Seguir o O MINHO

Vila Verde

Presidente de Vila Verde vai pedir instrução do “processo das multas”

em

Foto: DR/Arquivo

O presidente da Câmara de Vila Verde, António Vilela, vai pedir a instrução do processo judicial em que é acusado de prevaricação, por “não ter cometido qualquer ilegalidade” na fiscalização do estacionamento.

O autarca (PSD) negou ao O MINHO ter dado ordens aos fiscais municipais para não multarem, tendo apenas decidido que não haveria dupla penalização dos automobilistas que não pagavam parcómetro, isto porque a concessionária do estacionamento, a Sociparque, passava “avisos de estacionamento” de 6,8 euros e, em simultâneo, os fiscais deixavam um papel com uma coima de 30 euros. Uma dupla penalização para a mesma infração que “trazia os municípes revoltados”.

O edil atuou “para salvaguardar o cumprimento da lei, e o interesse público e de evitar a desordem e desacatos públicos”. E tinha um parecer do Provedor de Justiça contra a dupla penalização.

O Ministério Público (MP) acusou-o de prevaricação de titular de cargo político, por ter dado instruções para não se passarem multas de estacionamento. Ficou ainda acusado de Desacatamento ou seja, de recusa de execução de uma decisão judicial.

A acusação diz que, Vilela, em dezembro de 2013, decidiu não aplicar multas. Assim, até 2016, o Município apenas passou seis autos de notícia, enquanto a concessionária emitiu 37.196 avisos.

Para o MP, se a Câmara tivesse multado, as coimas teriam rendido 1,1 milhões de euros, a repartir pelo Estado (40 por cento), pelo município (30 por cento) e pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (30 por cento).

Em comunicado, Vilela sublinha que havia “confusão pública e dúvida sobre a legitimidade de a empresa aplicar a sanção” e que “não havia informação jurídica capaz de enquadrar a situação”. A firma foi notificada para parar com o procedimento, o que não fez, tendo-se, então, avançado com uma ação judicial, “que foi indeferida”.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Vila Verde

Familiares e amigos despediram-se de emigrante morto por vespas asiáticas em Vila Verde

Funeral encheu Cemitério Paroquial de Dossãos

em

Foto : Joaquim Gomes

O funeral do emigrante morto por um enxame de vespas asiáticas decorreu na sua terra natal, em Dossãos, no concelho de Vila Verde, depois da missa de corpo presente participada por um elevado número de familiares e de amigos da vítima que encheram por completo a igreja local.

António Manuel da Costa Macedo, de 47 anos, solteiro, eletricista, estava emigrado na Suíça e encontrava-se de férias na aldeia. O corte de uma árvore, onde estava um ninho de vespas asiáticas, terá provocado um choque anafilático e paragem cardiorrespiratória.

António Macedo era filho de Eusébio Macedo, antigo presidente da Junta de Freguesia de Dossãos, como revelou a O MINHO o atual autarca local, Jorge Oliveira, no final das cerimónias fúnebres que decorreram este sábado, presididas pelo pároco, Domingos Mendes.

Recorde-se que a vítima foi socorrida pelos Bombeiros Voluntários de Vila Verde e pela Equipa da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Grupo de Braga do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Continuar a ler

Vila Verde

Vespa asiática faz um morto em Vila Verde

em

Um homem de 47 anos morreu depois de ser atacado por um enxame de vespas asiáticas, quando estava a podar um árvore na freguesia de Dossãos, em Vila Verde.

O ataque, na passada quarta-feira, provocou a sua morte quase de imediato mas só, hoje, depois da autópsia se soube as causas do falecimento.

As picadas das vespas terão provocado uma paragem cardiorrespiratória ao homem, de nome António Macedo, socorrido pela VMER de Braga, Bombeiros de Vila Verde e familiares mais próximos. António Macedo era emigrante na Suiça e estava a passar as férias natalícias junto de familiares. O funeral está marcado para amanhã de manhã.

Continuar a ler

Vila Verde

Aluna de Vila Verde queixa-se de agressão de colegas

Mãe fala em ‘bullying’.

em

Foto: "O Vilaverdense"

Uma aluna do 5.º ano da Escola Básica de Vila Verde, que se queixa de ter sido agredida por duas colegas, foi assistida esta quarta-feira de manhã no Hospital de Braga, confirmou o diretor da instituição de ensino ao jornal “O Vilaverdense”.

A mãe da adolescente, que foi suturada com três pontos, conta que a adolescente tem sido vítima de bullying por parte de colegas dos 6.º e 7.º anos.

“Hoje de manhã, estava sentada no recreio antes de tocar para entrar quando duas colegas a puxaram e atiraram para o chão para se sentarem no mesmo sítio”, afirma ao jornal de Vila Verde.

A encarregada de educação pondera apresentar queixa à GNR.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares