Seguir o O MINHO

País

Projeto Mar 2020 com 380 milhões de euros comprometidos em 2019

Orçamento do Estado 2020

em

Foto: DR

O ministro Mar indicou, esta quinta-feira, em Lisboa, que o programa operacional Mar 2020 tinha comprometidos, até ao final de 2019, 380 milhões de euros, ou seja, 75% do total programado, e liquidados 179,4 milhões de euros.

Entre as prioridades do Governo encontra-se a continuação da implementação do Mar 2020, sendo que “até ao final de 2019 foram comprometidos 380 milhões de euros, 75% do total programado, e liquidados 179,4 milhões de euros, 36% do total”, disse Ricardo Serrão Santos, que falava numa audição parlamentar conjunta com as comissões de Orçamento e Finanças e Agricultura e Mar, no âmbito da apreciação do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

No que se refere ao financiamento da economia do mar, o executivo quer ainda desenvolver os trabalhos necessários para a aprovação e implementação do novo Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP).

O Mar 2020, que se insere no Portugal 2020, tem como objetivo a implementação das medidas de apoio enquadradas no FEAMP, estando entre as suas prioridades a promoção da competitividade, a sustentabilidade económica, social e ambiental, bem como o aumento da coesão territorial.

Na governação do mar, as principais medidas propostas pelo Governo são, por exemplo, a elaboração da Estratégia Nacional para o Mar 2020-2030 e prosseguir a interação com a comissão de limites das Nações Unidas para a concretização da extensão da plataforma continental portuguesa.

Ricardo Serrão Santos comprometeu-se também a apoiar a realização de projetos de investigação e desenvolvimento, nomeadamente, através de cruzeiros científicos, a finalizar o processo de integração dos investigadores nos quadros do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a implementar o novo Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo Nacional e da Rede Nacional de Áreas Marinhas Protegidas nos espaços marítimos sob a soberania nacional.

O Governo pretende ainda reforçar a gestão de recursos da pesca, promover a bioeconomia azul sustentável e executar o plano plurianual de dragagens.

Na sua intervenção inicial, o líder do Ministério do Mar agradeceu o “excelente trabalho” desenvolvido pela sua antecessora, Ana Paula Vitorino, que permite dar continuidade à aposta do Governo neste setor.

“Dada a transversalidade das políticas públicas para o mar, estas têm de contemplar as dimensões ambiental, social e económica, tornando-se assim essencial uma cooperação e coordenação entre os diferentes parceiros, e um claro e efetivo envolvimento da sociedade civil”, notou.

Anúncio

País

FNAC já vende produtos em segunda mão, mais baratos e sustentáveis

Venda a retalho

em

Foto: Divulgação

As lojas da cadeia FNAC passam a vender produtos em segunda-mão, de forma a “fomentar escolhas de consumo mais sustentáveis”, anunciou a empresa.

Através do serviço “FNAC Restart”, já é possível encontrar produtos recondicionados à venda. Desta forma, a insígnia pretende dar uma segunda vida a equipamentos usados, sempre com a garantia FNAC, “promovendo assim a economia circular e uma escolha ecológica consciente”, refere um comunicado enviado a O MINHO pela marca francesa

“O FNAC Restart surge na sequência do programa de retomas que a FNAC, no âmbito da sua política de responsabilidade social, iniciou em 2019 e que visa promover a retoma de artigos usados dos seus clientes, através da possibilidade de usá-los como meio de pagamento na compra de artigos novos”, diz.

“Estes equipamentos usados passam a ser considerados recondicionados após uma avaliação especializada realizada por técnicos certificados, que inclui limpeza, manutenção, testes rigorosos e de configuração”, assegura a marca.

“Durante o processo de avaliação são atribuídas ‘grades’ aos equipamentos que indicam de forma clara e transparente ao cliente que irá adquirir o equipamento recondicionado, se o mesmo está a ser vendido ‘Como Novo’, ou com ‘Ligeiros Sinais de Uso’ ou com ‘Sinais de uso evidente’”.

“Desta forma, todos estes artigos são devolvidos ao mercado com 12 meses de garantia na FNAC”, diz a retalhista.

“Os recondicionados são artigos que mais potenciamos a reutilização após um minucioso processo de avaliação com o objetivo de disponibilizá-los em bom estado a outros clientes”, sublinha Tiago Figueiroa, diretor de logística da FNAC Portugal

“Mas, acima de tudo, conseguimos oferecer alternativas de consumo aos nossos clientes, disponibilizando-lhes uma escolha mais sustentável e socialmente responsável, e é isto que faz o serviço FNAC Restart ser uma das apostas mais importante da FNAC para este início de ano”, finaliza.

Continuar a ler

País

Marcelo disponível para condecorar Arménio Carlos

Ou a CGPT

em

Foto: DR / Arquivo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou-se hoje disponível para condecorar o ex-secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, como propõe o primeiro-ministro, se este aceitar, ou a confederação sindical.

“Como é natural, eu sabia da proposta. Não ia saber pela comunicação social. Pareceu-me compreender que o condecorado ou eventual condecorado preferia uma homenagem coletiva. Tenho de apurar isso, só é possível apurar falando com ele em Portugal”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, num hotel no sul de Pangim, capital do estado de Goa.

O chefe de Estado, que hoje termina em Goa a sua visita de Estado à Índia, acrescentou: “Há dois caminhos possíveis. Um caminho é de facto aceitar a condecoração e aí eu condecorarei, como condecorei antigos líderes de confederações, por exemplo, patronais – o antigo líder da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP)”.

“Se se tratar de uma condecoração coletiva, também não há problema, porque ou já estavam condecoradas ou eu condecorei praticamente todas as confederações patronais e a outra confederação sindical. Falta a CGTP. É sempre possível condecorar a CGTP e não o antigo líder”, completou.

O Presidente da República reiterou que irá, antes de mais, apurar “se a proposta do primeiro-ministro é ou não viável de concretização”, o que “depende do agraciado”, e depois, “num segundo momento, quando e como, sendo caso disso, condecorar a CGTP”.

No sábado, dia em que Arménio Carlos cessou funções como secretário-geral da CGTP-IN, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que iria sugerir ao Presidente da República a sua condecoração “pelos serviços meritórios praticados nestas funções” e “como reconhecimento público da sua dedicação em defesa dos direitos do trabalho e dos trabalhadores”.

António Costa saudou também a sucessora de Arménio Carlos na liderança da CGTP-IN, Isabel Camarinha.

Também no sábado, Arménio Carlos disse ter sido “completamente surpreendido” pelo anúncio do primeiro-ministro e defendeu que “neste momento quem deve ser condecorado é a CGTP pelos seus 50 anos e pelo contributo que deu para a valorização do trabalho e dos trabalhadores”.

“Não recebi nenhuma proposta, portanto, não comento propostas que não recebi”, referiu, acrescentando: “Creio que quem terá de apresentar uma proposta é o senhor Presidente da República e só me pronunciarei quando isso acontecer”.

Continuar a ler

País

Decathlon reparte lucros com os colaboradores (em forma de ações da empresa)

Economia

em

Foto: Divulgação

15% dos lucros da Decathlon Portugal alcançados em 2019 vão ser distribuídos pelos colaboradores da empresa, anunciou o diretor de recursos humanos, João Rodrigues.

Durante uma ação no Centro de Congressos de Lisboa, perante cerca de 750 colaboradores da cadeia de lojas de desporto e aventura, o diretor  explicou que “o objetivo desta partilha é que cada colaborador seja vencedor do valor criado em conjunto e, também, um incentivo à poupança”.

Também José Fonseca, diretor-geral da marca em Portugal, destacou o “empenho e a dedicação” dos funcionários da Decathlon Portugal.

Esta é, aliás, uma prática comum desde que abriram as primeiras lojas em território luso, em 2010. A nível internacional, ocorre há 25 anos.

A percentagem dada aos trabalhadores consiste na entrega de ações da empresa, tornando-os co-proprietários.

Explica a marca que esta é uma forma de se tornarem acionistas da empresa onde trabalha e de poder beneficiar da valorização das ações.

 

Continuar a ler

Populares