Redes Sociais

Vila Verde

Prisão preventiva por suspeitas de assassinar o pai em Vila Verde

Crime ocorreu em 2017.

 a

Foto: O MINHO

O suspeito de assassinar o próprio pai, com um tiro no pescoço à queima-roupa, já em outubro de 2017, está preso preventivamente desde anoite desta sexta-feira, na Cadeia de Braga, indiciado por homicídio qualificado na forma consumada, cuja pena oscila entre 12 e 25 anos de prisão, segundo apurou O MINHO junto de fontes ligadas a este processo.

José Miguel Costa, de 21 anos de idade, solteiro, natural e residente no lugar da Seixosa, da freguesia de Moure, no concelho de Vila Verde, onde vivia com a namorada, antes de ter fugido para França, onde foi preso esta semana capturado pela Interpol, esteve esta quinta-feira a ser ouvido ao longo de toda a tarde pelo juiz de instrução criminal, Pedro Miguel Vieira.

A sua mãe, Maria Júlia Ferreira, florista em Braga, também arguida, está indiciada para já pelo crime de profanação de cadáver, mantendo-se desde junho deste ano com medida de coação de apresentações diárias no Comando Distrital da PSP de Braga, a cidade onde reside, desde o falso desaparecimento e o assassínio do empresário António Ferraz Costa, de 52 anos, mais conhecido por “Côto”, que terá sido morto numa exploração agrícola, em Soutelo, Vila Verde, após o que seria abandonado num descampado da freguesia de Palmeira, em Braga, onde foi descoberto por populares, em 26 de outubro do ano passado.

Uma das teses aponta para eventuais situações de violência doméstica por parte da vítima mortal, o que ainda está longe de confirmação, até porque desde o seu desaparecimento, em 14 de outubro de 2017, os familiares da vítima têm vindo a entrar em contradições e a apresentarem várias versões supostamente para tentar despistar os investigadores da PJ.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Vila Verde

PS quer Orçamento Participativo em Vila Verde “para apoiar projetos de associações e cidadãos”

Proposta do vereador José Morais.

Publicado

 a

Foto: O MINHO (via Google Earth)

O Partido Socialista (PS) defendeu hoje a criação de um Orçamento Participativo (OP) em Vila Verde, como forma de envolver mais os cidadãos nas escolhas do concelho e de apoiar projetos de associações e grupos de cidadãos.

Em comunicado, o vereador José Morais, candidato à Câmara Municipal em 2017, afirma que irá propor uma metodologia e objetivos para um OP municipal, para que a ideia possa ser discutida e aprovada pela Assembleia Municipal.

Foto: Divulgação / PS

“É entendimento do PS/Vila Verde que o Plano e Orçamento Municipal devem ser regidos por princípios democráticos, de envolvência e participação de todos quantos queiram colaborar. Não pode ser apenas um instrumento das opções políticas de quem governa. Deve, por isso, ser um documento demonstrativo da atenção que a autarquia tem pelas necessidades e anseios de todos os vilaverdenses”, justifica.

Competirá, posteriormente, à autarquia assegurar os meios humanos e financeiros necessários para implementar “esta importante medida”.

José Morais. Foto: DR

“É uma questão de vontade política”, diz José Morais.

A medida hoje apresentada enquadra-se num conjunto mais alargado de propostas que irão ser apresentadas no âmbito da discussão do Plano de Actividades e Orçamento Municipal de Vila Verde.

“Firmes na oposição mas construtivos, apresentando propostas e ideias paras o desenvolvimento concelhio” é o lema dos socialistas vilaverdenses.

Segundo definição do Governo, que também adoptou um Orçamento Participativo a nível nacional, este instrumento é “um mecanismo de democracia participativa, que dá aos cidadãos o poder de decidirem como devem ser investidas verbas dos orçamentos públicos. Existem duas grandes categorias de OP: consultivo, no qual os cidadãos são ouvidos sobre os investimentos públicos a realizar, mas a decisão é da entidade de governo; deliberativo, no qual os cidadãos apresentam propostas e decidem, através do seu voto, onde será investido uma parte do orçamento público da entidade governativa”.

Municípios como Braga, Guimarães e Caminha, no Minho, já adoptaram o Orçamento Participativo, sendo os cidadãos convidados a apresentar projetos que, posteriormente, serão votados publicamente e implementados pelas respetivas autarquias.

“O Orçamento Participativo (…) pretende incentivar o exercício de uma cada vez mais ativa, qualificada e concreta intervenção cívica dos bracarenses, agora convidados a decidir sobre a melhor afetação de uma parte dos recursos da Câmara Municipal de Braga”, pode ler-se na página em que são apresentadas as regras de funcionamento do OP “Tu Decides!”, implementado pela autarquia.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Vídeos

Concorrente de Vila Verde vence montra final de “O Preço Certo” – “Espectáaaculo”

Augusto Canário também esteve no popular concurso da RTP.

Publicado

 a

Adelaide Marques 'safou-se' por 160 euros.

Uma concorrente de Vila Verde venceu esta terça-feira a montra final de “O Preço Certo”.

Adelaide Marques chegou ao momento decisivo daquele conhecido programa com uma margem de erro de 2 mil euros, valor que cobriu a diferença de 1.840 euros entre o seu palpite (18.900) e o valor do conjunto de prémios que viria a ganhar (20.740).

Vídeo: Facebook de Preço Certo

A felizarda, que, segundo refere o jornal “Semanário V”, com sede naquela vila minhota, trabalha na empresa DecorVerde, levou para casa, entre outros prémios, computador e impressora, televisão LED, malas de viagem, dois dias no Alentejo, entradas no Zoomarine e, como é da praxe, um automóvel (Fiat 500).

Foto: Transmissão no RTP Play

Augusto Canário também passou pelo programa, onde esteve à conversa com o apresentador Fernando Mendes, aproveitando para divulgar o “Encontro de Cantadores ao Desafio e Repentistas Portugueses“, que irá decorrer no próximo fim-de-semana em Viana do Castelo, de onde é natural.

Foto: Facebook de Rafael Pereira

Já este ano, um jovem de Paredes de Coura também ganhou a montra final do popular concurso.

“O Preço Certo” é um dos programas mais antigos em exibição na televisão portuguesa. O concurso apresentado pelo popular Fernando Mendes está no ar, em exibição contínua, desde 2003 – há 15 anos, portanto.

O programa completo desta quarta-feira está disponível no site da RTP, até ao próximo dia 16 de novembro, podendo a parte final ser vista a partir do minuto 30. [VER]

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Vila Verde

Cinco feridos em acidente na estrada Ponte de Lima-Braga

Na freguesia de Lage.

Publicado

 a

Foto: O Minho/Arquivo

Um acidente provocou ferimentos em cinco pessoas esta segunda-feira na freguesia de Lage, Vila Verde. A colisão entre um carro com quatro viaturas e uma carrinha apenas com o condutor ocorreu na Estrada Nacional (EN) 201, no sentido Ponte de Lima-Braga.

Um dos carros envolvidos na colisão acabou por perder a roda e derrapou cerca de 150 metros com a chuva. A condutora conseguiu evitar o capotamento e uma possível queda num descampado.

Para o local foram mobilizadas várias ambulâncias dos Bombeiros de Vila Verde. Os cinco feridos foram transportados para o Hospital de Braga. A GNR tomou conta da ocorrência.

Continuar a ler

Populares