Seguir o O MINHO

Desporto

Projeto olímpico Paris2024 está “obsoleto, ultrapassado e alheado da realidade”

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O projeto olímpico Paris2024 está “obsoleto, ultrapassado e alheado da realidade”, considerou hoje o membro do Comité Olímpico Internacional (COI) Guy Drut, ex-ministro do desporto francês.


“A crise pela qual estamos a passar tem um impacto duradouro nas nossas rotinas, modo de vida, economia, pacto social e na nossa escolha de sociedade. Ela não pode e não deve deixar de afetar a necessidade urgente de nos reinventarmos. Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos não são exceção a este novo contexto. Também devem ser reinventados”, defende o dirigente.

Em declarações à emissora France Info, o ex-ecampeão olímpico de 110 metros barreiras em Montreal1976 refere as implicações da pandemia da covid-19, que obrigaram a um adiamento de um ano dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, para 23 de julho a 08 de agosto de 2021.

“A resposta a essa crise pode ser limitada a uma simples mudança de datas, sem a necessidade económica e organizativa serem repensados profundamente?”, questiona o ex-ministro (1995-1997) da presidência de Jacques Chirac.

Guy Drut, de 69 anos, elogiou o “bonito projeto” que deu a vitória a Paris para os Jogos de 2024, contudo, entende que, face à atual realidade global, também marcada pela pandemia, o mesmo já está “obsoleto, ultrapassado, alheado da realidade”.

“Deixou de ser real. Se, no seu espírito, não deve ser modificado, devemos rever os meios e focarmo-nos no essencial. A primeira necessidade é a de reavaliar o orçamento do que vão custar os Jogos de 2024”, acrescenta.

O membro do COI considerou que todos os futuros Jogos Olímpicos devem ser repensados, sugerindo, para limitar os custos, reduzir o número de desportos no programa e ainda definir algumas instalações como permanentes, seja qual for o país organizador.

Como exemplo, defendeu que as provas de surf podem ser sempre no Haiti ou Havai e que as de slalom também deveriam ser fixas, “para não haver a necessidade de construir um rio artificial em cada edição”.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 200 mil mortos e infetou mais de 2,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Perto de 800 mil doentes foram considerados curados.

Anúncio

Futebol

Jogo entre Vizela e Chaves remarcado para 5 de outubro

Covid-19

em

Foto: FC Vizela / Facebook

Os encontros entre Académico de Viseu e Académica, e Feirense e Desportivo de Chaves, suspensos na primeira jornada da II Liga de futebol devido a casos positivos de covid-19, já têm nova data, implicando ainda mexidas noutra partida.

Segundo informou hoje a Liga de clubes, o jogo entre o Académico de Viseu e Académica realiza-se no dia 07 de outubro, enquanto a partida entre Feirense e Desportivo de Chaves vai ser disputada a 15 de outubro.

Já o embate entre o Vizela e o Desportivo de Chaves, relativo à quinta jornada, foi remarcado para 05 de outubro.

Quanto ao jogo entre Sporting e Gil Vicente, que foi o primeiro do principal campeonato português (I Liga) a ser adiado devido à pandemia de covid-19, ainda não foi anunciada nova data para o mesmo.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 961.531 mortos e mais de 31,1 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Continuar a ler

Futebol

Câmara do Porto ameaça UEFA com tribunal após cancelamento da Supertaça europeia

Futebol

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Câmara do Porto ameaçou hoje recorrer à justiça para reclamar os prejuízos causados pela decisão da UEFA de não realizar a final da Supertaça europeia de futebol na cidade, acusando aquela instituição de “mentir”.

“Não podemos aceitar não haver contacto com a autarquia e depois que publicitem, no site deles, mentiras”, afirmou o independente na reunião do executivo de hoje onde foi entregue aos vereadores da oposição uma missiva dirigida à UEFA.

O autarca explicou que a UEFA alegou que a final da Supertaça foi transferida para Budapeste por causa da pandemia, argumento que não o município não pode aceitar.

“Não nos dizem nada, romperam um acordo pré-contratual de um contrato que está em vigor e pior dizem que é por causa da pandemia. (…) Não me consta que em Budapeste não haja pandemia”, disse, lamentando “o desrespeito” com o que o processo foi conduzido.

Moreira recorda que o Porto não concorreu para receber a final da Volta a Portugal deste ano, por estar comprometido com as duas candidaturas que foram aceites pela UEFA: a final da Liga das Nações, realizada no ano passado, juntamente com a cidade de Guimarães, e a supertaça europeia deste ano.

E avisou: “em Géneve [na Suíça, país em que está a sede da UEFA] há tribunais”.

Na carta enviada à UEFA, distribuída hoje aos vereadores, Moreira manifesta “surpresa e consternação” pelo facto de a câmara ter tomado conhecimento através da comunicação social de que o Comité Executivo da UEFA decidiu que o Porto já não seria o local de realização da Supertaça Europeia, agendada para o passado mês de agosto e que o jogo teria lugar na Hungria, devido à pandemia de covid-19.

Na missiva, a autarquia assinala que à data da decisão – 17 de junho – o Porto já não registava nenhum teste positivo desde 05 de junho, ou seja, cerca de 12 dias, situação que manteve durante mais de um mês.

“Julgamos assim incompreensível a decisão (…) nem admitimos que nos seja invocado ‘force majeure [força maior]’”, porque na verdade o evento irá decorrer numa outra cidade europeia, e porque um evento da UEFA, a fase final da Champions League, foi organizada em Portugal, numa cidade onde a incidência da covid-19 era maior que no Porto”, lê-se na carta hoje conhecida.

Melhor seria, entende a autarquia, que a UEFA, tendo atribuído a fase final da Liga dos Campeões a Lisboa, dissesse que, por causa disso, optou por não realizar a final da Supertaça europeia no Porto.

Na missiva enviada a 16 de setembro, realça-se ainda que, além dos prejuízos decorrentes da alteração do evento ao nível da logística e infraestrutura já executadas para a realização do evento no Porto, resultam ainda prejuízos de imagem e reputação para a cidade e para o seu município, “na medida em que os adeptos, toda a comunidade futebolista, e também potenciais visitantes e organizadores de eventos presumirão que o Porto não é seguro por causa da pandemia de covid-19”.

A autarquia salienta que não deixará de reclamar a reparação dos prejuízos causados por esta decisão, contudo, diz estar disponível para alcançar uma solução favorável a todos.

Os vereadores da CDU, PS e do PSD mostraram-se solidários com a posição assumida por Rui Moreira, tendo lamentado que a autarquia não tenha sido ouvida sobre esta matéria.

Ilda Figueiredo, vereadora da CDU, que levantou o tema, lamentou que tanto o Primeiro-Ministro e Presidente da República, que apoiaram a realização em Lisboa da Liga dos Campeões, não tenham tido a mesma atenção com o Porto, que foi vítima de uma “discriminação clara”.

Também o vereador do PSD, Álvaro Almeida, criticou a postura do poder central, que se repete “sobretudo quando está em causa algo em Lisboa”.

Pelo PS, Maria João Castro disse estar solidária com a decisão tomada pelo presidente da Câmara do Porto, considerando que “a cidade foi muito maltratada”.

Continuar a ler

Futebol

Diogo Silva assina pelo Gil Vicente até 2023

Mercado de transferências

em

Foto: Imagem Gil Vicente TV

O defesa central brasileiro Diogo Silva reforçou o Gil Vicente, da I Liga portuguesa de futebol, por três épocas, confirmou hoje o clube de Barcelos, na página oficial na rede social Facebook.

Contratado ao Ypiranga, clube que milita na série C brasileira (terceiro escalão) e pelo qual disputou 14 jogos oficiais em 2020, o futebolista, de 25 anos, mostrou-se “grato” aos minhotos por lhe darem a primeira oportunidade de jogar na Europa.

“Isto significa muito para mim. O sonho de todos os atletas, principalmente no Brasil, é o de vir para a Europa e ter sucesso. Estou grato ao Gil Vicente por me ‘abrir a porta'”, disse, no vídeo publicado pelo clube na rede social.

Diogo Silva, que se definiu como um jogador com “velocidade” e “força”, confessou estar “ansioso” por realizar o “primeiro jogo a nível europeu” e reconheceu que a presença de mais 13 elementos brasileiros no plantel “facilita” a sua integração no Gil.

Além do Ypiranga, Diogo Silva representou ainda, como sénior, Maringá, Velo Clube e Londrina, todos do Brasil.

O atacante é o 14.º reforço dos ?galos’ para a temporada 2020/21, depois do guarda-redes Daniel Fuzato, dos defesas Joel Pereira, Souleymane Aw, Talocha e Tim Hall, dos médios Antoine Léautey, Kanya Fujimoto, Leandrinho, Guilherme Mantuan e Lucas Mineiro e dos avançados Boubacar Hanne, Miullen e Renan Oliveira.

O plantel gilista ia começar o campeonato às 18:30 do passado sábado, frente ao Sporting, em Lisboa, mas as autoridades de saúde adiaram o desafio, agora marcado para a semana de 12 a 16 de outubro, face aos 18 casos de covid-19 identificados no clube barcelense: 10 em jogadores, cinco na restante estrutura do futebol, incluindo o treinador principal, Rui Almeida, e três em pessoas alheias ao departamento de futebol profissional.

Continuar a ler

Populares