Professora que matou noivo de Famalicão detida pela PJ em Cabo Verde

Crime

A mulher portuguesa de 41 anos que foi condenada a 17 anos de prisão pela morte do ex-namorado foi detida pelas autoridades judiciárias e Polícia Judiciária de Cabo Verde, em articulação com a PJ portuguesa.

A professora está condenada pelo crime de homicídio qualificado, ocorrido em 24 de dezembro de 2016 na cidade de Lisboa, sendo vítima o seu companheiro, indivíduo também português com 25 anos de idade, natural de Famalicão.

A mulher está condenada em primeira instância a pena de prisão de 17 anos. Terá que ainda que indemnizar a família da vítima, Hugo Oliveira, em 60 mil euros.

Fernanda Baltazar terá assassinado o companheiro com recurso a medicamentos, gelo seco e fogo.

Segundo a mulher, a morte fazia parte de um pacto de suicídio que acabou por falhar, já que desistiu.

A mulher alega ter ajudado o noivo, Hugo José Oliveira, a morrer com um incêndio.

A suspeita fez a confissão ao juiz, mas disse que não teve coragem de prosseguir.

Depois do crime, a professor fugiu de taxi para sua terra natal, Vila Nova de Gaia, onde foi encontrada e detida pela Polícia Judiciária.

A homicida terá sedado o noivo com comprimidos e despejado 35 quilos de gelo seco no quarto antes de atear fogo à cama.

Explica a PJ, em comunicado, que por motivos jurídico atendíveis e sem que a sentença condenatória proferida em primeira instância tivesse transitado em julgado, a arguida acabou por ser colocada em liberdade, encetando fuga para parte incerta.

Por decisão judicial com força executiva, transitada em julgado a 08/04/2021, foi reconfirmada a decisão de primeira instância, confirmando a condenação da arguida a pena de 17 anos de prisão.

Aguardam-se agora os trâmites legais relativos à extradição da arguida agora detida, de Cabo Verde para Portugal, para cumprimento do remanescente da pena de prisão em que foi condenada.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Intercidades a caminho de Braga parado após acidente com javali

Próximo Artigo

Portugal obrigado a pontuar em Praga para discutir apuramento em Braga

Artigos Relacionados
x