Seguir o O MINHO

Vila Verde

Prisão preventiva por suspeitas de assassinar o pai em Vila Verde

Crime ocorreu em 2017.

em

Foto: O MINHO

O suspeito de assassinar o próprio pai, com um tiro no pescoço à queima-roupa, já em outubro de 2017, está preso preventivamente desde anoite desta sexta-feira, na Cadeia de Braga, indiciado por homicídio qualificado na forma consumada, cuja pena oscila entre 12 e 25 anos de prisão, segundo apurou O MINHO junto de fontes ligadas a este processo.

José Miguel Costa, de 21 anos de idade, solteiro, natural e residente no lugar da Seixosa, da freguesia de Moure, no concelho de Vila Verde, onde vivia com a namorada, antes de ter fugido para França, onde foi preso esta semana capturado pela Interpol, esteve esta quinta-feira a ser ouvido ao longo de toda a tarde pelo juiz de instrução criminal, Pedro Miguel Vieira.

A sua mãe, Maria Júlia Ferreira, florista em Braga, também arguida, está indiciada para já pelo crime de profanação de cadáver, mantendo-se desde junho deste ano com medida de coação de apresentações diárias no Comando Distrital da PSP de Braga, a cidade onde reside, desde o falso desaparecimento e o assassínio do empresário António Ferraz Costa, de 52 anos, mais conhecido por “Côto”, que terá sido morto numa exploração agrícola, em Soutelo, Vila Verde, após o que seria abandonado num descampado da freguesia de Palmeira, em Braga, onde foi descoberto por populares, em 26 de outubro do ano passado.

Uma das teses aponta para eventuais situações de violência doméstica por parte da vítima mortal, o que ainda está longe de confirmação, até porque desde o seu desaparecimento, em 14 de outubro de 2017, os familiares da vítima têm vindo a entrar em contradições e a apresentarem várias versões supostamente para tentar despistar os investigadores da PJ.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Vila Verde

Bateu recorde a subir escadas do Parlamento Europeu em bicicleta e ainda saltou por cima de eurodeputado

Novo recorde foi alcançado

em

Fotos: Divulgação

O atleta português Daniel Sousa superou hoje o desafio de subir em bicicleta as escadas centrais do edifício do Parlamento Europeu em Bruxelas, numa iniciativa levada a cabo pela equipa ‘Trial Portugal’, sediada em Vila Verde e promovida pelo eurodeputado José Manuel Fernandes.

“Não é usual acontecer este tipo de eventos neste edifício, mas foi um momento bonito, que evidenciou a abertura do Parlamento Europeu, incluindo os deputados, ao desporto radical e a demonstrações das capacidades e das mais valias que representam os nossos jovens”, afirmou José Manuel Fernandes.

Sob a atenção de eurodeputados, funcionários e visitantes do Parlamento, Daniel Sousa conseguiu subir as escadas dos primeiros 5 andares da torre E do edifício Altiero Spinelli (ASP), sem colocar os pés no chão e sem desmontar da bicicleta, em 3 minutos e 35 segundos. É um novo recorde da ‘Trial Portugal’ em subidas de edifícios emblemáticos.

No final, Daniel Sousa – que assumiu a prova numa altura em que o campeão e colega de equipa João Sousa está a recuperar de uma intervenção cirúrgica – contemplou a assistência com um espectáculo de habilidade e destreza ‘trialeira’ sobre o corpo de José Manuel Fernandes, que aceitou o desafio para colaborar na demonstração.

Devido às implicações em termos de segurança, logística e funcionamento dos serviços parlamentares, a concretização do ‘UP Stairs Challenge’ “não foi um processo fácil” ao nível das autorizações necessárias, mas “revelou-se uma boa causa e um bom resultado, também para o parlamento e para UE” – como reconheceu o Eurodeputado do PSD e coordenador do PPE, que fez questão de agradecer o apoio do presidente do Parlamento, o italiano Antonio Tajani.

“O desporto é importante para nos ajudar a promover o multiculturalismo e os valores da União Europeia, junto dos cidadãos europeus e no resto do mundo. São valores como a inclusão, igualdade, solidariedade, liberdade, dignidade e valorização humana, o ambiente, a saúde e a qualidade de vida das pessoas que tornam a União Europeia mais forte e que o desporto ajuda a promover”, defendeu José Manuel Fernandes.

Os jovens mereceram uma palavra especial da parte do Eurodeputado, lembrando que “são quem mais reconhece o benefício da União Europeia”. Aproveitou para reforçar o apelo à participação nas questões europeias e à concretização de ações que ajudem a estimular o conhecimento e o interesse dos jovens pelas instituições europeias.

José Manuel Fernandes, que assumiu o lançamento do projeto-piloto para a promoção do desporto e intercâmbios entre cidades e regiões, elogiou o trabalho da ‘Trial Portugal’, designadamente na luta pelo desporto sem barreiras e na valorização da participação cívica.

Daniel Sousa, que agradeceu todo o trabalho desenvolvido para tornar possível a oportunidade de levar avante o ‘UP Stairs Challenge’ “no coração da democracia europeia”, prometeu para breve novos desafios em edifícios emblemáticos fora de Portugal, dando seguimento a uma série que já levou a equipa a vencer provas no interior de edifícios como o Primavera BSS, Liberty Seguros, Câmara de Lisboa e Câmara da Maia.

Continuar a ler

Vila Verde

Homem morre após cair de escada quando podava árvore em Vila Verde

Em Cervães

em

Foto: DR/Arquivo

Um homem com cerca de 70 anos morreu esta quinta-feira à tarde, em Cervães, no concelho de Vila Verde, após cair de uma escada, quando procedia à poda de uma árvore.

Fonte dos Bombeiros Voluntários de Barcelos, que foram acionados para o local via 112, indicou a O MINHO que o alerta foi recebido cerca das 17:50.

Segundo fonte da Proteção Civil, estiveram no local sete operacionais.

Continuar a ler

Braga

Voluntários reconstroem casa de família carenciada em Vila Verde

A Habitat for Humanity, que em Portugal tem sede em Palmeira, Braga, já ajudou mais de 80 famílias, desde que chegou ao país, em 1996

em

Voluntários da associação com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Foto: Facebook de Habitat for Humanity Portugal (maio, 2017)

Uma equipa de voluntários da Habitat for Humanity Portugal, com sede em Braga, está pronta para meter as mãos na massa e reconstruir a casa de uma família carenciada de Oriz Santa Maria, em Vila Verde, anunciou aquela associação na sua página no Facebook.

“Ontem a nossa equipa de construção passou o dia todo a preparar o estaleiro da nossa mais recente obra. No final do dia, a coordenadora do voluntariado recebeu uma mensagem juntamente com a foto abaixo que dizia: “Vê o que a nossa equipa fez para mimar e receber os nossos voluntários. Estamos em contagem decrescente para o arranque da obra e não podíamos estar mais entusiasmados!”, escreve.

Foto: Facebook de Habitat for Humanity Portugal

A Habitat for Humanity Portugal, segundo a apresentação que consta naquela rede social, “é uma organização cristã, com estatuto de Utilidade Pública, dedicada à eliminação da pobreza habitacional e está em Portugal desde 1996 e já apoiou mais de 80 famílias a terem uma casa digna onde morar. (…) É uma filial da Habitat for Humanity Internacional, organização filiada em mais de 70 países e que, desde 1976, já ajudou cerca de 10 milhões de pessoas em todo o mundo a terem uma habitação segura, digna e de baixo custo”.

Continuar a ler

Populares