador e presidente da Prozis disse estar a ser afetado por a situação desde quarta-feira à noite, algo que também acontece com a Zumub, concorrente portuguesa da Prozis e com mais um ‘e-commerce’ espanhol de venda de suplementos alimentares.

“Já estamos a investigar esta situação e a falar com a Vodafone e a Telecom Italia”, afirmou Miguel Milhão, no final da semana passada, convicto de que se trata de “uma espécie de sabotagem”: “Nós já estávamos a desconfiar que isto era sabotagem, mas se existe outra empresa com o mesmo problema da mesma área, então definitivamente é sabotagem”, sustentou, admitindo que a iniciativa parta da “concorrência italiana”.

Conforme explicou, “alguém que tem a acesso à rede está ativamente a criar confusão para não ser possível aos clientes de Itália acederem ao portal” das empresas portuguesas, direcionando os respetivos DNS para o ‘local host’, ou seja, para o computador do próprio cliente, o que impede o acesso aos ‘sites’.

Garantindo que se trata de uma situação inédita nos 14 anos de vida da empresa, que fatura 200 milhões de euros/ano, dos quais 50 milhões em Itália, Miguel Milhão fala num prejuízo diário em torno dos 150 mil euros.

“Cada dia que passa é uma fortuna”, lamentou, admitindo que a posição “tão dominante” da Prozis no mercado gere inimizade e prevendo que a situação vá desembocar em “anos de processos judiciais”, dado o “nível de ilegalidade impressionante” em causa.

Quanto à probabilidade de se tratar de um problema técnico, não intencional, o presidente da Prozis diz que “seria como ganhar o Euromilhões”.

Já o diretor-geral da Zumub, explicou, também na sexta-feira, que a página eletrónica da empresa estava inacessível em Itália desde as 20:00 de quarta-feira.

“A situação manteve-se assim durante todo o dia de ontem [quinta-feira] e até ao momento”, afirmou Urbano Veiga, explicando que “os visitantes que acedem ao ‘site’ recebem uma mensagem de erro porque o DNS [do inglês ‘Domain Name System’ ou Sistema de Nomes de Domínio, que localiza e traduz os endereços dos ‘sites’ para números IP] dos respetivos domínios foi bloqueado em Itália”.

Segundo refere, “estes bloqueios foram reportados por centenas de utilizadores italianos” e estão a ocorrer nas duas maiores empresas de serviços de internet italianas (Telecom Italia e Vodafone), apesar de a Telecom Italia afirmar que não existe nenhum bloqueio ativo”.

De acordo com o diretor-geral da Zumub, “outros grandes ‘e-commerce’ europeus de outras áreas de negócio (num conjunto de mais de 100 ‘sites’ testados) continuam a funcionar dentro da normalidade”, sendo que, “até ao momento, a Zumub.com não foi notificada por quaisquer autoridades italianas de que o seu sítio estivesse banido em Itália”.

Embora admita poder tratar-se de um problema técnico alheio à empresa, o diretor-geral da Zumub considera a situação “muito estranha”, já que parece afetar apenas duas empresas portuguesas e uma espanhola do mesmo setor de atividade, e destaca o forte impacto financeiro que está a ter na atividade da empresa em Itália.

Com uma faturação anual de 5,2 milhões de euros, a Zumub fatura cerca 100 mil euros por mês em Itália, que é o seu principal mercado internacional, num total de 1,2 milhões de euros/ano, e diz estar a ter um prejuízo diário na ordem dos sete mil euros com este bloqueio.

A Zumub integra, juntamente com a transportadora de ‘e-commerce’ Delnext, o grupo português Combinação Pura, cujo volume de negócios anual ascende a sete milhões de euros, 60% dos quais no exterior.

Anúncio

Barcelos

Buscas da PJ na Câmara de Barcelos relacionadas com processos urbanísticos

Autarquia diz que inquérito teve origem em denúncias anónimas

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

A Câmara de Barcelos esclareceu hoje que as buscas da Polícia Judiciária que hoje ali decorreram estão relacionadas com três processos urbanísticos e respetiva fiscalização, remontando o inquérito a 2018.

Em comunicado, a Câmara refere que o inquérito teve na origem denúncias anónimas.

Segundo a Câmara, os processos foram recolhidos pela Polícia Judiciária e sobre os mesmos foram ouvidos “apenas” técnicos do município.

“Destes três processos, um está concluído com alvará de utilização emitido em 2017, outro está em curso e devidamente licenciado e o terceiro está suspenso, tendo sido objeto de embargo pela Câmara Municipal”, acrescenta.

PJ faz buscas na Câmara de Barcelos

Diz ainda que da ação de hoje da Polícia Judiciária “não decorreu a constituição de qualquer arguido”.

Segundo o município, o alvo das buscas não foi a vereadora Anabela Real.

“Nem o seu gabinete, nem o do senhor presidente da Câmara Municipal, nem os gabinetes de qualquer outro vereador ou dos respetivos gabinetes de apoio foram objeto de buscas”, assegura.

Remata dizendo que os factos sob investigação “não têm absolutamente nada a ver com eventuais infrações às regras da contratação pública”.

Continuar a ler

Barcelos

PJ faz buscas na Câmara de Barcelos

Fiscalização e contratação pública na mira dos inspetores

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

A Polícia Judiciária (PJ) está, na manhã desta segunda-feira, a realizar buscas na Câmara de Barcelos, confirmou a O MINHO fonte da PJ de Braga.

À Lusa, fonte da investigação disse que as buscas têm como alvo principal os serviços da Fiscalização e da Contratação Pública, afetos ao pelouro da vereadora Anabela Real.

Buscas da PJ na Câmara de Barcelos relacionadas com processos urbanísticos

Segundo a fonte, as diligências de hoje foram acompanhadas por um magistrado do Ministério Público e visaram “a recolha de documentação”.

Trata-se de um processo que corre termos no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto.

A investigação está relacionada com “eventual corrupção”.

O MINHO tentou obter reação da câmara, o que até ao momento não foi possível.

Notícia atualizada às 13h14 com mais informação.

Continuar a ler

Cávado

Presidente da Câmara de Esposende já recuperou da covid-19

Covid-19

em

Foto: DR

O presidente da Câmara de Esposende já estará recuperado da infeção por covid-19 que o afastou do trabalho presencial da autarquia ao longo das duas últimas semanas.

Em texto publicado nas redes sociais, Benjamim Pereira explica que, na passada sexta-feira, toda a família recebeu alta do isolamento obrigatório decretado pelo delegado de saúde do ACES.

“Quero, em primeiro lugar, agradecer a todos aqueles que, por parte das autoridades de saúde, fizeram o trabalho de acompanhamento, pois foram sempre muito profissionais e diligentes. Em segundo lugar, quero agradecer a todos pelo apoio que nos deram e pelas palavras de incentivo. Tal como já tive oportunidade de dizer, fiquei verdadeiramente sensibilizado com as inúmeras manifestações de apoio. Isso ajudou-nos muito a ultrapassar este momento menos bom”, disse.

Benjamim Pereira deixa ainda uma palavra a “todos aqueles que se encontram em recuperação” para que essa seja “rápida e sem sobressaltos”.

Recorde-se que o autarca sentiu a temperatura “anormalmente elevada” no passado dia 11 de outubro. Isolou-se, e no dia 13 recebeu o resultado positivo ao coronavírus.

Desde então, esteve a trabalhar a partir de casa.

Continuar a ler

Populares