Presidente do parlamento ucraniano visita Portugal este ano a convite de Aguiar-Branco

Ruslan Stefanchuk
Foto: Lusa

O presidente do parlamento ucraniano visita Portugal até ao final do ano e a Assembleia da República vai cooperar nas reformas legislativas que Kiev terá de concretizar nos seus processos de adesão à NATO e União Europeia.

O convite formal para que Ruslan Stefanchuk realize a visita oficial a Portugal foi feito pelo presidente da Assembleia da República, José Pedro Aguiar-Branco, na segunda-feira, durante uma reunião bilateral à margem da cimeira da Assembleia Parlamentar da NATO, que hoje termina em Washington.

“Foi uma reunião muito importante e que me permitiu expressar e condenar veementemente os recentes ataques de que a Ucrânia foi vítima, ataques que atingiram níveis de barbaridade muito elevados. Reiterei o convite para que o presidente Ruslan Stefanchuk visite Portugal, que aceitou. E, portanto, em data a acertar, mas seguramente até ao final do ano, previsivelmente algures em novembro, essa visita vai concretizar-se”, declarou à agência Lusa o presidente da Assembleia da República.

José Pedro Aguiar-Branco, que se encontra em Washington acompanhado pelo vice-presidente da Assembleia da República Marcos Perestrello, adiantou à agência Lusa que acertou com o seu homólogo ucraniano uma intensificação da colaboração entre os parlamentos de Portugal e da Ucrânia.

“Entre os nossos parlamentos, poderemos avançar com uma colaboração mais estreita. A experiência portuguesa pode ajudar no que respeita às reformas legislativas (por exemplo, na área da justiça) necessárias para a adesão da Ucrânia à NATO e à União Europeia”, referiu o antigo ministro social-democrata.

Durante a sua reunião com Ruslan Stefanchuk, José Pedro Aguiar-Branco disse ter reiterado “a posição oficial de Portugal de apoio da adesão da Ucrânia à União Europeia e à NATO”.

“Do lado do presidente da Ucrânia, recebi um reconhecimento sincero, verdadeiro e sentido do apoio que Portugal tem dado à causa ucraniana desde a primeira hora, não só em termos financeiros e de armamento, mas também ao nível dos apoios humanitário, político, geopolítico e comunicacional. Estando Portugal situado no extremo oposto da União Europeia, é muito importante o nosso papel em termos de visibilidade da causa ucraniana. E, por outro lado, Portugal pode ter um papel, que sabe fazer bem, na sua relação com países terceiros, transmitindo a mensagem de que está em causa a liberdade e a democracia para todos nós”, completou.

Na reunião, o presidente da Assembleia da República também transmitiu ao seu homólogo que os feridos ucranianos que estão a ser tratados em Portugal foram recebidos recentemente no parlamento, em Lisboa, “e tiveram uma manifestação de aplauso e carinho por parte dos parlamentares portugueses”.

“Temos com a Ucrânia uma relação sentida e genuína”, sustentou.

Na segunda-feira, em Washington, além do encontro com Ruslan Stefanchuk, José Pedro Aguiar-Branco, teve uma reunião bilateral com o presidente do parlamento da Estónia, Mauri Hussar.

“Abordámos os principais desafios para o reforço do projeto europeu e a questão da Ucrânia, num momento em que a Kaja Kallas está apontada para o cargo de alta representante para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança”, assinalou.

De forma informal, Aguiar-Branco manteve conversações com os presidentes dos congressos de Espanha e dos Estados Unidos, e com os líderes dos parlamentos de Itália e da Polónia.

Hoje, à margem dos trabalhos formais da Assembleia Parlamentar da NATO, José Pedro Aguiar-Branco terá ainda em Washington reuniões com congressistas luso-americanos.

A cimeira reúne delegações parlamentares dos 32 membros da NATO, bem como da Ucrânia, incluindo 23 presidentes de parlamentos. Esta reunião de alto nível, entre outros objetivos, visa reforçar a dimensão parlamentar da Aliança Atlântica e realçar as posições dos parlamentos dos diferentes Estados-membros sobre as principais prioridades da NATO.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

IL diz que PGR terminou "com teoria do golpe de Estado” ao anterior governo

Próximo Artigo

Enfermeiros dos hospitais privados exigem em protesto melhores condições de trabalho

Artigos Relacionados
x